Arquivo da categoria: Animais

I’m Not Dog No – A Servidão Voluntária

O cantor e humorista cearense Falcão ganhou destaque nacional, quando lançou uma música com o mesmo título deste artigo. A versão em inglês do antigo sucesso de Waldick Soriano não é o tema deste artigo, e sim o comportamento canino e sua semelhança com o de inúmeros grupos de humanos.

Falcao

Cantor cearense Falcão

Tenho passado, rotineiramente, os dias da semana em uma pequena cidade do interior de São Paulo, Orindiúva. Como adquiri nos últimos meses o hábito da corrida, pelo menos duas vezes por semana, saio do hotel para treinar antes das 6 horas da manhã. No percurso de quase sete quilômetros, percorro ruas e contorno praças da cidade. Nos últimos dois ou três meses, comecei a notar que o número de cães nas ruas da cidade está crescendo, servindo de base para minha observação sobre a etologia (comportamento) canina. A seguir listo minhas sete principais conclusões.

Orindiuva_GoogleMaps

Foto de satélite da cidade de Orindiúva

1. Cães gostam de estar junto às pessoas

Os trabalhadores das usinas da região costumam esperar nas praças da cidade os ônibus que os conduzem ao trabalho. Frequentemente os cachorros ficam junto com os trabalhadores que interagem e alimentam os animais.

2. Cães seguem uma rotina

Logo após as partidas dos ônibus com os trabalhadores, as praças esvaziam e as matilhas se deslocam para outro local, onde há outras pequenas aglomerações de pessoas. Esta rotina se repete até perto das 7 horas da manhã, quando vários cachorros ficam próximos de uma escola municipal.

3. Cães solitários normalmente são tímidos

Cães solitários não costumam latir para pessoas. Ao cruzar no caminho, pode-se notar uma certa tensão no olhar do animal.

Cachorro solitario_orig

Cão solitário

4. Cães agem de forma parecida quando estão em grupo

Quando estão em grupo, os cachorros começam a homogeneizar suas ações e reações. Parecem um único indivíduo dividido em várias partes. Todos demonstram alegria, medo ou agressividade ao mesmo tempo.

5. Cães menores são os maiores influenciadores do comportamento da matilha

Invariavelmente são os cachorros menores que influenciam os maiores. Talvez por serem mais inquietos e ativos, os cães menores começam as brincadeiras, latem e atacam algum pedestre.

6. Cães gostam de atacar alvos em movimento

Cães adoram atacar ciclistas, motociclistas e “pessoas que correm pelas ruas às 6 horas da manhã”. Este é meu maior problema, quando corro ao redor de uma praça orindiuvense e uma matilha resolve me acuar.

7. A força do cão está na matilha e a fraqueza está no indivíduo

A prova que a matilha é forte e o cão solitário é fraco aconteceu em um dia que uma pequena matilha ficou me perseguindo e latindo ao meu redor. Após uns 50 metros, todos os cães desistiram de me seguir com exceção de um animal. Neste momento, eu comecei a correr atrás dele por uns 10 metros, antes de retomar minha rota. O cãozinho ficou apavorado e se escondeu atrás de uma estátua de onde ficou me espiando. Ou seja, ele era valente no grupo e ficou covarde sozinho.

Cachorro matilha

Matilha

Felizmente, até agora a cachorrada das ruas de Orindiúva não me mordeu. Só ficam latindo ao meu redor, quando passo perto de uma matilha. Como escreveu sabiamente o cantor Falcão, “dog’s au-au it’s not nhac-nhac” (ou em bom português, cão que late não morde).

Cachorros 2

Meus dois “melhores amigos” em Orindiúva

O ser humano tem a faculdade de pensar criticamente e agir de acordo com seus princípios, mas muitos abdicam da liberdade de discordarem de seu grupo e deixam-se levar pelo pensamento único. Agem como se só haveria força se seguissem sua “matilha”.

Não pensar criticamente é o caminho para servidão voluntária.

Escrevi três artigos sobre obediência baseado nos trabalhos de dois psicólogos americanos, Stanley Milgram e Philip Zimbardo. No trabalho de Milgram, as pessoas davam choques em outras simplesmente, porque alguém (a autoridade) assumia toda a responsabilidade. No experimento de Zimbardo, quem fazia o papel de guarda em uma penitenciária fictícia passou a humilhar quem fazia o papel de preso. E a maioria destes “presos” aceitou os desmandos e humilhações como se não houvesse alternativa.

Milgram_Zimbardo

Stanley Milgram e Philip Zimbardo

Recentemente li o “Discurso sobre a Servidão Voluntária”, escrito pelo filósofo francês Étienne de La Boétie no século XVI. Fica claro que seguir ordens e não reagir contra elas, mesmo quando veementemente não se concorda com elas, é muito mais confortável. As pessoas podiam se rebelar e simplesmente desobedecer ao tirano, mas seguem atendendo suas ordens. Os submissos são responsáveis pela sustentação da tirania.

Étienne de La Boétie

Étienne de La Boétie

Hannah Arendt, filósofa alemã de origem judaica, acompanhou o julgamento do nazista Adolf Eichmann em Israel. Ela esperava encontrar um monstro, mas viu um homem absolutamente normal, um burocrata responsável pela logística de transporte de judeus até os campos de extermínio. Segundo Eichmann, ele simplesmente estava cumprindo a sua obrigação. Baseada nessa observação, Arendt cunhou o termo “Banalidade do Mal”.

Hannah Arendt

Hannah Arendt

Voltando a Philip Zimbardo, ele listou sete processos sociais que facilitam o escorregão para o mal no seu livro “O Efeito Lúcifer”:

– displicentemente dar o primeiro passo;
– desumanização dos outros;
– anonimato;
– responsabilidade individual difusa;
– obediência cega à autoridade;
– conformismo não crítico às regras do grupo;
– tolerância passiva ao mal pela inação ou indiferença.

O filósofo austríaco Karl Popper foi um grande defensor da tolerância, entretanto explicitou seus limites no livro “Sociedade Aberta e seus Inimigos” de 1945.

“Tolerância ilimitada leva ao desaparecimento da tolerância. Se estendermos tolerância ilimitada até mesmo para aqueles que são intolerantes, se não estivermos preparados para defender a sociedade tolerante contra a investida dos intolerantes, então os tolerantes serão destruídos, e a tolerância junto destes.”

Karl Popper

Karl Popper

Esta tolerância ilimitada poderia ser substituída por passividade – processo que transforma pessoas livres em zumbis ou simples cães de rua que só conseguem agir de acordo com a vontade da matilha que espera a iniciativa de seus mais insignificantes membros para sair da inércia.

P.S.: Aproveito para fazer um apelo ao prefeito da cidade de Orindiúva. A cidade apresenta ótima conservação de ruas, praças e prédios públicos, além de oferecer à população bons serviços nas áreas de educação e saúde. Está na hora de implantar um programa de castração dos cães de rua e oferecer este serviço para que os moradores possam esterilizar seus animais domésticos com baixo custo. Assim evitar-se-á a multiplicação de animais nas ruas e aumento de casos de zoonoses.

2 Comentários

Arquivado em Animais, Ética, Filosofia, Geral, Gestão de Pessoas, História, linkedin, Política, Psicologia

E se o Príncipe Hamlet Fosse um Ovo, uma Semente ou uma Pedra?

Já imaginou se o príncipe Hamlet da Dinamarca, personagem principal da magistral peça de William Shakespeare, não fosse um ser humano? E se ele fosse o ovo de uma ave, ou a semente de uma árvore ou uma simples pedra?

Para relembrar, há alguns anos escrevi um artigo sobre Hamlet, a versão de Millôr Fernandes para o famoso monólogo “Ser ou Não Ser” está apresentada na sequência.

Hamlet_Delacroix

Hamlet e Horácio no cemitério de Eugène Delacroix

Ser ou não ser – eis a questão
Será mais nobre sofrer na alma
Pedradas e flechadas do destino feroz
Ou pegar em armas contra um mar de angústias –
E, combatendo-o, dar-lhe fim? Morrer; dormir;
Só isso. E com o sono – dizem – extinguir
Dores do coração e mil mazelas naturais
A que a carne é sujeita; eis uma consumação
Ardentemente desejável. Morrer – dormir –
Dormir! Talvez sonhar. Aí está o obstáculo!
Os sonhos que hão de vir no sonho da morte
Quando tivermos escapado ao tumulto vital
Não obrigam a hesitar: e é essa reflexão
Que dá à desventura uma vida tão longa.
Pois quem suportaria o açoite e os insultos do mundo,
A afronta do opressor, o desdém do orgulhoso,
As pontadas do amor humilhado, as delongas da lei,
A prepotência do mundo, e o achincalhe
Que o mérito paciente recebe dos inúteis.
Podendo ele próprio, encontrar seu repouso
Com um simples punhal? Quem aguentaria fardos,
Gemendo e suando numa vida servil,
Senão porque o terror de alguma coisa após a morte –
O pais não descoberto, de cujos confins
Jamais voltou nenhum viajante – nos confunde a vontade,
Nos faz preferir e suportar os males que já temos,
A fugirmos para outro que desconhecemos?
E assim a reflexão faz todos nós covardes.
E assim o matiz natural da decisão
Se transforma no doentio pálido do pensamento,
E empreitadas de vigor e coragem,
Refletidas demais, saem de seu caminho,
Perdem o nome de ação.

Ovo_Sementes_Pedras

Se Hamlet fosse um ovo, poderia ser assim seu famoso monólogo:

Ser ou não ser – eis a questão
Ser mineral ou ovo?
Enquanto sou simples ovo, sou como mineral, meu relógio está parado – sem riscos,
Mas diferente dos minerais, posso me transformar!
Com ar ou sem ar – eis a questão
Sem ar, o tempo não existe,
Com ar, o cronômetro dispara…
Não serei mais ovo,
Serei uma ave!
Toda água que preciso para me transformar em ave já está dentro de mim,
Quando estiver pronta bicarei o invólucro mineral que me protege – a casca,
Colocarei minha cabeça para fora e inspirarei o ar para meus pulmões pela primeira vez.
Depois ao expirar, emitirei o primeiro som da minha vida.
Inspirarei e expirarei de forma rítmica enquanto viver.
Aprenderei a suprir meu próprio alimento.
Caçarei animalzinhos menores e fugirei dos meus predadores.
Alternarei períodos de sono com períodos de vigília.
Crescerei e procriarei.
Colocarei ovos que poderão gerar aves semelhantes a mim.
Seguirei meus instintos todos os dias.
Sentirei o mundo ao meu redor.
Até o dia em que perderei minhas forças, envelhecerei.
Me tornarei presa fácil e, um dia, expirarei pela última vez.
Terei morrido!
Meus restos voltarão para a terra e uma parte voltará a ser mineral.
Mas se alguns dos ovos que botei, ao longo da minha vida, virarem aves,
Todo o ciclo da vida recomeça e esta história poderá ser recontada.

E se fosse uma semente?

Ser ou não ser – eis a questão
Ser mineral ou planta?
Enquanto sou simples semente, sou como mineral, meu relógio está parado – sem riscos,
Mas diferente dos minerais, posso me transformar!
Com água ou sem água – eis a questão
Sem água, o tempo não existe,
Com água, o cronômetro dispara…
Não serei mais semente,
Primeiro virarei broto,
Crescerão raízes, caule e folhas,
Minhas raízes buscarão na terra a água e os minerais que preciso,
Minhas raízes chegarão até a rocha-mãe e a desintegrarei lenta e carinhosamente,
A água e os minerais absorvidos pelas raízes formarão a seiva bruta,
Que subirá, através do xilema, pelo meu caule até minhas folhas.
De dia o sol iluminará minhas folhas,
Absorverei o gás carbônico do ar
E, através do milagre da fotossíntese, liberarei oxigênio e produzirei açúcares.
Através do floema mandarei para baixo esta nova seiva nutritiva.
Crescerei um pouco a cada dia.
No final de cada ciclo, florescerei e frutificarei.
Farei sementes iguais à que eu fui um dia.
E voltarei a crescer até um dia em que pararei de crescer e morrerei.
O tempo, materializado em meu corpo, estará encerrado para mim.
Voltarei a ser mineral, voltarei para a terra…
Mas minhas sementes, se receberem água, contarão de novo esta história.

Mas tudo seria mais simples, se Hamlet fosse uma pedra:

Ser ou não ser – eis a questão,
Simples, apenas ser…
E suportar tudo – eternamente,
Ser pisoteada por homens e animais,
Despencar da encosta de uma montanha,
Ser chibatada pelas águas do mar ou de um rio,
Ou lavada gentilmente pela chuva,
Ser erodida pelos ventos,
Ou partida pela violência de um raio.
Passar os tempos no alto de uma montanha,
No fundo de um rio,
Ou nas profundezas da terra, onde as raízes de plantas roubam meus minerais.
Se eu for totalmente fragmentada, desintegrada,
Continuo a ser a mesma, porque sou apenas a soma de minhas partes.
Tenho a eternidade.

 

Deixe um comentário

Arquivado em Animais, Arte, Filosofia, Geral, linkedin, Literatura

Adeus, Filó! Você Sucateou Minhas Armaduras…

Há mais ou menos um mês, Claudia descobriu uma família de cães abandonada em um terreno baldio de Cotia, no caminho entre nossa casa e as escolas das meninas. Os animais estavam severamente desnutridos como você pode ver no filme abaixo.

Os dois filhotes foram adotados pela Dot, a amiga que publicou este vídeo, enquanto que as duas maiores ficaram mais um tempo por lá até serem resgatas pela Claudia. Após a castração (condição necessária para adoção), elas ficaram na nossa casa para se recuperarem da cirurgia.

Passaram-se algumas semanas e a cachorrinha menor, mais velha, começou a apresentar dificuldades para se locomover. O exame de sangue confirmou nosso maior temor, ela estava com cinomose, uma doença gravíssima que ataca o sistema nervoso dos cães.

A cachorrinha ganhou o nome de Filomena (Filó para os íntimos), recebeu remédios para tentar reverter a situação. Infelizmente seu estado foi agravando-se a cada dia, Filó não conseguia mais ficar de pé sozinha e, na sexta-feira passada, percebemos que estava cega. Como a doença evoluía rapidamente, tomamos uma difícil decisão para acabar com o sofrimento da Filó – providenciar a eutanásia.

Como a Claudia viajou na manhã do sábado para participar de um curso, eu levei a Filó sozinho para a veterinária. Não consegui conter as lágrimas na sala de espera, muito menos quando fiquei no consultório me despedindo dela ou no momento em que a injeção de anestésico foi aplicada. Só não fiquei junto quando foi aplicada a injeção letal.

Saí com o corpo da Filó enrolado num cobertor na mesma caixa em que foi levada para a clínica. Estava triste, muito triste…

Havia uma flor no chão do carro e a coloquei sobre seu corpo no transporte para a outra clínica, onde seria dado o destino final ao seu corpo. Quando deixei a caixa em uma mesa desta outra clínica, novamente não evitei o choro.

Desde a adolescência construímos nossas armaduras para que os outros nos enxerguem da forma que desejamos. Eu forjei duas armaduras – a primeira de racionalidade para encobrir meu sentimentalismo e a segunda brincalhona para disfarçar minha introspecção. Filó mandou as duas para a sucata no sábado.

Vai ser difícil apagar da minha memória o olhar da Filó. Morreu quando estava próxima de uma vida melhor, com mais carinho. Camomila, a companheira da Filó, continua esperando sua volta, e nós continuamos aguardando interessados na adoção…

Camomila e Filomena

Camomila e Filó (na direita)

Deixe um comentário

Arquivado em Animais, Ética, Filosofia, Geral, linkedin, Psicologia

Os Veganos e os Orgânicos

O veganismo não é somente um tipo de dieta, é muito mais do que isto. Na verdade, ser vegano é optar por uma filosofia de vida, onde qualquer sofrimento animal é intolerável.

Começo por uma definição sobre veganismo divulgada pela The Vegan Society em 1979:

“Uma filosofia e modo de vida que procura excluir – na medida do possível e praticável – todas as formas de exploração e crueldade de animais para alimentação, vestuário ou qualquer outro propósito e, por extensão, promove o desenvolvimento e uso de alternativas livres de animais em benefício dos seres humanos, dos animais e do meio ambiente. Em termos alimentares, denota a prática de dispensar todos os produtos derivados total ou parcialmente de animais.”

Deste modo, um vegano não se alimenta com produtos de origem animal como carne, leite, ovos, mel e todos os seus derivados. Não usa roupas de couro, seda ou lã. Não usa cosméticos ou produtos de limpeza testados em animais. Também não aprova diversões como zoológicos, aquários, rodeios e shows com animais.

go-veganNo que se refere à alimentação, o vegano só consome plantas e seus derivados, sua dieta é estritamente vegetariana. Como sabemos, atualmente, a agricultura comercial emprega fertilizantes químicos para garantir a fertilidade do solo; herbicidas, para reduzir a concorrência de outras espécies vegetais por água e nutrientes do solo; e pesticidas, para que insetos não se alimentem de partes das plantas, reduzindo a produtividade da lavoura.

A agricultura orgânica supre as necessidades de nutrientes do solo com resíduos de animais e vegetais. Deste modo, não são adicionadas novas quantidades de nitrogênio (extraído do ar e transformado em amônia através da síntese de Haber-Bosch) e fósforo (extraído através de mineração) aos ciclos destes nutrientes. Para obter mais detalhes, leia o artigo Temos Tempo para Discutir o Aquecimento Global?, e você verá que existem outros problemas ambientais tão importantes quanto o aquecimento global – o desequilíbrio dos ciclos de nitrogênio e fósforo é um dos mais graves. Outra motivação para o consumo de produtos orgânicos é o não uso de herbicidas e pesticidas, o que é benéfico para quem se alimenta dos vegetais e para a natureza em geral.

podutos-organicos-certificados

Neste ponto, um vegano chegaria a um dilema – as frutas, grãos e verduras orgânicas não são provavelmente veganas, porque geralmente usam dejetos de criação de animais como fertilizante. Vocês poderão concluir que, pelo menos, os dejetos provêm de animais criados de forma orgânica, sem confinamento, mas esta prática é apenas uma recomendação. De acordo com a norma que rege à agricultura orgânica, os agricultores de locais sem disponibilidade de dejetos oriundos de produção orgânica poderão usar dejetos de produção convencional, sem que seu produto deixe de ser rotulado como orgânico. Estrume de vacas confinadas e camas de frango de aviários são exemplos de fertilizantes permitidos nestas circunstâncias.

As camas de frango são misturas de serragem colocadas no piso de aviários para receber os excrementos das aves. São gerados entre 1,0 e 1,5 kg de cama de frango por ave. Se considerarmos que em 2016 foram abatidos aproximadamente 6 bilhões de frangos no Brasil, houve geração entre 6 e 9 milhões de toneladas de cama de frango.

cama-de-frango

Aviário comercial com cama de frango.

Atualmente cerca de 80% do total dos antibióticos produzidos no mundo são consumidos por animais que servirão como alimento para humanos. Os frangos possuem aparelho digestivo curto e uma quantidade significativa do medicamento não é absorvida por seus intestinos. Deste modo, suas fezes contaminadas com antibióticos são incorporadas às camas de frangos.

O tratamento normalmente empregado para a estabilização deste resíduo é a compostagem em grandes pilhas, onde os microrganismos presentes na cama degradam parte da matéria orgânica, elevando a temperatura acima de 70°C. As pilhas são periodicamente revolvidas e, depois de alguns dias, os microrganismos patogênicos são inativados. As especificações exigidas na regulamentação dos produtos orgânicos com relação ao patógenos são atendidas. Por outro lado, as moléculas dos antibióticos são apenas parcialmente degradadas e não existe restrição, quanto as concentrações máximas permitidas para o uso como fertilizante orgânico.

Quando esta cama de frango estabilizada é utilizada como fertilizante no solo, os efeitos são imprevisíveis, resultando, por exemplo, na degradação parcial das moléculas dos antibióticos com a geração de moléculas mais tóxicas, na absorção parcial pelas plantas, na contaminação de águas superficiais e lençol freático, além da seleção de superbactérias patogênicas.

Então um vegano poderia chegar à conclusão que talvez seja melhor comprar produtos agrícolas oriundos de adubação química. Assista ao vídeo abaixo e depois discutiremos alternativas.

Existe a possibilidade de usar adubação 100% vegetal, estabilizada através de compostagem. A Embrapa Agrobiologia, localizada no estado do Rio de Janeiro, desenvolveu compostos totalmente vegetais a partir da compostagem de mistura de torta-de-mamona com bagaço de cana-de-açúcar ou palhada de capim-elefante com excelente desempenho e isento de contaminantes biológicos ou químicos.

Assim os vegetarianos em geral e especificamente os veganos (além dos onívoros que consomem orgânicos) deveriam buscar informação sobre a forma de fertilização do solo onde seus orgânicos foram produzidos. Alimentos produzidos com resíduos da pecuária comercial não deveriam ser certificados como orgânicos. Admitir o uso de cama de frango na agricultura auxilia na redução dos custos da avicultura comercial que promove exploração e maus-tratos em animais, polui o meio ambiente e compromete a saúde dos humanos.

Deixe um comentário

Arquivado em Animais, Ética, Economia, Geral, linkedin, Meio Ambiente, Nutrição, Saúde, Tecnologia

Temos Tempo para Discutir o Aquecimento Global?

Há sete anos, escrevi um artigo (Aquecimento Global é um Dogma e Dogmas não Podem Ser Discutidos) onde discutia-se a certeza que o aquecimento global é causado pelo ser humano. Após estes anos, estou convencido que dificilmente será provada a teoria antropogênica do aquecimento global. Afinal a Terra já passou por eras glaciais e eras de aquecimento, sem a presença dos humanos ou, antes da Revolução Industrial com a humanidade presente. Fica muito difícil provar se a concentração de CO2 é causa ou consequência. Como provar cientificamente que a humanidade é a causadora deste ciclo de aquecimento? Esta é uma boa hipótese, mas é somente uma hipótese.

Se você insistir com o argumento sobre o aumento da concentração de CO2 e demais gases do efeito estufa na atmosfera, corremos o risco de seguir uma falácia lógica conhecida pela expressão latina post hoc ergo propter hoc (depois disso, logo causado por isso), também chamada de correlação coincidente. Por exemplo, quando A ocorreu, B ocorreu, logo A é a causa de B. Muitas vezes isto não é verdade…

Se não tem como provar a teoria antropogênica do aquecimento global, vale à pena arriscar? Prefiro que a humanidade faça as coisas do jeito certo, como se a teoria estivesse correta, mude os padrões de consumo e seja mais sustentável.

As mudanças climáticas são apenas um dos aspectos do que vem acontecendo de errado com o meio ambiente da Terra. O pesquisador sueco Johan Rockström e o químico americano Will Steffen lideraram um grupo de cientistas que propôs 9 limites planetários que não deveriam ser transpostos.

1. Mudanças climáticas
2. Perda da integridade da biosfera (perda de biodiversidade e extinção de espécies)
3. Destruição do ozônio estratosférico
4. Acidificação dos oceanos
5. Fluxos biogeoquímicos (ciclos do fósforo e do nitrogênio)
6. Mudança do sistema terrestre (por exemplo, o desmatamento)
7. Utilização da água doce
8. Carga atmosférica de aerossóis (partículas microscópicas na atmosfera que afetam o clima e os organismos vivos – ainda não quantificado globalmente)
9. Introdução de novas entidades (por exemplo, poluentes orgânicos, materiais radioativos, nanomateriais, e microplásticos – ainda não quantificado globalmente)

Atualmente quatro destes nove itens ultrapassaram o limite seguro e entraram na “zona de perigo”: mudanças climáticas, perda da integridade da biosfera, fluxos biogeoquímicos e mudança do sistema terrestre.

A humanidade está gerando a sexta grande onda de extinção de espécies da história da Terra. As outras cinco foram causadas por causas naturais – erupção de grandes vulcões ou impacto de asteroides, meteoros e cometas. Podemos chegar a 2020 com apenas um terço da população de vertebrados de 1970. A figura abaixo mostra a aceleração do número de extinções de vertebrados.

vertebrates_extinction

Taxa de extinção de vertebrados (Fonte: WWF – Living Planet Report 2016)

O desequilíbrio dos ciclos de nitrogênio e fósforo é causado pelo uso crescente de fertilizantes na agricultura. Há um século, os químicos alemães Fritz Haber e Carl Bosch inventaram um processo para produzir amônia (composto básico para a produção de fertilizantes) a partir do nitrogênio atmosférico. Deste modo, quantidades enormes de nitrogênio sob forma de amônia e nitratos foram introduzidas no ciclo do nitrogênio, desequilibrando-o totalmente.

O fósforo é um elemento químico com reservas mais ameaçadas do que, por exemplo, o petróleo. Já escrevi um artigo sobre esta questão (A Ameaça da Fome no Mundo – Reciclar é Preciso, Extrair não é Preciso). Como o fósforo é extraído do subsolo como mineral, purifica-se para ser empregado na agricultura sob a forma de fosfato. O maior problema é que as plantas não aproveitam todo nitrogênio e fósforo adicionado ao solo e as chuvas arrastam o excesso para os rios, reduzindo a concentração de oxigênio dissolvido, o que prejudica a vida aquática. Ao chegar nos oceanos causa as chamadas dead zones (zonas mortas) nas regiões costeiras, onde há redução expressiva na viabilidade da vida marinha. O delta do Rio Mississippi, no Golfo do México, é um dos principais casos. Atualmente mais de 400 pontos de dead zones foram detectados na Terra. Veja a figura abaixo.

aquatic_dead_zones

Dead zones (Fonte: Robert Simmon & Jesse Allen – NASA Earth Observatory)

A agricultura, além de contribuir fortemente para a extinção de espécies e para o desequilíbrio nos ciclos do nitrogênio e do fósforo, tem causado desmatamento, alteração radical de ecossistemas e desertificação de muitas áreas do planeta (o quarto item a superar os limites planetários – mudança do sistema terrestre). Sem contar que apenas a pecuária é responsável por 14,5% dos gases de efeito estufa, o que ajudaria na mudança climática.

Obama fez um grande esforço para que os Estados Unidos se comprometesse com redução de emissões e assumisse um acordo na COP21 em Paris. Provavelmente, com Trump na presidência, os Estados Unidos ficarão de fora como já aconteceu com o Protocolo de Kyoto. Os Estados Unidos nunca gostaram de assumir acordos e resoluções internacionais. Por exemplo, o país não é signatário da maioria dos tratados referentes aos direitos humanos.
Este é o problema se Donald Trump botar para quebrar na questão ambiental, como a indicação de Scott Pruitt como administrador da EPA (agência americana de proteção ambiental), nossos filhos e netos viverão num planeta bem diferente do que o atual. Em dezembro, o jornal El País iniciou assim seu artigo sobre a indicação de Pruitt:

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, escolheu para ser o novo responsável pela política do país para o meio ambiente um promotor veterano de Oklahoma que não acredita que a ação humana interfira na mudança climática e que dedicou seus últimos anos a vetar na Justiça as regulamentações propostas por Barack Obama na batalha contra o aquecimento global. Scott Pruitt, promotor geral do Estado que mais utiliza petróleo e gás de forma intensiva, será o novo diretor da Agência para Proteção do Meio Ambiente dos EUA.

Na semana passada, Pruitt foi sabatinado pelo senado americano para ter a indicação de seu nome confirmada. O Senador Bernie Sanders deu uma verdadeira prensa em Pruitt e perguntou por que o clima estava mudando. A resposta de Pruitt foi evasiva:

– O clima está mudando e a atividade humana contribui para isto de alguma maneira.

Se quiser ver o vídeo com a íntegra dos questionamentos de Sanders para Pruitt ou ler a transcrição completa, basta clicar no link abaixo do Washington Post.

https://www.washingtonpost.com/news/energy-environment/wp/2017/01/18/bernie-sanders-to-scott-pruitt-why-is-the-climate-changing/?utm_term=.75539e270718

A humanidade tem feito um “ótimo” trabalho para destruir a Terra. Agora com a ajuda de Trump e sua equipe, parece que o trabalho será ainda mais bem executado…

1 comentário

Arquivado em Animais, Ética, Economia, Geral, História, linkedin, Meio Ambiente, Política, Psicologia

O Festival de Carne de Cachorro e os Mini Porcos de Estimação

Ontem começou um festival de carne de cachorro na cidade chinesa de Yulin, no qual dez mil animais serão comidos até o final deste evento. Muitos grupos protestaram e abaixo-assinados eletrônicos com milhões de adesões circularam pela Internet, pedindo o cancelamento deste festival, sem sucesso.

Cães vendidos em um mercado de Yulin na China

Cães vendidos em um mercado de Yulin na China

Ficamos chocados com crueldades contra animais de estimação como cães e gatos. Não admitimos que sejam mortos para alimentar humanos. Carne de cavalo é muito pouco consumida no Brasil, mas no país existem matadouros que exportam este tipo de “iguaria” para alguns países europeus como, por exemplo, França e Itália. Parece que a proximidade com os cavalos, vistos usualmente à frente de carroças que circulam pelas ruas das cidades brasileiras, torna sua imagem mais concreta e impede o consumo de sua carne. Por outro lado, não se tem a mesma sensibilidade em relação aos bois, porcos e galinhas.

Lembro-me do caso da filha de um colega que parou de comer coração de galinha, quando descobriu que o coração de galinha era de uma galinha. Muitas pessoas têm a incrível habilidade de abstrair a informação sobre a origem do pedaço de carne que comem, desvinculando-a completamente do animal morto. Parece que o presunto não vem do porco, o filet mignon não vem do boi ou o coraçãozinho não vem da galinha.

O mini porco parece ser mais uma destas oportunidades de tomada de consciência das pessoas. Ao adotar porcos, seres mais inteligentes do que os cães, como animais de estimação, ficará difícil consumir sua carne. Estes porquinhos de estimação viverão entre 15 e 20 anos, muito mais do que os leitõezinhos das ceias de fim de ano mortos com um mês de vida ou os demais porcos de corte, abatidos aos quatro meses.

mini-porco

2 Comentários

Arquivado em Animais, Ética, linkedin, Psicologia

Impossible Foods e o Hambúrguer Vegetal para os Amantes da Carne

For English version, click here

Em março deste ano, li um artigo do “The Economist” sobre as empresas start-ups do Vale do Silício, na Califórnia que estão desenvolvendo, a partir de vegetais, versões sustentáveis de alimentos à base de carne e leite. A Impossible Foods era uma das empresas citadas no artigo. No final de abril, visitei esta empresa em Redwood City, próxima a San Francisco na Califórnia. A seguir faço um resumo da minha conversa com Patrick Brown, fundador e CEO da empresa, realizada na sala “Avocado”.

Patrick Brown no laboratório da Impossible Foods  [Fonte: Wall Street Journal]

Patrick Brown no laboratório da Impossible Foods [Fonte: Wall Street Journal]

A área de atuação prévia do Dr. Brown era a biomedicina: mecanismos de regulação biológica, diagnóstico de detecção precoce de doenças humanas, ecologia microbiana do corpo humano e novas tecnologias e métodos experimentais e analíticos aplicados à pesquisa biomédica. Segundo suas próprias palavras, ele tinha o melhor trabalho do mundo, mas queria fazer alguma coisa que tivesse um impacto positivo muito maior para a humanidade. Decidiu então fazer produtos de origem 100% vegetal para substituir produtos de origem animal, como carne e queijo. Segundo “The Economist”, Pat Brown disse:

“A pecuária é uma atividade tremendamente destrutiva e totalmente insustentável. Mesmo assim, a demanda por carne e leite está em alta”.

Ele repetiu para mim aquela informação da ONU que a pecuária ocupa 30% da superfície degelada do planeta e é responsável por 14,5% de todas as emissões de gases do efeito estufa. Deste modo, para evitar um impacto maior no planeta por conta do aumento do consumo de carne e leite, seria necessário desenvolver alternativas vegetais que não devessem nada aos produtos de origem animal.

Nos primeiros anos de atividades da Impossible Foods, nenhum produto foi formulado, inúmeras moléculas foram extraídas de vegetais e analisadas. A partir daí se estudou a formulação de produtos e como obter as moléculas que seriam os ingredientes dos produtos. Todos os ingredientes escolhidos devem ser economicamente viáveis e possíveis de serem obtidos em grande escala.

Pat disse que a Impossible Foods já desenvolveu queijos, exclusivamente a base de vegetais, que foram aprovados por especialistas, mas seu primeiro empreendimento será o hambúrguer. Este primeiro produto a ser lançado terá a mordida, a suculência, o aroma e o sabor de um autêntico hambúrguer de carne. O preço também deverá ser competitivo com o produto convencional. A escolha é óbvia, além dos problemas já citados de desmatamento e aquecimento global, a conversão da ração em carne é muito ineficiente nos bovinos, 10 kg de ração são necessários para gerar apenas 1 kg de carne. Além disto, os norte-americanos são grandes consumidores de hambúrguer. Eu vi numa apresentação que, em média, cada americano consome três hambúrgueres por semana.

Hambúrguer – Foto do site da Impossible Foods

Hambúrguer 100% vegetal – Foto do site da Impossible Foods

Comentei com o Pat que a grande maioria dos vegetarianos não precisaria de um produto assim. Ele concordou e afirmou que o consumidor-alvo deste produto é o amante da carne que deseja reduzir o consumo, sem perder o prazer. Se existir uma alternativa tão boa quanto a carne, por um preço igual ou menor, por que alguém continuaria a consumir carne com todas as questões de maus tratos aos animais e prejuízos ambientais? Neste momento, haveria a migração para os produtos de origem vegetal e a pecuária entraria em declínio.

Neste ponto, eu contra-argumentei que a indústria leiteira está fortemente ligada à indústria da carne. A vaca leiteira fica prenha anualmente. Se a nova cria for um macho, será morto e se transformará em cortes de carne antes da puberdade. Se for uma fêmea, se transformará após dois ou três anos em uma nova vaca leiteira. Se tudo correr bem nos seis anos seguintes, a vaca não morrerá durante uma das gestações ou partos, nem será sacrificada devido à mastite ou outra doença. Como prêmio por ter gerado cinco ou seis crias sãs e ter produzido entre 20 e 25 toneladas de leite, a vaca será enviada para um matadouro onde será abatida e transformada em hambúrgueres e carne industrial. Se não houver bons produtos substitutos para os laticínios, como o queijo, o preço dos produtos lácteos tradicionais poderá aumentar e subsidiar o preço da carne. Se isto acontecer, a lucratividade do negócio da “carne vegetal” será corroída. Ou seja, o ataque contra a indústria da pecuária deve ser realizado pelos dois lados – carne e leite. O que é justo e deveria ser considerado nas leis num futuro próximo são as taxas sobre as externalidades causadas pela indústria da pecuária devido ao gigantesco impacto ambiental que causa. Aí sim a competição desequilibraria em favor das alternativas vegetais.

Perguntei ao Pat como ele enxergava alternativas como a carne in vitro. Provavelmente por causa dos longos anos de trabalho na área biomédica, ele foi enfático. Não acredita nesta alternativa! Explicou que os problemas com contaminações microbiológicas inviabilizam o aumento de escala do laboratório para a indústria. Um boi tem seu sistema de defesa que evita que micróbios destruam tecidos inteiros do seu organismo. No caso de carne in vitro, um simples vírus pode infectar uma célula, se multiplicar com uma velocidade extraordinária e destruir todas as células, acabando com a produção da fábrica.

Atualmente setenta pesquisadores trabalham no desenvolvimento dos produtos da Impossible Foods. Em 2016, a primeira planta deve iniciar a produção numa escala pequena. Se tudo correr bem, o próximo passo será uma planta muito maior para atingir a produção comercial plena pouco tempo depois. Depois virão os queijos…

Se você quiser ler o artigo original do “The Economist”, onde outras empresas são apresentadas, basta clicar no link abaixo.

The Economist

1 comentário

Arquivado em Animais, Ética, Gastronomia, Inovação, linkedin, Meio Ambiente, Nutrição, Saúde, Tecnologia

Post 200 – Retrospectiva

Este é o ducentésimo (por que não é “duzentésimo”?) post publicado neste blog.

200-posts

Normalmente o centésimo é mais festejado, talvez pela introdução do terceiro dígito na contagem do número de posts, mas não posso perder a chance de fazer uma retrospectiva dos últimos cem posts publicados.

Vários posts foram inspirados por filmes. “Diários de Motocicleta” ajudou a contar a história da formação da consciência social de Che Guevara. “As Aventuras de Pi” tratou de temas como religiosidade e espiritualidade. “Amour” tratou dos sacrifícios extremos assumidos em nome do amor. “Meia-Noite em Paris” inspirou uma discussão sobre “O Passado e o Futuro”. “Ela” (título original Her) trouxe à tona as maravilhas e os perigos da inteligência artificial meio ano antes do físico Stephen Hawking externar seus temores sobre o assunto (fiquei bem acompanhado desta vez…).

Outros posts resgataram fatos históricos, como as descobertas e invenções de Heron de Alexandria ou o ato heroico de Sérgio Macaco que evitou centenas de mortes durante os anos de chumbo no Brasil. O próprio golpe militar foi protagonista de um post, onde reafirmei minha certeza que a democracia é o único caminho. As semelhanças dos casos de Napoleão Bonaparte e Eike Batista também renderam um post. E a guerra, o ato mais estúpido do ser humano, foi meu alvo após uma visita a Les Invalides em Paris,”Pra Não Dizer que Não Falei das Flores“.

O nascimento de nossa caçula, Luiza, recebeu um post superespecial – “A Maior Emoção da Minha Vida”. A Claudia deve futuramente fazer um post mais aprofundado sobre o parto humanizado.

Alguns posts trataram das minhas visões pessoais sobre família, amor pelos filhos (“Quando nos sentimos pais”) e educação dos filhos (“O que Dar e o que Esperar do Futuro de Nossos Filhos”). Afinal minha riqueza não deve ser medida pelos meus bens materiais, mas pela qualidade dos meus relacionamentos e “Eu Sou um Homem Rico”.

As questões do exibicionismo e da privacidade foram discutidas em dois posts, o primeiro sobre o BBB e o segundo que também trata do monitoramento da vida privada das pessoas pelos Estados – “Privacidade, Intromissão e Exibicionismo”. A propósito este post foi publicado quatro meses antes das denúncias de Edward Snowden.

As religiões e a manipulação dos fiéis por líderes inescrupulosos são fontes inesgotáveis de inspiração. Não escaparam deste blog o Islamismo, a igreja católica, representada pelos papas Bento XVI e Francisco, e nem mesmo “Deus, Sempre Ele”.

Dediquei dois posts para uma das piores figuras públicas da atualidade, o russo Vladimir Putin, sobre seu ecomarketing e sobre a Crimeia. Muito, mas muito menos importante, o ex-prefeito de Novo Hamburgo, Tarcísio Zimmermann, também foi “agraciado” com dois posts, enquanto tentava se reeleger antes de ser cassado devido à Lei da Ficha Limpa.

Em outros três posts, procurei comentar como nossos pensamentos podem ser nossos maiores aliados ou inimigos – “Como a Matrix de Neo e a Caverna de Platão nos Mostram a Realidade”, “Memórias e os Fantasmas do Passado” e “Como Assassinamos Nossos Insights”. Na mesma linha, escrevi mais dois posts – “O Medo” e “A Autossabotagem”.

A culinária vegana manteve seu lugar de destaque – moqueca de tofu, ratatouille, torta de sorvete, estrogonofe ou como preparar proteína texturizada de soja.

Aventurei-me em novos territórios – primeiro escrevi uma história infantil sobre bullying (“A Bruxinha Totute”); depois um poema no meio da “Turbulência” de um voo entre a França e o Brasil; mais um conto de ficção científica dividido em cinco partes sobre a expansão da humanidade em outros sistemas planetários e sua incontrolável ambição (“A Fonte da Juventude de Perennial”). Para finalizar escrevi, na semana passada, uma história que mescla ciência e religião (“Projeto Gaia – Experiência Final”).

Vários posts tiveram como inspiração as manifestações de junho do ano passado. Iniciei com “Os Protestos e a Verdadeira Democracia”, na sequência sugeri como próximo alvo a finada PEC 37/2011. Imaginem como ficaria a investigação da “Operação Lava Jato”, se o poder de investigação do Ministério Público Federal fosse tolhido? A melhoria nos serviços públicos de saúde foi um dos principais alvos dos manifestantes e o governo federal reagiu com a criação do “Programa Mais Médicos” que inspirou um artigo. Em breve, voltarei a escrever sobre a política brasileira.

Tentei desvendar os mistérios da satisfação pessoal em ”Não Esqueçam seus Objetivos Pessoais no Avião” e “Salário Motiva os Funcionários?”.

Questões éticas com animais foram tratadas em “Golfinhos de Guerra” e “Sofrer e Amar não são Exclusividades dos Humanos”.

A sustentabilidade ambiental também teve destaque com artigos sobre reciclagem de metais raros de telefones celulares, reciclagem de fósforo e da influência do consumo de carne na degradação do meio ambiente.

Este blog não é mais somente meu. A Claudia estreou em grande estilo com o post que conta como virou vegetariana, “Eu, a carne e a berinjela…”. Sinto que o respeito aos vegetarianos cresce a cada dia como retratei no post “Vitória Vegetariana”. E aqui entre nós, “Por Que Comer Carne?”.

A Copa do Mundo de Futebol realizada no Brasil em 2014 rendeu dois posts, “A Copa do Mundo Envergonhada” e “Como o Futebol Brasileiro foi Massacrado pelo Alemão”. Dentro da esfera futebolística, publiquei mais dois post “De Volta para o Meu Lugar”, sobre a reabertura do Beira-Rio, e “Fernandão, Vida, Morte e Piscadas”, sobre o morte do ídolo colorado Fernandão.

A seca em São Paulo que ameaça o fornecimento de água à população do estado também inspirou dois posts – “o que fazer quando a água acabar?” e “as medidas que evitariam a crise de abastecimento de água”. Apesar das excelentes chuvas dos últimos dias, o risco continua…

Falei sobre os mais variados assuntos, das “Gambiarras” ao “Portuglish ou Portunglês”, do show de Yusuf Islam em São Paulo aos “Múltiplos Papéis da Mulher no Mundo Atual”, dos conflitos entre judeus e palestinos em “O Escudo Humano” aos problemas da economia americana em “Obama e o Dilema Capitalista”, do racismo contra o goleiro Aranha a “Os Psicopatas, os Hiperativos, os Estranhos e os Normais”. Afinal “As Pessoas são Diferentes – Que Bom!!!”.

Agradeço a todos que acompanham nosso blog, espero críticas e sugestões para os assuntos dos próximos cem posts e lembro, mais uma vez que tento não falhar e fazer “Jornalismo Profundo como um Pires“ e “Eu Não me Chamo “Martho Medeiros”.

2 Comentários

Arquivado em Animais, Arte, Ética, Blog, Cinema, Economia, Educação, Esporte, Filosofia, Gastronomia, Gerenciamento de Projetos, Gestão de Pessoas, História, Inovação, Inter, Lazer, linkedin, Literatura, Música, Meio Ambiente, Política, Psicologia, Religião, Saúde, Segurança, Tecnologia, Turismo

Projeto Gaia – Experiência Final

Um cientista observa atentamente várias telas digitais, onde eram apresentados dados e imagens. Ao seu lado, dezenas de imagens holográficas tridimensionais de moléculas de DNA eram projetadas. Naquele instante, um colega entrou no laboratório, lhe cumprimentou animadamente e perguntou o que ele estava fazendo. A resposta foi lacônica:

– Projeto Gaia!

– Humm… O chefe quer acabar com este projeto! Você é nosso maior especialista em vida sintética. As estruturas de DNA que você cria têm tantas alternativas para ativar e desativar os genes que geram biodiversidade mais rápido do que qualquer outro membro do nosso time. Além disto, você monta sistemas complexos autônomos que possuem equilíbrio e resiliência incríveis. Por que você não larga o “Gaia” e vai para o próximo desafio? Parece que o cronograma do Projeto “Nexus Universal” é muito apertado e sem teu conhecimento e competência, não vamos conseguir atender as metas no prazo…

dna hologram

– Tem uma espécie que criei no “Gaia” que é muito interessante, está multiplicando-se cada vez mais rápido, com isto está consumindo recursos e desequilibrando Gaia. Eu já induzi cinco ondas de extinção, Gaia sempre consegue buscar um novo equilíbrio e uma nova biodiversidade é desenvolvida. Desta vez, uma sexta onda de extinção está em andamento causada por esta espécie. Nas outras vezes, eu causei enormes extinções de seres vivos. Já congelei as águas da superfície de Gaia, já aqueci o seu interior até que metal fundido extravasasse na sua superfície, já lancei objetos contra sua superfície – cometas ou meteoritos. Agora é uma espécie, teoricamente a mais evoluída de todas deste sistema, não é um simples vírus, que está ameaçando a vida das demais que coabitam Gaia.

Após a última frase, ele deu um sorriso enigmático e deixou o colega realmente intrigado com aquela situação.

– Mas como uma espécie pode ser mais evoluída e, ao mesmo tempo, destruir o ambiente onde vive, causando sua própria extinção? Isto não faz sentido!

– Eu criei um gatilho do DNA desta espécie que ativa um gene gerador de uma verdadeira compulsão para consumir cada vez mais. Quanto mais come, por exemplo, mais quer comer, incluindo a carne de outros animais. Chega ao ponto de consumir muitos recursos para criar animais somente para alimentá-los, mesmo com uma série de alternativas menos prejudiciais para Gaia. As modificações causadas pela ação desta única espécie estão gerando incríveis desequilíbrios em todo sistema.

– Parece interessante, mas esta experiência ainda pode demorar muito tempo…

– Agora a temperatura média de Gaia está subindo perigosamente. Isto é causado pelos padrões de consumo desta espécie que lança certos gases, como o gás carbônico e o metano, que absorvem a radiação infravermelha, impedindo que o calor saia de sua atmosfera e volte para o espaço. Assim, o gelo da superfície de Gaia está derretendo, suas águas doces estão poluídas e ficando cada vez mais escassas, suas águas salgadas estão ficando mais ácidas, o clima de Gaia está mudando radicalmente e as outras espécies estão desaparecendo. Pode avisar o chefe que esta etapa do teste deve estar concluída em menos de 100 ciclos completos de Gaia.

– Ah bom! Não vai demorar muito. Ele vai gostar desta informação. Pode deixar que eu acalmo a fera. Só me diz mais uma coisa e eu te deixarei em paz até o final deste teu experimento. Como se chama esta espécie terrível que você criou?

– Homem!

– Interessante… Até mais… Tchau!

gaia

O cientista voltou a ficar só em seu laboratório, onde criava novas formas de vida e sistemas complexos de conexão entre seres vivos evoluídos. De repente divagou sobre o que acontecia em Gaia:

– Criei um local inóspito há mais de 4 bilhões de ciclos. Depois criei a vida neste lugar há centenas de milhões de ciclos. Depois de alguns aprimoramentos, vi surgir o Homo sapiens há apenas 100 mil ciclos. Os genes consumistas que poderão causar a destruição da humanidade só foram ativados em grande escala há uns 250 ciclos com a chamada Revolução Industrial.

– Eles não imaginam com são pequenos, são apenas uma experiência no meu laboratório entre tantas deste instituto de pesquisa. Eu sou seu Deus ou seu Alá. Eu sou a tríade de deuses hindus. Fui Brahma ao criar este pequeno universo, mas meu chefe quer que eu seja Shiva e destrua tudo e comece algo novo. Torço que o ser humano se salve, mas, caso ele não consiga evoluir rápido o suficiente, serei o terceiro deus hindu, Vishnu, e manterei Gaia viva a espera da evolução de novas espécies, daqui uns milhões de ciclos, que saibam cuidar bem de suas maravilhas.

Brahma, Vishnu e Shiva

Brahma, Vishnu e Shiva

– De repente senti uma vontade de interferir neste teste e reduzir a expressão deste gene do consumismo. Será que uma ponta de vaidade está se apossando de mim? Será que eu quero continuar a ser o Deus desta estranha espécie?

1 comentário

Arquivado em Animais, Ética, Filosofia, História, Inovação, linkedin, Meio Ambiente, Religião, Tecnologia

Eu, a carne e a berinjela…

Se há uns 10 anos alguém me dissesse que eu ainda iria gostar de berinjela, eu daria gargalhadas!! Ou pensando bem, eu sairia de fininho, com um sorriso amarelo, porque esta pessoa só poderia ser doida, vai saber… Quem sabe até perigosa… E naquela época (coisa de velho falar “naquela época”), eu era frequentadora assídua de churrascarias. Tinha até um apelido sugestivo: Claudinha Picaxi. Era picanha, abacaxi, picanha, abacaxi… Isto quando descobri que o abacaxi ajuda a digestão da carne, então comendo abacaxi, caberia mais picanha. O garçom já me conhecia, trazia a carne sangrando, mas ainda quente. Eu me orgulhava em dizer “quero boi berrando”. Hoje tenho vergonha disto… E sinto vergonha alheia quando vejo outras pessoas fazendo o mesmo, mas entendo o apego ao paladar, o gesto de ver um pedaço de comida e não um animal sofrendo, esta cortina que deixamos propositalmente na nossa mente. Não queremos nos desfazer dela, a carne é muito boa e isto basta! Vegetarianos chatos com esta mania de dizer o que já sabemos, mas não queremos ouvir, muito menos visualizar.

não quero ouvir

Mas um belo dia resolvi ajudar um cachorro aqui, outro acolá… alguns gatos… depois alguns cavalos… Vi alguns vídeos e ploft, a cortina caiu. Droga, ferrou… Não fazia mais sentido pra mim ajudar uns e matar outros. Tudo bem, eu não matava diretamente, mas o mandante do assassinato do Chico Mendes é menos culpado que o jagunço que deu o tiro? Na minha humilde opinião, ele é o maior culpado. Se não tem quem pague, não é feito. Lei do mercado, né minha gente??
Primeira séria constatação: eu não vou conseguir, gosto muito de carnes. Todas. Vou sentir muita falta…. Mas tentei e fiquei um bom tempo sem falar p/ ninguém. E fui aos poucos. Mantive inicialmente o peixe e o presunto. Mas putz… o porco morre mesmo é por causa do maldito presunto que tem maior valor no mercado. Larguei o presunto! O peixe, confesso, mantive por muito tempo por cobranças sociais. Sou fraca mesmo… E cá comigo eu tinha boas desculpas, ambientalmente é 1 kg de ração para 1 kg de carne, então ambientalmente tá tudo bem… e ele não sofre muito… Aí quando eu soube de uma reunião técnica onde os criadores de peixes tinham 15% de quebra em função do “suicídio” dos animais que não aguentavam o estressse, a superpopulação, etc., caiu mais uma cortina. Que saco!!!! Agora não consigo mais me iludir!! Ok, eles são seres sencientes também… eu já sabia… ok, entendi. Parei. Enfim, vegetariana!

Até que enfim...

Mas o interessante de todo este processo, que se iniciou há uns 8 anos, é que nosso paladar muda. A única coisa que tive desejo na primeira gravidez foi o quê? Berinjela. Tudo bem, né? Tá grávida!! Mas não…. muitas coisas que eu não gostava começaram a ter outro sabor… passei a provar muitas coisas e quem diria, a gostar. Esta sensibilidade para alguns alimentos duvido que venha para quem vive de proteína/gordura animal. E gordura, vamos combinar, deixa tudo mais gostoso…

Mas então, só p/ constar, cada vez que alguém me diz (e eu não pergunto) que é muito carnívoro e odeia legumes e saladas e nunca viraria vegetariano eu penso “sei…” Só penso, nem falo, porque ninguém me falando sobre os maus-tratos aos animais teria feito eu virar vegetariana. Precisei ver nos olhos dos animais este sofrimento. Pode ter começado com os domésticos, mas não parou aí e eu fui além. É preciso querer, estar aberto para pensar, ter piedade, amor ao próximo. Não é qualquer um que chegará a conclusão que não é ético usar os animais, escravisá-los ou matá-los.

Mas só precisa ser bom, não precisa gostar de berinjela.

7 Comentários

Arquivado em Animais, Ética, Filosofia, Meio Ambiente

Ecologia Dentro e Fora dos Nossos Corpos

A hora das refeições para um vegetariano no mundo corporativo muitas vezes tem questionamentos, comentários estranhos ou provocações. Muitos colegas perguntam os motivos da minha opção e como me alimento. Dou todas as explicações para estes colegas. Afinal esta é uma forma de desmistificar o tema! Basicamente existem dois motivos principais para não comer carne – as questões éticas em relação ao sofrimento dos animais e as questões ecológicas.

Outro dia mandei para alguns colegas de trabalho um pequeno vídeo do National Geographic sobre como alimentar a população mundial em 2050. Você pode assisti-lo, clicando no link abaixo.

http://video.nationalgeographic.com/video/magazine/ngm-food-anthem?utm_source=NatGeocom&utm_medium=Email&utm_content=food_20140630&utm_campaign=Content

A seguir apresento um resumo do vídeo. Em 2050, precisaremos do dobro dos alimentos produzidos atualmente. Mais de um terço das terras não congeladas do planeta já são usadas para plantações, mas apenas metade alimentam os humanos diretamente. A maior parte da outra metade produz rações para animais. Por outro lado, desperdiçamos um terço dos alimentos produzidos. A nossa dieta também impacta diretamente na disponibilidade de alimentos. Uma vaca, por exemplo, precisa de 7 quilos de ração para gerar um quilo de carne, enquanto que um peixe precisa de apenas um quilo de ração por quilo de carne. Vale a pena ressaltar que a umidade da carne é de aproximadamente 70%, enquanto que a umidade das rações fica entre 10 e 15%.

O vídeo finaliza com algumas sugestões para atacar o problema da disponibilidade de alimentos para a população mundial:

– usar os recursos mais eficientemente;
– aumentar a produção nas fazendas existentes;
– parar a expansão das fazendas;
– mudar nossas dietas;
– reduzir os resíduos.

Se você acha incrível desperdiçar um terço dos alimentos produzidos, siga meu raciocínio e verá que o desperdício de alimentos com o consumo de carne é muito maior. Podemos cozinhar grãos como arroz, feijão e milho para consumo humano direto. No final do cozimento a umidade dos grãos fica entre 60 e 80%. Ou seja, um quilo de grão seco gera aproximadamente três quilos de grãos cozidos, prontos para o consumo. Para produzir um quilo de carne bovina são necessários 7 quilos de grãos secos, estes grãos equivaleriam a 21 quilos de alimentos prontos para o consumo humano. Assim deixamos de disponibilizar 20 kg de alimentos para produzir apenas um quilo de carne bovina – um desperdício de mais de 95%.

Com a água acontece uma situação parecida.

Segundo o site da SABESP, é possível economizar água através de pequenas atitudes como fechar a torneira, enquanto escovamos os dentes, ou tomar banhos mais curtos. Para escovar os dentes com a torneira um pouco aberta, gastam-se 12 litros de água, quando poderia ser gasto apenas meio litro. Em um banho de ducha de 15 minutos com a torneira 50% aberta, são consumidos 135 litros de água. Se o banho durasse apenas 5 minutos, o consumo cairia para 45 litros.

Se considerarmos uma pessoa que diariamente escova os dentes três vezes e toma um banho, seu consumo anual de água poderá variar de 17 m³ a 62 m³. Ou seja, uma pessoa consciente, que escova os dentes com a torneira fechada e toma banhos curtos, economizará 45 m³ de água por ano.

Para se produzir um quilo de carne bovina são necessários 20 m³ de água, enquanto que são gastos 3,5 m³ de água por quilo de arroz, 2,5 m³ por quilo de feijão ou soja e apenas 0,1 m³ por quilo de batata. Ou seja, se você consumir três quilos de carne acaba com toda sua economia anual de água devido aos banhos curtos e escovações de dentes com a torneira fechada.

escovar_dentes_tomar_banho_churrasco

Ainda existem outros fatores ambientais negativos devido ao consumo de carne. Áreas são desmatadas para criação de pastagens ou plantações de grãos para alimentar animais que serão, posteriormente, abatidos para consumo. O INPE, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, anualmente avalia o incremento no desmatamento da Amazônia Legal. A tabela abaixo apresenta a evolução dos últimos dez anos. A expansão da pecuária foi a principal responsável pelo desmatamento. Na sequência, muitas áreas foram desmatadas para extração de madeira e para a agricultura.

Desmatamento_Amazonia

Segundo a FAO, Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, a pecuária tem um peso importante nas mudanças climáticas. Estima-se que a atividade seja responsável pela emissão anual de 7,1 bilhões de toneladas de gás carbônico equivalente (gases do efeito estufa), o que representa 14,5% de todas as emissões induzidas pelo homem. Destacam-se três fontes deste total:

– 45% são devido à produção de rações para os animais, incluindo as plantações, desmatamento e processamento de grãos;
– 39% são originados na emissão de metano oriundo da fermentação entérica (digestão) de ruminantes como os bovinos e os ovinos;
– 10% são formados a partir da decomposição do estrume dos animais.

Principais fontes de gases do efeito estufa

Principais fontes de gases do efeito estufa

Deste modo, além de todos os aspectos éticos em relação ao sofrimento dos animais, existem fortes razões ecológicas para você, pelo menos, reduzir seu consumo de carne. Há previsões, apontando para o aumento de 70% do consumo dos produtos de origem animal até 2050. Se isto não for revertido, os recursos naturais do planeta serão consumidos numa velocidade muito maior do que a atual. Além disto, o peso da pecuária na geração dos gases de efeito estufa poderia aumentar para 20 a 25% do total.

Se você se apresenta como defensor do meio ambiente, não seria mais coerente repensar sua dieta?

4 Comentários

Arquivado em Animais, Ética, linkedin, Meio Ambiente

Por Que Comer Carne?

Na semana passada, eu e a Cláudia completamos dez anos juntos. Mais uma vez está provado que o tempo passa rápido quando se está feliz. Sem pedir muito, poderia ter mais alguns períodos de dez anos tão bons quanto este que fechou agora…

Tentei marcar a data com alguns pequenos eventos para a data não passar em branco. Um deles foi um jantar no Restaurante Mani da premiada chef Helena Rizzo. Acertei com eles um menu degustação com pratos ovolactovegetarianos sem glúten. No final da maravilhosa sequência de pratos, destaco a abobrinha recheada com cogumelos, o talharim de pupunha e, principalmente, os falsos tortéis de pupunha e abóbora. Tanto no caso dos tortéis, quanto do talharim, a massa com farinha de trigo foi substituída por finíssimas fatias de palmito pupunha. As fotos dos dois pratos estão abaixo.

Falsos Tortéis de Pupunha e Abóbora

Falsos Tortéis de Pupunha e Abóbora  [Fonte: Portal do Terra]

Talharim de Pupunha [Fonte: Portal do Terra]

Comida deliciosa, sem carne!!!

No almoço de hoje, havia abobrinha e berinjela grelhadas. Estava muito bom, parece que o paladar começa a apreciar sabores mais delicados, quando deixamos de comer carne.

O jantar de hoje foi uma competição em que os colegas da empresa foram divididos em dois times. Cada time fez três pratos principais – um com filé de carne bovina, outro com galinha e o terceiro era um pene com legumes. Claro que minha missão foi fazer a opção vegetariana, com tomate, cebola, alho, cogumelos, pimentões vermelhos, rúcula, sálvia, manjericão, tomilho e pimenta branca. Para minha surpresa, a maioria do meu time gostou mais da massa apesar de não ter carne do que dos outros pratos.

Como já disse, não precisamos de carne para comer bem… Então por que criar um animal, matá-lo ainda na sua infância para comer a sua carne? Estranhos prazeres ancestrais…

1 comentário

Arquivado em Animais, Ética, Gastronomia

O que Dar e o que Esperar do Futuro de Nossos Filhos

Na sexta-feira, a Claudia me avisou que haveria uma reunião com os pais na escola da Júlia no dia seguinte. Sábado! E o início estava marcado para as 9 horas da manhã. Perguntou se participaríamos e eu respondi, quase com lágrimas nos olhos, que sim apesar de ser um dia de descanso.

A escola da Júlia segue a pedagogia Waldorf, a qual nós ainda não conhecemos profundamente. Então toda oportunidade para conversar com a professora do 1º ano e com a coordenadora pedagógica sempre é bem-vinda. Realmente foi uma manhã encantadora, a forma lúdica do ensino e o cuidado com todos os detalhes, incluindo até a alimentação, me chamaram a atenção.

Num certo momento, me dei conta de um ponto importante – o que eu espero do futuro da Júlia? Cada vez vejo mais pais ansiosos com o futuro dos filhos. Alguns pais entram em uma competição para mostrar como os filhos são inteligentes, estudam nos mais afamados colégios da região e, no futuro, deverão passar nos mais disputados vestibulares para os cursos que levam às carreiras mais prestigiadas. Se me perguntarem sobre a Júlia, acho que simplesmente responderia:

– A Ju é ótima. Tem muita energia, tem muita vontade de aprender e, principalmente, tem um lindo brilho no olhar.

– E seu futuro? Vai ser construído por ela de acordo com sua vontade. Só tenho que ajudá-la a ser uma pessoa íntegra.

Lembrei que muitas destas escolas de ponta, conhecidas por terem seus alunos nas listas de aprovados dos vestibulares, empurram goela abaixo dos seus alunos grande quantidade de conteúdo – teoremas matemáticos, leis da física, fórmulas químicas, datas de acontecimentos históricos, nomes de livros, classificação de orações…

A imagem que me vem à cabeça é daquele horrível processo para alimentar os gansos para a produção do foie gras, a gavagem. Como você pode ver na foto abaixo, o ganso é obrigado a comer. No final, ele é abatido e seu fígado gordo é vendido como uma especiaria, o foie gras.

Gavagem de gansos para a produção de foie gras

Gavagem de gansos para a produção de foie gras

Será que a “gavagem” de conteúdos na criança não vai “engordar” seu cérebro, sem fortalecê-lo efetivamente? Será que as crianças e adolescentes que não suportarem a ingestão desta quantidade de conteúdos não entrarão em depressão por sentirem-se pior do que os outros colegas? Será que os pais não estão pressionando seus filhos além da conta?

Vivemos em um mundo repleto de fontes de informação. O mais importante seria a capacidade de entender criticamente o mundo que nos cerca, desenvolver a visão do todo, ver e entender os outros que estão ao redor e entender que somos diferentes, mas devemos respeitar e valorizar estas diferenças.

Não temos certeza se um caminho é melhor do que outro, mas devemos tentar oferecer aos nossos filhos as “ferramentas” – auto-confiança, amor, espaço para crescer, tempo para brincar – para viver em um futuro muito diferente do mundo em que nós vivemos.

Valeu a pena acordar cedo no sábado…

Futuro

4 Comentários

Arquivado em Animais, Ética, Educação, Filosofia, Psicologia

O Novo Fim da História – A Fonte da Juventude de Perennial (Parte 5)

CONTINUANDO…

Os soldados feridos foram transportados para a Blue Spaceship. A colônia foi cercada e as buscas começaram de casa em casa. Um dos oficiais da força de paz da ONU foi abordado por uma mulher visivelmente nervosa que queria saber o que houve na sede do conselho. O oficial contou que, quando os soldados invadiram o prédio, bombas incendiárias explodiram e todos que estavam dentro morreram. A mulher caiu ajoelhada e começou a chorar e disse que seu marido era um dos seguranças. O oficial consolou-a, mas procurou descobrir mais informações:

– Meus pêsames! Com certeza seu marido não queria estar naquele prédio com apenas mais um colega…

– Não, eu até preferi que ele ficasse lá do que no meio da floresta com os conselheiros e os outros seguranças. Achei que ele e o colega se entregariam e ficaria tudo bem, mas…

– Em qual floresta estão os outros?

– Na floresta da fonte da juventude.

O oficial desejou que a mulher se recuperasse da perda de seu marido e pediu ao soldado, que o acompanhava, a ajudasse no que fosse necessário. Na sequência, despediu-se e contou imediatamente sua descoberta para o líder da operação. A tropa se reuniu e avançou até a floresta.

As sentinelas do lado do conselho de Perennial entraram em combate com os primeiros soldados invasores da floresta. Os dois lados tiveram baixas, mas a força de paz da ONU, mais numerosa e bem treinada, avançou rapidamente até o prédio onde o conselho do planeta estava escondido. Desta vez, os soldados explodiram uma parede lateral para entrar no prédio. Quando chegaram na sala onde estava o conselheiro-mor, um soldado mirou no seu corpo e gritou que ele se entregasse. O conselheiro-mor respondeu à ordem:

– Você quer me levar para a Terra como um troféu? Como a cabeça empalhada de um animal selvagem morto por um caçador em um daqueles antigos safáris na África? Todos nós já estamos mortos!

O soldado assustado disparou sua arma laser contra o peito do conselheiro-mor que, agonizando, apertou o botão do controle que estava na sua mão direita, acionando uma bomba térmica. A temperatura em toda a região da floresta da fonte da juventude superou os 3.000°C. Toda a vida da floresta foi destruída – nenhum humano, kwacha, inseto ou planta resistiu…

“A Apoteose da Guerra” de Vasily Vasilyevich Vereshchagin (1871)

“A Apoteose da Guerra” de Vasily Vasilyevich Vereshchagin (1871)

A notícia gerou uma enorme comoção na Terra, afinal dezenas de pessoas morreram. Além disto, aquela possibilidade de vida eterna foi inviabilizada com a destruição total da floresta da fonte da juventude.

No dia seguinte à tragédia, o secretário-geral convocou a imprensa para um comunicado oficial na sede da ONU. Bilhões de pessoas aguardavam ansiosamente seu pronunciamento. No horário marcado, ele chegou ao plenário lotado, esperou as autoridades e os repórteres acomodarem-se e iniciou seu discurso:

– Há pouco mais de dois anos, uma incrível descoberta encheu a humanidade de esperança. As sementes de uma planta encontrada no planeta Perennial, apelidada de fonte da juventude, interrompia o envelhecimento celular. Foram realizadas inúmeras tentativas de isolamento do princípio ativo, sem sucesso. Também se tentou plantar a fonte da juventude, empregando as mais modernas técnicas da agricultura, mas as plantas resultantes não possuíam as mesmas propriedades. Decidiu-se então coletar suas sementes de forma controlada e distribuir aleatoriamente pela população humana da Terra e das colônias espaciais.

– Os membros do conselho de Perennial sugeriram que fossem empregados para esta tarefa de coleta dóceis animais do planeta Arborea, os kwacha-kwachas. Estas pobres criaturas foram escravizadas e nós permitimos isto devido à cegueira causada pela possibilidade da vida eterna. Será que a vida de um humano vale mais do que a vida de um kwacha?

– Depois os conselheiros de Perennial passaram a desviar as sementes a fim de obter vantagens pessoais. Chegaram ao ponto de sequestrar e manter em cativeiro uma equipe da ONU que foi investigar o caso. Houve intransigência, tanto do conselheiro-mor de Perennial, quanto de minha parte. Todos estavam cegos por causa da fonte da juventude.

– Ao invés de diálogo ou de negociação, se partiu para um confronto sangrento. Eu deveria ter percebido que nossa vantagem poderia acuar os conselheiros de Perennial. Ao sentirem-se sem saída partiram para atos extremos. A floresta onde havia a fonte da juventude foi totalmente destruída por uma bomba acionada pelo conselheiro-mor de Perennial em um momento de completo desespero. Eu errei! Meu erro causou a morte de mais de cem pessoas. Meu erro gerou o genocídio de aproximadamente dois terços da população de kwachas. Meu erro deve ter exterminado inúmeras espécies de plantas e animais que só existiam naquela floresta. Meu erro acabou com a única forma conhecida até agora de paralisar o envelhecimento dos homens.

– Hoje penso que a fonte da juventude pode ter sido um teste que uma Criatura maior deste Universo fez com nós humanos. Ao invés de ouro ou pedras preciosas, foi nos oferecida a vida eterna, mas como não havia o suficiente para todos, não soubemos como compartilhar. Não demostramos solidariedade, nem compaixão! Deixamos aflorar nossos sentimentos mais baixos – a ambição, a ira, a vingança! O sinal de alerta foi a permissão para a escravidão dos kwachas. Nenhuma maravilha pode ser construída sobre as bases da dor e da exploração. Só uns poucos lutaram contra a barbárie cometida contra aqueles animais inocentes. Devemos aprender a lição e não repetir mais estes erros. Espero que o dia de ontem seja lembrado, como a explosão da primeira bomba atômica, em Hiroshima, foi lembrada durante muito tempo, como algo que não deve se repetir.

Hiroshima após ser atingida pela bomba atômica (1945)

Hiroshima após ser atingida pela bomba atômica (1945)

– Finalizo, renunciando ao posto de secretário-geral da ONU. Espero que um ser humano melhor, mais equilibrado me suceda. Estou à disposição para receber a punição que acharem justa. Agradeço a atenção de todos.

A reação de todos que ouviram o pronunciamento do então ex-secretário-geral da ONU foi o de um profundo silêncio. Todos sabiam que ele não era o único culpado, muitos erraram também por omissão. Aquela tragédia serviu, pelo menos, para mostrar que a construção da humanidade ainda não estava completa e que todos deveriam permanecer vigilantes, porque nada poderia justificar as práticas adotadas no célebre caso da “fonte da juventude de Perennial”.

1 comentário

Arquivado em Animais, Ética, Economia, Filosofia, História, linkedin, Literatura, Meio Ambiente, Política, Psicologia, Tecnologia

História Déjà Vu – A Fonte da Juventude de Perennial (Parte 3)

CONTINUANDO…

O conselheiro-mor de Perennial conversou sobre a situação com seu par de Aquamundi na sala de reuniões virtual onde eram representados por seus hologramas. No final, o líder de Aquamundi foi muito honesto e aconselhou-o a buscar uma solução negociada com a Terra:

– A colônia em nosso planeta ainda é relativamente recente. Precisamos dos recursos e apoio da Terra, não resistiríamos a um bloqueio econômico. Vocês têm a fonte da juventude, uma moeda de troca muito interessante, não comecem uma guerra, onde todos sempre perdem.

O conselheiro-mor de Perennial, apesar de ficar contrariado com o resultado da reunião e principalmente com o conselho final, agradeceu o tempo e a atenção dispensada. Na sequência, finalizou a reunião e pediu para contatar o conselheiro-mor de Arborea.

Reunião virtual com hologramas

Reunião virtual com hologramas

A reunião com o conselheiro-mor de Arborea teve outro tom, porque ele estava claramente dividido. Uma verba interessante estava entrando no planeta através do tráfico de kwachas, mas, por outro lado, a maior parte da população era formada por cientistas que pesquisavam fitoterápicos oriundos da enorme biodiversidade do planeta. Se seu planeta se alinhasse com Perennial, a torneira dos recursos terráqueos para as pesquisas seria lacrada. Desde a descoberta da fonte da juventude, alguns projetos com alta chance de aprovação foram adiados. Se a Terra não tivesse mais acesso à fonte da juventude de Perennial, verbas generosas poderiam jorrar em Arborea para premiar sua fidelidade e acelerar a busca por novas alternativas na área de saúde e longevidade.

O conselheiro-mor de Perennial prometeu grandes vantagens para Arborea como parceiro preferencial, incluindo generosas quantidades de sementes da fonte da juventude. Ao ser questionado se ficaria ao lado de Perennial para a criação de uma nova federação de planetas independentes, o conselheiro-mor de Arborea foi reticente:

– Acredito que a proposta é muito interessante, mas não estou 100% certo que este é o melhor momento para implementá-la. Talvez possamos ganhar mais autonomia, negociando com a Terra… Vou pedir ao nosso conselho analisar as alternativas o mais rápido possível, como a situação exige, e retornarei com nossa decisão. Agradeço imensamente o amável convite.

O conselheiro-mor de Perennial sentiu que estavam sozinhos. O que fazer? Ele havia avançado demais ao prender o delegado da ONU e sua equipe. Mesmo que a negociação trouxesse vantagens para seu planeta, ele cairia em desgraça.

Seu assessor avisou que o secretário-geral da ONU estava esperando por ele em uma sala de reuniões virtual para conversarem sobre a delegação desaparecida. Ele pediu que a conexão fosse estabelecida. O secretário-geral fez uma saudação protocolar e perguntou como estavam as buscas à sua equipe. O conselheiro-mor respondeu que apesar da grande mobilização, os progressos foram pequenos, ainda não havia pistas. A resposta do secretário-geral foi dura:

– Não esperava outra resposta! Qual é a próxima mentira? Não somos tolos ou ingênuos! Vocês inventaram histórias sobre a fonte da juventude e nossa equipe desmascarou a farsa que vocês criaram. Eles foram mortos ou sequestrados para não revelar tudo que descobriram? Exijo a verdade!

– Nenhum representante da Terra tem o direito de exigir algo de um cidadão de Perennial. A era do domínio e exploração acabou! O povo de Perennial agora está livre! Se quiserem seus espiões de volta, reconheçam nossa independência.

– Não negociamos com chantagistas. Perennial é uma colônia terráquea e permanecerá com este status. Liberte minha equipe e se entregue imediatamente. Você terá um julgamento justo. Caso contrário, seremos obrigados a empregar a força!

– Se esta é a sua palavra final, nosso embaixador entrará imediatamente com o pedido de independência de Perennial. Se tentarem invadir nosso planeta, destruiremos a fonte da juventude.

– Convocarei uma reunião de emergência para hoje e teremos a decisão sobre o futuro de Perennial até o fim do dia. Adeus!

O conselho esperava o resultado das reuniões do conselheiro-mor para saber qual plano seria adotado. Ele entrou na sala e foi direto ao assunto:

– A guerra é inevitável! Estamos sozinhos e o secretário-geral da ONU já sabe de tudo. Seguiremos o plano “solução final”. Os dispositivos explosivos já foram instalados na área de extração de sementes da fonte da juventude. Se tentarem invadir este perímetro, detonaremos as bombas. Os prédios administrativos naquela área já estão preparados para ser nosso quartel general. Iremos agora para lá!

Como foi visto muitas vezes na história da humanidade, quantas guerras poderiam ser evitadas, mas os interesses de uma minoria combinados com o orgulho de líderes inescrupulosos impediram que houvesse negociações benéficas para todos os lados? No final, o prejuízo sempre foi repartido por todos, principalmente pelos menos favorecidos. Fica aquela sensação déjà vu…

Guernica de Pablo Picasso

Guernica de Pablo Picasso

CONTINUA…

2 Comentários

Arquivado em Animais, Ética, Economia, Filosofia, História, linkedin, Literatura, Meio Ambiente, Política, Psicologia, Tecnologia

A “Evolução” da História – A Fonte da Juventude de Perennial (Parte 2)

CONTINUANDO…

Após um ano de coleta de sementes, a população humana de Perennial começou a ficar descontente com aquela situação. Afinal estavam enviando toneladas de sementes da fonte da juventude para a Terra e não recebiam praticamente nada em troca. Neste período, apenas dois moradores do planeta foram sorteados na loteria. Por outro lado, o ônus de gerenciar toda a operação, incluindo os kwashas, ficou sobre os ombros de Perennial.

A partir de certo momento, a produção começou a declinar. O secretário-geral da ONU quis entender o que estava acontecendo e o conselho de Perennial deu uma série de explicações:

– A produtividade das fontes da juventude caiu – cada planta estava gerando menos sementes.

– Os kwachas estavam mais preguiçosos e como não se podia exagerar nos castigos, eles não estavam mais temendo os humanos.

– Havia uma praga de insetos noturnos que forçava a antecipação do fim das atividades diárias.

O secretário pediu um plano de ação e, sem avisar o conselho de Perennial, enviou um delegado com um grupo de auditores ao planeta para investigar com maior profundidade os fatos.

Quando o grupo chegou a Perennial, foi muito fácil destruir a versão do conselho local. Não havia nada errado com as plantas. Os kwachas continuavam trabalhando da mesma forma e um novo contingente chegara de Arborea há um mês. E a praga de insetos noturnos era mais uma mentira. Na verdade, parte da produção de sementes foi desviada e contrabandeada. Uma parte serviu de pagamento aos mercadores de kwachas de Arborea e a maior parte foi vendida para as pessoas ricas que não foram sorteadas na loteria.

Mercado de Escravos

Mercado de Escravos de Johann Moritz Rugendas

O delegado se reuniu com o conselho para apresentar suas conclusões. No final, o conselheiro-mor deu ordem para seu serviço de segurança prender a comitiva da Terra e declarou a independência de Perennial:

– Basta de exploração! Basta de humilhações! O tempo de subserviência à Terra acabou hoje! A partir de agora somos um planeta independente e se os habitantes da Terra quiserem as sementes da fonte da juventude, deverão pagar o preço que nós determinarmos. Prendam estes canalhas e cortem toda a comunicação deles com a Terra!

Chegou a hora do motim, da revolução. Algo que aconteceu inúmeras vezes na história do homem na Terra e já estava meio esquecido por seus habitantes.

Revolução Francesa

“A Liberdade Guiando o Povo” de Eugène Delacroix.

Claro que o delegado havia enviado um relatório parcial da investigação para a ONU. Quando o secretário-geral leu o documento, tentou contatar imediatamente seu subordinado, mas não obteve sucesso. Então decidiu chamar o embaixador de Perennial na ONU para obter esclarecimentos. Como todo bom diplomata, ele disse que deveria ser engano e que, talvez, o delegado e sua comitiva estivessem perdidos na floresta do planeta. E para concluir disse:

– Entrarei imediatamente em contato com as autoridades de Perennial. Tenho certeza que todos os esforços serão envidados para encontrar a delegação enviada por Vossa Excelência ao nosso modesto planeta.

O secretário geral não acreditou naquela história e temia que o pior tivesse acontecido com seu pessoal. Não havia tempo a perder!

Em Perennial, o conselho do planeta decidiu apoiar a ruptura dos vínculos com a Terra. Por outro lado, acharam que não poderiam ficar sozinhos e decidiram fazer uma aliança com os dois planetas mais próximos – Arborea e Aquamundi. Assim, pelo menos, estes planetas não serviriam de base terráquea em caso de ataque das tropas da ONU.

O conflito parecia inevitável, desta vez o motivo não era ideológico, nem reservas de petróleo ou metais nobres, nem mesmo territórios. Ironicamente as pessoas estavam dispostas a morrer para conseguir a semente que prolongaria suas vidas.

Guerra por petróleo

Guerra por petróleo

CONTINUA…

2 Comentários

Arquivado em Animais, Ética, Economia, Filosofia, História, linkedin, Literatura, Meio Ambiente, Política, Psicologia, Tecnologia

O Recomeço da História – A Fonte da Juventude de Perennial (Parte 1)

A população da Terra pela primeira vez em séculos tivera uma redução. A atividade econômica, apesar de certo dinamismo, apresentava crescimento global praticamente nulo. Havia fontes abundantes e baratas de energia e alimentos, se vivia um período de paz e prosperidade. Este seria o “Fim da História” que alguns pensadores descreveram no passado? Como não havia mais alternativas para a economia mundial crescer na Terra, os olhos dos homens se voltaram para o espaço.

Novos planetas, onde existiam condições para o desenvolvimento de vida, foram descobertos. Sondas não tripuladas e naves espaciais foram enviadas para procurar formas de vida e recursos minerais nestes planetas, além de analisar a viabilidade da instalação de colônias de seres humanos.

Foram criados grupos de investidores públicos e privados para explorar os planetas mais promissores. Por coincidência ou não, os planetas mais interessantes possuíam ecossistemas mais desenvolvidos, mas não havia formas de vidas tão evoluídas quanto o ser humano. Após pesados investimentos e muitos anos de planejamento, foram construídas as primeiras bases fora do Sistema Solar. A nova “Era das Grandes Navegações” se iniciava pelo cosmos ao invés dos mares da Terra do século XV.

As Grandes Navegações do Século XV

As Grandes Navegações do Século XV

Em um destes planetas, “Perennial”, foi encontrada uma planta com sementes que possuem propriedades milagrosas – seu consumo interrompia o envelhecimento celular. A planta foi chamada de “Fonte da Juventude”. Muitas tentativas foram feitas para isolar a substância responsável por este efeito, mas não houve sucesso. Também se tentou multiplicar as sementes e fazer grandes plantações na Terra e na própria Perennial, mas a produtividade foi baixa e não foi observado o efeito rejuvenescedor das sementes da planta selvagem. Só havia uma alternativa – coletar as sementes do ambiente natural, mas havia um grande problema. Os bilhões de habitantes da Terra e os milhões de humanos que viviam em outros planetas queriam consumir a semente e viver pela eternidade. Após muito debate na sede das Nações Unidas em New York, foi definida a quantidade anual de sementes que seria coletada para evitar a extinção da fonte da juventude. Até uma espécie de loteria foi criada para determinar quem seriam os felizardos a receber pequenas quantidades de sementes.

Quando a coleta de sementes foi iniciada, surgiram as primeiras dificuldades. O ambiente não era amistoso aos humanos. Havia animais selvagens, plantas venenosas, novas doenças transmitidas por animais parecidos com os insetos terráqueos.

Como não tinha como mecanizar esta atividade, alguém teve a ideia de usar uma espécie muito dócil de Arboreal, o planeta das árvores gigantes. Os kwasha-kwashas, ou simplesmente kwashas, pareciam com lêmures, mas eram mais altos. Um macho adulto, por exemplo, media 1,40 metros.

Lêmure

Lêmure

Um grupo de kwashas foi levado para Perennial a fim de analisar a viabilidade de usá-los na coleta das sementes da fonte da juventude. Os resultados foram excelentes e se decidiu transferir um quarto da população dos simpáticos lêmures gigantes de Arboreal para Perennial.

No trajeto entre os dois planetas, muitos kwashas entraram em profunda depressão, um em cada dez morreu. Quando chegaram a Perennial, não havia boas condições de alojamento e as florestas eram diferentes das nativas de seu planeta. Também não havia alimento na quantidade e qualidade necessárias. Por outro lado, não havia tempo a perder, o envio de sementes da fonte da juventude estava muito atrasada e apenas uma remessa fora despachada à Terra.

Desta vez, não houve o mesmo cuidado que se teve com o primeiro grupo de kwashas. Eles foram expostos a longas jornadas de trabalho, com pouca água e comida. Quando os responsáveis por supervisionar o trabalho perceberam que os kwashas estavam comendo a fonte da juventude, espancaram e castigaram brutalmente os animais. Alguns não resistiram ao cansaço, aos ferimentos e morreram. Seus corpos ficaram atirados no meio da floresta.

A produção da fonte da juventude aumentou exponencialmente, atingindo finalmente a meta. Os kwashas não aguentavam mais os maus tratos e tentavam fugir. Para evitar perda expressiva de mão de obra, tornozeleiras com localizadores e máquinas de choque foram colocadas em todos kwashas. Algumas pessoas da Terra, de Arboreal e de Perennial se revoltaram com aquela forma de tratamento, mas eram chamados de loucos, idiotas ou românticos. A maioria das pessoas falava:

– O que é mais importante, a vida de uma pessoa ou de um kwasha? Você deixaria sua mãe morrer para salvar um kwasha?

A própria Igreja definiu que os kwashas não eram humanos e que seriam os instrumentos que Deus nos presenteou para coletar a fonte da juventude. Só se deveria cuidar para não castigar excessivamente os animais a ponto de mutilá-los ou matá-los.

A Escravidão, que estava banida na Terra, ressurgia com toda força em Perennial.

Escravo sendo castigado (Debret)

Escravo sendo castigado (Debret)

CONTINUA…

3 Comentários

Arquivado em Animais, Ética, Economia, Filosofia, História, linkedin, Literatura, Meio Ambiente, Política, Psicologia, Tecnologia

Vitória Vegetariana

Na semana passada, critiquei duramente o jornalismo atual, muitas vezes monocromático e óbvio. Na noite da sexta-feira passada, a Rede Globo com seu programa jornalístico, Globo Repórter, mostrou como é possível tratar uma questão polêmica de modo leve e ao mesmo tempo objetivo. O programa discutiu qual seria a melhor forma de alimentação – a vegetariana ou a onívora (onde também se consome carne). Você pode assistir alguns trechos deste programa no site oficial da emissora.

http://g1.globo.com/globo-reporter/videos/

O link abaixo apresenta a íntegra do programa.

http://www.dailymotion.com/video/x16zscz_globo-reporter-08-11-2013-caque se alimentam com rnivoros-x-vegetarianos_auto?search_algo=2#

O programa, conduzido pela repórter Mônica Teixeira, ficou centrado nos aspectos nutricionais e concluiu que os vegetarianos podem ter uma saúde melhor do que a média da população, através de uma dieta balanceada. Apenas as pessoas que se alimentam com pequenas porções diárias de carnes magras (120 gramas de peixe, ave ou carne vermelha sem gordura) apresentaram resultados semelhantes aos vegetarianos. Ou seja, carne não é essencial para a saúde e o excesso, como quase tudo na vida, prejudica!

A única ressalva ficou por conta da vitamina B12. O médico nutrólogo Eric Slywitch orientou os veganos (aqueles que não consomem nada de origem animal como leite, queijo ou ovos) a monitorarem periodicamente sua B12 e, se for o caso, tomar suplemento.

Outro ponto interessante do programa foi a apresentação de “pessoas normais” vegetarianas. No passado, havia a ideia que os vegetarianos eram lentos e amarelados. O vídeo abaixo é a propaganda de uma churrascaria nos anos 90.

Como não existe qualquer restrição nutricional em ser vegetariano, pelo contrário os vegetarianos tendem a ser na média mais saudáveis, não há mais razão para os colegas onívoros fazerem bullying nos restaurantes e cantinas durante o almoço. A mesma churrascaria fez outra campanha publicitária, seguindo a mesma linha – a “cura” vegetariana.

Propaganda de uma churrascaria

Propaganda de uma churrascaria – “Daltonismo não tem cura. Vegetarianismo sim.”

Noto que muitas pessoas já estão abstraindo conscientemente que a picanha vem de um boi, a linguiça vem de um porco e assim por diante. Desta forma, não se sentem responsáveis pela morte do animal. No Globo Repórter, algumas pessoas se mostravam envergonhadas em ter o hábito de consumir carne em excesso.

A decisão para se tornar vegetariano é motivada por vários fatores – saúde, sustentabilidade, defesa dos animais, ética. Cada vez temos mais informações de como o consumo de carne não é sustentável devido à enorme quantidade de recursos empregados na sua produção e à poluição gerada por esta atividade. Também existe a discussão cada vez mais presente sobre os maus tratos com os animais e a ética de criá-los confinados para abate. Desta forma, se existem bons motivos para se tornar vegetariano e não existem mais restrições, o número de pessoas a aderirem ao vegetarianismo crescerá cada vez mais rápido, especialmente nas novas gerações. O Globo Repórter da sexta-feira passada foi mais uma etapa vitoriosa deste processo de transformação da sociedade.

Para finalizar, assista ao humor com inteligência do canal “Porta dos Fundos” do YouTube, o garçom vegetariano.

5 Comentários

Arquivado em Animais, Ética, Filosofia, Gastronomia, Meio Ambiente, Psicologia, Saúde

Jornalismo Profundo como um Pires

Qual é a função do jornalista no mundo de hoje? No passado, era muito mais difícil conseguir informações, o jornalista era a pessoa que disponibilizava notícias para a população em geral. Hoje, com a Internet cada vez mais onipresente, o tamanho do mundo encolheu. O massacre em um shopping center no Quênia é imediatamente divulgado em todos os cantos do planeta.

A divulgação de imagens também deixou de ser exclusividade de agências jornalísticas, qualquer pessoa com um celular com câmera pode filmar uma ocorrência de grande importância ou tirar uma foto digna de um Prêmio Esso ou Pulitzer. Na sequência, pode divulgar no Youtube ou através de outras redes sociais como o Twitter ou Facebook.

Ou seja, o jornalismo descritivo na era da abundância de imagens e informações perdeu terreno e importância. Os telejornais tentaram se reinventar, passaram a ter dois âncoras, normalmente uma mulher e um homem. Começaram a empregar linguagem mais informal. Os apresentadores algumas vezes trocam sorrisinhos e dizem gracinhas. Totalmente dispensável! Passaram também a ter maior participação popular, mas novamente se perderam na obviedade. O que acrescenta perguntar para uma pessoa na rua sua opinião sobre a inflação, a corrupção ou a violência? Tempo precioso perdido!

Vamos analisar dois casos recentes – a greve dos professores municipais no Rio de Janeiro e a libertação dos animais do Instituto Royal em São Paulo.

Os professores do Rio de janeiro ficaram em greve por aproximadamente 80 dias. Os meios de comunicação centraram suas matérias em dois aspectos – o prejuízo dos alunos e o vandalismo dos “black blocs”. Algumas imagens rolaram pela Internet, como a fotografia abaixo, mostrando uma grande manifestação popular no dia 7 de outubro em apoio aos professores. O governo municipal aprovou a toque de caixa um novo plano de carreira que foi rechaçado pelas lideranças da categoria. Não vi nenhum comparativo, mostrando as diferenças entre as propostas dos dois lados. Também não vi um raio X do ensino da cidade do Rio de Janeiro e um comparativo com outras capitais no Brasil e no exterior. Ou seja, ao invés de mostrar e analisar o essencial, a imprensa, de modo geral, preferiu mostrar o acessório – o vandalismo dos “black blocs”.

Manifestação em apoio aos professores cariocas em 07-10-2013.

Manifestação em apoio aos professores cariocas em 07-10-2013.

O caso da libertação de 178 cães da raça beagle do Instituto Royal segue o mesmo roteiro. Foi apresentado um grande número de vídeos com pessoas retirando os animais do local. Todos estavam sem máscaras, sem receio de serem identificados, não parecia uma ação planejada.

A grande discussão nos noticiários foi se a atuação do Instituto Royal era legal. A esta questão eu respondo que sim! A Agência Nacional de Vigilância Sanitária, ANVISA, exige que novos remédios e ingredientes para produtos de limpeza ou alimentícios sejam testados em animais. Ou seja, as empresas têm duas opções – ou fazem os testes em animais ou não lançam os produtos. Muitos destes remédios e ingredientes já foram testados e aprovados nos seus países de origem, por exemplo, Estados Unidos ou Europa, mas a ANVISA não aceita estes resultados e exige novos testes no Brasil. Por quê? Seria um bom início a ANVISA analisar os resultados dos testes realizados o exterior, evitando-se o sacrifício inútil de milhares de vidas.

Outro ponto é o sofrimento dos animais. As declarações dos representantes do Instituto Royal afirmando que os animais não sofrem são surrealistas. São aplicados produtos químicos na pele dos animais, eles são obrigados a comer produtos de limpeza, mas não sentem dor. No caso de rações para cachorro até vivissecção é realizada para ver o efeito no sistema digestivo do animal, mas “todos os procedimentos são realizados sem sofrimento”. No final todos os animais são sacrificados e dissecados.

Cão da raça beagle resgatado no Instituto Royal.

Cão da raça beagle resgatado no Instituto Royal.

Se atualmente não existem outras formas com eficácia comprovada para substituir os testes com animais, deveria ser criado um plano para a substituição para testes in vitro com células humanas. Por exemplo, em 2018 estariam proibidos testes de produtos de limpeza e alimentícios em animais; em 2025, remédios.

Os testes com animais ficaram parcialmente desacreditados após dois casos célebres:

– os testes em animais para verificar a ligação entre tabagismo e câncer;
– a má formação de fetos devido ao consumo de talidomida durante a gravidez.

Inúmeros testes foram realizados com animais para provar a ligação entre tabagismo e câncer. Em um destes testes, camundongos ficavam numa câmara, inalando fumaça de cigarro. Centenas passaram a vida nestas condições, mas não houve aumento nos índices de câncer de pulmão. Os resultados destes testes serviram de álibi para a indústria do fumo por anos. Em 1993, o The New York Times publicou o depoimento de William Campbell, na época presidente da Philip Morris, em um processo de indenização de comissários de bordo que tiveram problemas de saúde devido à inalação de fumaça de cigarro durante voos (naquele tempo era permitido fumar a bordo dos aviões).

– O tabagismo causa câncer?
– Que eu saiba, não está provado que o cigarro provoca câncer.

– No que você se baseia?
– Me baseio no fato de que, tradicionalmente , você sabe, existem em termos científicos dificuldades relacionadas com a determinação das causas e, até este momento, não há nenhuma evidência de que os cientistas tenham conseguido produzir câncer em animais a partir de fumaça de cigarro.

Se você quiser ler a íntegra deste depoimento, basta clicar no link abaixo.

http://www.nytimes.com/1993/12/06/business/on-cigarettes-health-and-lawyers.html

O problema é que o organismo da maioria dos mamíferos, incluindo camundongos e cães, sintetiza sua própria vitamina C, um poderoso antioxidante. Nós humanos somos incapazes de fazer isto e necessitamos de fontes externas. Deste modo, os camundongos tinham uma proteção natural nos seus pulmões, o que tornava os testes inúteis para simularmos o efeito da fumaça dos cigarros nos humanos. A ligação entre câncer e tabagismo foi provada através de estatística, porque a incidência de câncer no pulmão era significativamente maior nos fumantes. A indústria do cigarro fez um acordo bilionário para indenizar as vítimas do tabagismo nos Estados Unidos.

Sessão do senado americano em 1994, onde os presidentes das 7 maiores empresas de tabaco dos EUA afirmaram sob juramento que nicotina não vicia. William Campbell está na direita da foto.

Sessão do senado americano em 1994, onde os presidentes das 7 maiores empresas de tabaco dos EUA afirmaram sob juramento que nicotina não vicia. William Campbell está na direita da foto.

No caso da talidomida, no final dos anos 50 e durante os anos 60, cerca de dez mil bebês, segundo a BBC, nasceram com má-formação após suas mães consumirem este medicamento para combater enjoos durante a gravidez. A característica mais lembrada destas crianças é a focomelia, encurtamento e deformação dos membros superiores e inferiores, como pode ser visto na foto abaixo da artista inglesa Alison Lapper.

Artista inglesa Alison Lapper pintando.

Artista inglesa Alison Lapper pintando.

Foram realizados testes com animais, mas inicialmente não foram usadas fêmeas grávidas. Com o surgimento de casos teratogênicos em humanos, reiniciaram-se os testes com animais, mas em várias espécies a má-formação do feto só aparecia em dosagens significativamente maiores (centenas a milhares de vezes) do que a dose diária ingerida por um humano.

Se você acredita que está seguro com os testes em animais, engana-se, porque muitos medicamentos que causam, por exemplo, má-formação de fetos humanos não geram efeitos em algumas espécies e nenhum animal de teste tem resultados completamente alinhados aos humanos. A prova são as advertências às gestantes que estão impressas nas bulas dos remédios.

Ao invés de mostrar insistentemente “black blocs”, queimando carros de polícia nas proximidades do Instituto Royal na cidade paulista de São Roque, a imprensa poderia estimular a discussão da validade dos testes em animais.

O jornalismo hoje deveria ser mais analítico, mostrar os diversos lados da notícia, ser plural, ao mesmo tempo não deveria ser maniqueísta. Por exemplo, ao invés de simplesmente mostrar a ação dos “black blocs”, os meios de comunicação poderiam traçar perfis sociais e psicológicos dos seus integrantes. Poderiam mostrar as raízes históricas e ideológicas do movimento no mundo. Tenho certeza que haveria discussões mais ricas e toda sociedade sairia ganhando.

5 Comentários

Arquivado em Animais, Arte, Ética, Educação, Filosofia, História, linkedin, Política, Saúde, Tecnologia

Sofrer e Amar não são Exclusividades dos Humanos

O voo originado em São José do Rio Preto aterrissou no Aeroporto de Congonhas no início da noite do Dia dos Namorados. Fui rápido para o ponto de táxi, mas, quando cheguei lá, senti que a espera não seria breve, a fila era grande e não havia táxis. Quando finalmente estava chegando minha vez, o responsável pela organização dos táxis gritou no lado da fila:

– Deu um nó no trânsito de São Paulo! A cidade inteira está parada e os táxis não estão conseguindo entrar no aeroporto. Como vocês podem ver, a saída do aeroporto já está trancada…

Realmente a coisa não estava fácil, demoraram mais uns dez minutos para eu embarcar num táxi e mais uma meia hora para o táxi entrar na Avenida Washington Luís. Para percorrer os quinze quilômetros entre o aeroporto e minha residência foram necessárias duas horas e meia.

Congestionamento recorde de 279 km no dia 12-06-2013 em São Paulo

Congestionamento recorde de 279 km no dia 12-06-2013 em São Paulo

Com todo este tempo juntos, eu e o motorista conversamos sobre os mais variados assuntos: trânsito, os protestos em São Paulo, impostos, combustíveis alternativos, produção de etanol, histórias de família (especialmente sobre as sogras). Quando estávamos relativamente perto da minha casa, o motorista iniciou o seguinte diálogo:

– O senhor é do Sul?
– Sim, sou gaúcho.
– Então, deve gostar muito de churrasco…
– Gostava, mas agora não como mais.
– Você é vegetariano?
– Quase! Às vezes eu como peixe. Como eu viajo muito, em alguns lugares, é muito difícil achar boas opções vegetarianas.
– Eu sou vegetariano!

Fiquei surpreso e perguntei o motivo que o levou a tomar aquela decisão. Ele me contou que adotou uma cachorrinha e se afeiçoou muito a ela. Depois de um tempo, o animal ficou doente e o veterinário descobriu que estava com câncer. Ela foi operada, mas o câncer apareceu novamente. O veterinário alertou que poderia operar de novo, mas as chances de recuperação seriam baixas e a dedicação ao animal de estimação deveria ser grande, porque ela não teria condições de alimentar-se sozinha. O dono aceitou o desafio e a cadelinha foi novamente operada, mas ela não conseguiu recuperar as forças. O dono dedicou-se ao máximo, preparava e dava a comida para a cachorrinha algumas vezes ao dia, usando uma seringa. A partir de certo momento, percebeu que ela não queria mais se alimentar, mesmo assim ele forçava para que ela não se enfraquecesse ainda mais e morresse. A cada contato, ela sempre abanava o rabinho para ele.

cãozinho

Na hora da ceia de Natal, a cachorrinha se levantou de sua caminha, coisa que não fazia há muito tempo, deu alguns passos na direção dele e caiu morta. O dono não resistiu e chorou. Quando a família iniciou a celebração do Natal, ele tentou comer um pedaço de carne de peru, mas não conseguia engolir. Decidiu naquele momento que não comeria mais carne, porque todos os animais tinham sentimentos, como sua querida cachorrinha, e não era certo continuar se alimentando de carne, porque havia um animal que sofreu por trás daquele ato. Escondeu da família por um tempo, até ser descoberto, porque estava dando a carne para outros cães adotados que passaram “estranhamente” a rodeá-lo durante as refeições.

Finalizou dizendo que isto aconteceu há um ano e meio. Hoje ele se sente melhor e existem ótimas opções além da salada e do feijão com arroz. Chegamos à frente do meu prédio. Paguei a corrida do táxi, peguei minha mala e me despedi dele, parabenizando-o pela sua decisão.

Contei esta história para Cláudia e conversamos sobre o assunto. Hoje as pessoas estão se dando conta que os animais, não só os humanos, têm inteligência e sentimentos. Alguns deles. na idade adulta, têm a inteligência de uma criança humana, por exemplo. O que nos leva a pensar que temos o direito de criá-los para depois serem mortos apenas para nos servir de alimentos, especialmente quando existem boas opções vegetarianas? Lembro-me daqueles filmes em que alienígenas maus e tecnologicamente mais desenvolvidos invadem a Terra e querem usar os humanos como alimento. Quem assiste a um filme deste normalmente pensa:

– Como estes alienígenas podem ser mais evoluídos se não respeitam os direitos dos humanos e querem escravizá-los, matá-los e usar os corpos como alimento?

alien-3

Parece que nós humanos agimos como os alienígenas dos filmes frente aos animais terráqueos. E ainda conseguimos abstrair que a picanha era parte de um boi, a linguiça foi feita da carne de um porco e que o coraçãozinho do aperitivo do churrasco era de uma galinha. O dono da cachorrinha, assim como milhares de pessoas que deixaram de comer carne, percebeu não tem lógica amar uns animais e comer outros, causando indiretamente sofrimento a estes animais.

Após escrever este artigo fiquei com mais vontade ainda de poupar os peixes…

5 Comentários

Arquivado em Animais, Ética, Filosofia, Psicologia