O Princípio de Le Chatelier e as Soluções Tampão – A Dificuldade de Deslocar o Equilíbrio

Este é o quarto e, por enquanto, último artigo da viciante série sobre a físico-química e o comportamento humano. Se você não gosta ou não entende química, no final da sua leitura, você entenderá o Princípio de Le Chatelier e seu paralelo com as relações humanas. Como nos artigos anteriores, procurarei não complicar os conceitos da química.

O Princípio de Le Chatelier afirma que o equilíbrio químico de um sistema é deslocado, quando suas condições (temperatura, pressão ou concentrações dos reagentes ou produtos) são alteradas.Reaction_equilibriumOu seja, se adicionarmos mais reagentes, o equilíbrio será deslocado para o lado dos produtos e, quanto mais reagentes forem adicionados, mais “violenta” será a guinada para este lado. Se adicionarmos mais produtos, acontecerá o contrário, o equilíbrio se deslocará para o lado dos reagentes. Se a reação direta precisa de energia para acontecer, se aumentarmos a temperatura, esta reação será favorecida e o equilíbrio se deslocará para o lado dos produtos.

Uma pessoa pode não ir a festas (ou baladas, como você preferir) pelos mais variados motivos: falta de dinheiro, compromisso com parceiro amoroso, restrição religiosa ou proibição dos pais, entre outras razões. Se for removida a restrição que neutraliza a vontade, a pessoa pode iniciar uma temporada de festas, onde trabalho ou estudo ficam em plano secundário. Isto é muito comum com jovens que passam a receber bons salários ou pessoas, que se casaram muito cedo, quando se separam. Jogadores de futebol de alto potencial com dezoito ou vinte e poucos anos de idade costumam passar por este processo. Depois de passar por dificuldades e apertos durante a infância e adolescência, passam a ganhar mais dinheiro que jamais sonharam e fica fácil cair nesta armadilha.

Na química, a acidez de um líquido é medida através do pH. Para segurar as mudanças de pH de um meio são usadas as chamadas “soluções tampão” (não tem nada a ver com soluções provisórias). Em inglês, usa-se a palavra buffer que significa amortecedor. Ou seja, estas soluções amortecem as mudanças de pH de um sistema.

buffer_pH

Gráfico sobre o efeito de soluções tampão

Como você pode notar no gráfico acima, o pH cresce pouco apesar da adição da solução alcalina (por exemplo soda cáustica) devido à presença de um agente tamponador. Neste caso, poderia ser o ácido acético (principal componente do vinagre). Num determinado ponto, o agente tamponador não consegue mais segurar o pH e seu aumento é imediato.

A definição de equilíbrio que uso neste artigo é diferente da empregada cotidianamente, equilíbrio é uma situação de estabilidade, onde a composição do meio não muda. Ou seja, não é algo necessariamente bom no âmbito humano, pois pode significar, por exemplo, estagnação ou uma situação desfavorável mantida por comodismo ou medo de tentar algo melhor.

Nas nossas vidas, também podemos ter uma série de “amortecedores”, por exemplo, nossos valores, nossas famílias ou nossos credos. Se a frase “cada um tem seu preço” for realmente verdade, deduzimos que as pessoas não tomam certas atitudes até que se atinja um certo “preço”. Quando ouvimos esta frase, a ligamos imediatamente à corrupção. Neste caso, além dos valores pessoais, a certeza da punição seria um excelente amortecedor para não sair da linha.

Por outro lado, o “preço” pode ser, por exemplo, o ponto em que a violência doméstica deixa de ser suportada por uma mulher. Neste ponto, a relação é rompida e, muitas vezes, o agressor é denunciado em alguma delegacia da mulher.

Também podemos fazer este tipo de analogia no campo social. Aqui no Brasil, vivemos uma quase contínua apatia, normalmente o amortecimento é enorme. Estamos sempre à espera que os governos resolvam nossos problemas. Em junho de 2013, o Brasil foi sacudido por uma enorme onda de protestos e o equilíbrio foi rompido. Os políticos sentiram-se ameaçados e aprovaram algumas medidas que apoiavam as aspirações populares dos protestos. Depois os protestos esfriaram, a pressão sobre a classe política baixou e, infelizmente, o equilíbrio voltou praticamente para o ponto original pré-protestos. Os políticos retornaram para seu universo paralelo e os anseios da população ficaram em terceiro plano.

Resumindo, todos nós temos alguns “amortecedores” que nos impedem de deslocar o equilíbrio atual estabelecido. Se quisermos crescer pessoal ou profissionalmente, vários “tampões” (ou buffers) deverão ser superados. O melhor sempre é, através de autoanálise, identificarmos para onde queremos deslocar o novo equilíbrio e quais são os “amortecedores” que seguram o deslocamento desejado. A partir deste momento, uma parte fundamental, apesar de muito pequena, foi alcançada, porque botar em prática nossos planos exige muita mais energia e coragem. A zona de conforto (às vezes muito desconfortável) deve ser abandonada para que a transformação ocorra.

homer simpson

Homer Simpson, eternamente na zona de conforto – este é o seu ponto de equilíbrio.

 

3 Comentários

Arquivado em Geral, Gestão de Pessoas, linkedin, Política, Psicologia, Tecnologia

Reações Espontâneas e Energia de Ativação – A Barreira Quase Intransponível Para Ser Feliz

Sabe que gostei deste negócio de misturar físico-química com comportamento humano… Hoje mostrarei que, da mesma forma que uma reação química, não basta ser espontânea para que uma transformação ocorra em nossas vidas, é necessária uma energia para iniciar o processo.

Muitas reações químicas que ocorrem à nossa volta são espontâneas, isto é, uma vez iniciadas prosseguem sem a necessidade de ajuda externa. A combustão da gasolina ou etanol é um exemplo deste tipo de reação. Se houver oxigênio, basta uma faísca para iniciá-la. Se não interferirmos, enquanto houver combustível e oxigênio, a chama não se extinguirá, porque a reação é espontânea.

Para reduzir a energia necessária para iniciar uma reação e aumentar sua velocidade muitas vezes usam-se catalisadores. Veja a figura abaixo.

Energia ativacao

Efeito do catalisador na energia de ativação de uma reação

Neste gráfico, fica claro que a reação catalisada (curva azul) ocorrerá mais facilmente do que a não-catalisada (curva vermelha).

Em nossas vidas, normalmente sabemos o que não está certo e o que deve ser mudado. Por que deixamos como está? Simplesmente, porque para que a mudança ocorra, necessitamos da “maldita” energia de ativação. Este é o motivo que justifica a permanência num emprego desmotivador, a manutenção de um casamento falido ou a dificuldade para assumir a opção sexual.

Para muitas pessoas, a energia para iniciar sua transformação é uma barreira praticamente intransponível. Medo do fracasso, de críticas dos outros, de preconceitos sociais elevam às alturas a demanda de energia de ativação.

gulliver

Gulliver preso pelas finas cordas dos pequenos habitantes de Lilliput. Na verdade, seu medo o manteve preso, não foram as cordas.

Neste momento, podem surgir catalisadores nas nossas vidas. Você está descontente com seu emprego e aparece uma proposta para um novo. Seu casamento vai de mal a pior e surge uma nova paixão. E assim por diante…

O ideal é autocatalisarmos as mudanças. Os catalisadores externos muitas vezes nos levam a armadilhas, porque as decisões são geralmente pouco refletidas. Passa-se anos sem encarar o problema, evitando até pensar nele e, graças a um estímulo externo, decide-se impulsivamente. Sempre é melhor refletir profundamente sobre os motivos das insatisfações para decidir quais serão as nossas ações para atacá-las. Geralmente os problemas, as oportunidades e as soluções já estão dentro de nós mesmos.

 

7 Comentários

Arquivado em Geral, Gestão de Pessoas, linkedin, Psicologia, Tecnologia

As Pessoas Agem de Modo Exotérmico ou Endotérmico

Quando publiquei meu último artigo “A Primeira Lei da Termodinâmica e o Comportamento Humano”, a Claudia me provocou, via Facebook, para “escrever um sobre as pessoas exotérmicas e as endotérmicas”. Desafio aceito!

Quando você terminar a leitura, poderá classificar seus amigos e conhecidos nestas duas categorias. Por outro lado, você se lembrará de situações nas quais foi exotérmico ou endotérmico. Sei que a maioria das pessoas odeia química, mas iniciarei com a explicação sobre a diferença das reações exotérmicas e endotérmicas. Como no artigo anterior, serei mais pé no chão e direto possível. No final, além de entender um pouco mais de química, você poderá dar cantadas incríveis em uma balada como esta:

– Gata, você é muito endotérmica! E eu tenho toda energia que você precisa…😉

OK, já sei – a piadinha foi muito nerd…

Nas reações exotérmicas, a energia dos produtos da reação será menor do que a dos reagentes. Esta energia é chamada entalpia (símbolo H) e a “sobra” (variação da entalpia ΔH) será liberada no meio, ocasionando aumento da temperatura. A combustão é um exemplo deste tipo de reação. Veja a figura abaixo.

exotermica

Reação exotérmica

Nas reações endotérmicas, ocorre exatamente o contrário. A energia dos produtos da reação será maior do que a dos reagentes. A entalpia (H) que “falta” (DH) será absorvida do meio, ocasionando redução da temperatura. A fotossíntese é um exemplo deste tipo de reação, pois utiliza a energia do sol para acontecer. Veja a figura abaixo.

endotermica

Reação endotérmica

Agora que você já sabe o que são reações exotérmicas e endotérmicas, entendeu a piadinha e teve certeza de que ela é fraca mesmo, vamos discutir as pessoas e a classificação de seus comportamentos.

Pessoas normalmente exotérmicas são aquelas que incendeiam o ambiente. Isto é péssimo, quando a harmonia do ambiente é prejudicada por esta forma de comportamento. São indivíduos que parecem amar os conflitos. Por outro lado, é ótimo, quando o ambiente é energizado por esta pessoa. São agentes da mudança que não permitem que o marasmo e o “concordismo” se perpetuem no ambiente. Algumas vezes a fronteira é tênue entre estes dois tipos de exotérmicos.

Da mesma forma do caso anterior, podem existir dois tipos de pessoas endotérmicas. O primeiro tipo é o depressivo. Ele parece existir para sofrer e roubar a energia das outras pessoas. São “vampiros”! Uma variação deste tipo são os pessimistas e os maledicentes que sempre acham que tudo está errado. A energia do ambiente é destruída por estas pessoas. Por outro lado, existem ótimos endotérmicos. São aquelas pessoas que absorvem a energia do ambiente para reduzir os conflitos. São grandes conciliadores!

Preparei a figura abaixo para resumir os quatro tipos apresentados acima.

Pessoas exotermicas endotermicas

Diagrama – Comportamentos Exotérmicos e Endotérmicos

Fica claro que ninguém deve ser 100% do tempo exotérmico ou endotérmico. O melhor sempre é agirmos conforme a situação. Poderíamos ser endotérmicos, quando houver conflitos, e exotérmicos, quando o moral do grupo estivar baixo ou se consolidar aquele pensamento único perigoso.

 

4 Comentários

Arquivado em Geral, Gestão de Pessoas, linkedin, Psicologia, Tecnologia

A Primeira Lei da Termodinâmica e o Comportamento Humano

Se você não gosta ou não entende física ou química, prometo que, no final da leitura deste artigo, entenderá a Primeira Lei da Termodinâmica e seu paralelo com o comportamento humano. Serei mais pé no chão e direto possível.

A Primeira Lei da Termodinâmica diz basicamente que, ao fornecemos energia a um sistema, esta energia se converterá em trabalho ou variação da energia interna. Trabalho é movimento, expansão ou contração. Variação da energia interna pode ser medida pela temperatura. Ou seja, se adicionarmos energia a um sistema, esta energia pode se transformar em movimento e aumento de temperatura. A energia se conserva e a equação abaixo é representação desta Lei.

Q = W + ΔU

Onde Q é a energia, W é trabalho (work) e ΔU é a variação da energia interna.

Vamos usar um automóvel como exemplo. A combustão do etanol no interior do motor gera a expansão dos gases (trabalho) nos cilindros que é responsável pelo movimento do automóvel. Simultaneamente há aumento na temperatura do motor (variação da energia interna) que será absorvido pela água de arrefecimento. Esta água será, por sua vez, resfriada pelo ar que passa através do radiador do automóvel. Ou seja, a parcela da energia da combustão do etanol que aumentou a temperatura do motor foi desperdiçada. Só a parte que gerou trabalho foi útil, geralmente apenas 22% nos motores de automóveis a etanol ou gasolina. Sim, mais de 3/4 da energia do combustível são “desperdiçados”.

maq termica

Funcionamento de um motor à explosão

Os comportamentos humanos seguem uma lógica parecida. Recebemos permanentemente estímulos (energias) do ambiente externo. Seria interessante que nossa reação a estes estímulos fosse uma ação proporcional à magnitude destes estímulos. Infelizmente, muitas vezes, apenas geramos calor ou, pelo menos, geramos um calor desnecessário para a resolução de algum problema.

O ideal é, ao recebermos um estímulo, refletir antes de responder. Depois de falar ou enviar uma mensagem de forma agressiva, será necessária muito mais energia para corrigir o estrago.

Pato Donald stress

Não haja como o estressado Pato Donald.

Outra forma de apenas aumentar a “temperatura” sem gerar “trabalho” é a procrastinação. Muitas vezes, temos dificuldade para decidir sob certos graus de incerteza, mesmo sabendo que certeza absoluta, se realmente existir, é raríssima. Nestes casos, novas reuniões são marcadas ou novos estudos são requisitados. No final, muito mais energia é gasta para tomar a decisão, relacionamentos são desgastados e oportunidades perdidas. Não confunda reflexão com procrastinação!

Num mundo, onde desenvolvem-se máquinas cada vez mais eficientes que obtêm mais resultado com consumo mais baixo de energia, nós humanos também devemos buscar este tipo de eficiência. Para atingir este objetivo não precisamos agir como máquinas, devemos ser mais empáticos, menos egoístas, mais humildes, porque ninguém é dono da verdade. E, se for possível decidir, não devemos procrastinar.

 

1 comentário

Arquivado em Geral, linkedin, Psicologia, Tecnologia

Índia – Meio Bilhão Atrás da Moita

Como comentei no artigo anterior, estive na feira IFAT, em Munique, no mês passado. Assisti a uma apresentação sobre um projeto de cooperação entre Índia e Alemanha na área de saneamento básico.

IFAT 2016

M. Sevala Naik, Cônsul Geral da Índia em Munique, na IFAT

Estima-se que a população atual da Índia seja 1,3 bilhões de habitantes, 17% da população humana no planeta, vivendo em 2,5% da terra, dispondo de apenas 4,0% da água fresca. Em breve, deverá ultrapassar a China e se tornar o país mais populoso do mundo. Em 2050, estima-se que sua população esteja em torno de 1,7 bilhões de habitantes, a maioria estará vivendo em cidades.

A seguir apresento dois slides que fotografei de uma das apresentações sobre a Índia.

India - slide 1

As cidades com mais de 50 mil habitantes geram diariamente 38 milhões de metros cúbicos de esgoto. Apenas uma pequena fração deste total é tratada de forma eficiente. Além dos esgotos domésticos, existe a poluição industrial causada, principalmente por farmacêuticas, têxteis e curtumes. O resultado final é a poluição de 75% das águas superficiais do país.

Por outro lado, apenas um terço das casas destas cidades está ligada a sistemas de coleta de esgoto, como pode ser visto no slide abaixo.

India - slide 2

Atualmente cerca um terço da população indiana vive em áreas urbanas. Se 12,6% das pessoas que vivem em cidades fazem suas necessidades a céu aberto, isto representa 55 milhões de pessoas. Outras 25 milhões de pessoas usam banheiros públicos, totalizando mais 80 milhões sem privadas em casa.

Na zona rural, a situação ainda é muito pior! Mais da metade dos habitantes faz suas necessidades a céu aberto, 450 milhões de pessoas. Ou seja, mais de meio bilhão de pessoas na Índia defecam na rua ou atrás de moitas. Observe a situação em outros países no mapa abaixo.

Defecating in the Open - Global

Em julho de 2014, The Economist fez uma reportagem sobre o assunto. Leia um trecho traduzido abaixo.

Narendra Modi, primeiro-ministro da Índia, diz que a construção de banheiros é uma prioridade sobre templos. Seu ministro das Finanças, Arun Jaitley, utilizou o orçamento deste mês para definir uma meta de acabar com a defecação a céu aberto em 2019. Isto acontecerá 150 anos após o nascimento de Mohandas Gandhi que disse que o bom saneamento era mais importante do que a independência.

narendra-modi

Primeiro-ministro Narendra Modi

Esta deve ser uma das maiores e mais importantes iniciativas na área do saneamento básico em toda a história da humanidade. Você consegue imaginar um político que prioriza construção de privadas ou invés de grandes obras?

A decisão do primeiro-ministro indiano segue uma lógica clara – má higiene pública leva a problemas de saúde, má nutrição e mortalidade infantil –, sem falar do grande risco de estupro para as mulheres devido à falta de um banheiro junto a suas casas. Superar este problema requer um plano abrangente, porque envolve educação e mudança de hábitos culturais, não apenas a construção de mais de cem milhões de novos banheiros pelo governo.

Termino este artigo com o mesmo pensamento que iniciei o artigo anterior. Fica escancarado como nosso mundo é desigual. Assisti a palestras na IFAT sobre a remoção de micropoluentes da água, através de processos sofisticados com o uso de carvão ativado e membranas, e a um seminário sobre a situação delicadíssima do abastecimento de água e saneamento básico na Índia.

Open defecation India

Péssimas condições sanitárias na Índia  [Fonte: The Economist]

Deixe um comentário

Arquivado em Economia, Educação, Geral, Gerenciamento de Projetos, linkedin, Meio Ambiente, Política, Saúde, Tecnologia

Por um Mundo mais Sadio e Justo – o Lixo e a Consciência

Após passar alguns dias na maior feira do mundo de tecnologia para tratamento de água, esgotos e reciclagem, a IFAT, em Munique na Alemanha, fica escancarado como nosso mundo é desigual. Assisti a palestras de como remover micropoluentes da água, através de processos sofisticados com o uso de carvão ativado e membranas, e a um seminário sobre a situação do abastecimento de água e saneamento básico na Índia.

ifat_future_dialog

IFAT 2016 – painel Future Dialog

Na manhã do primeiro dia da feira, assisti a um painel muito interessante, “Um mundo sem desperdício – visão ou ilusão? ”, no qual quatro apresentadores mostraram suas visões sobre o assunto e o que estavam fazendo sobre o tema. O cientista Prof. Dr. Michael Braungart afirmou que os principais problemas já são conhecidos há 25 anos, mas muito pouco foi feito até hoje. A questão não é melhorar o que está aí, mas criar algo novo que não gere resíduos. O antimônio, por exemplo é um metal pesado usado como catalisador no processo de fabricação de garrafas PET e pode contaminar os líquidos contidos por elas. Outro exemplo é a série de metais pesados utilizados em equipamentos eletrônicos que não são reciclados e poluem o meio ambiente.

michael-braungart

Michael Braungart

O representante de Gana no painel, o jornalista e ambientalista Michael Anane, denunciou que mensalmente quinhentos containers são enviados para seu país por nações desenvolvidas com equipamentos eletrônicos obsoletos, boa parte deste material sem nenhuma condição de uso ou conserto. Nestes casos, fios são queimados ao ar livre, para recuperar o cobre que, posteriormente, será enviado para a Europa. Todo o material que sobra é lançado em um lixão, onde metais extremamente tóxicos, como mercúrio e cádmio, contaminam o solo. Se achou esta transferência de lixo tóxico estranha, você está certo! A Convenção de Basel (Basileia, em português) proíbe estas movimentações de resíduos perigosos e sua disposição final em outros países.

michael-anane

Michael Anane

Se por um lado, os países desenvolvidos discutem os princípios da “economia circular”, onde resíduos não são gerados ou são aproveitados nos próximos elos da cadeia produtiva, por outro lado, os olhos são tapados para que lixo tóxico seja jogado “embaixo do tapete” dos países pobres.

Uma reportagem interativa do portal de notícias Al Jazeera mostra este grave problema humano e ambiental. Leia sem preconceito, o site é muito bom.

E-waste Republic – Al Jazeera

Existem uma série de iniciativas elogiáveis como o “Plastic Bank” criado pelo canadense David Katz, um dos apresentadores do painel. O “Plastic Bank” cria centros de processamento de resíduos de plástico em áreas muito pobres que têm uma quantidade elevada deste tipo de resíduo. O objetivo do “Plastic Bank” é liderar o movimento em direção a uma demanda mundial para o uso deste “Social Plastic” em produtos de uso diário. Quanto maior for a demanda, maior será o impacto social para ajudar os pobres do mundo. Segundo Katz, grande parte do plástico nos oceanos do mundo é originária dos países em desenvolvimento. Deste modo, o “Plastic Bank” criou um sistema para evitar o desperdício de plástico lançado em oceanos, rios e cursos de água, tornando-o muito valioso para ser simplesmente jogado fora.

david-katz

David Katz

Para se ter ideia do tamanho deste problema, copiei o parágrafo abaixo do site da ONG Instituto Akatu (www.akatu.org.br).

Por ano, 250 milhões de toneladas de plástico produzidas e cerca de 35% desse montante são usados apenas uma vez, por apenas 20 minutos. Após o uso, em torno 10% do material descartado tem como destino o mar, revelou um estudo da Race for Water, fundação suíça dedicada à preservação da água.

A jornalista alemã independente Hanna Gersmann, quarta apresentadora do painel, defendeu a existência de um ambiente legal que favoreça os processos sustentáveis através, por exemplo, da taxação de processos muito intensivos em recursos. Os plásticos e papéis oriundos de reciclagem, por exemplo, deveriam ser menos tributados do que os produtos obtidos, respectivamente, a partir do petróleo e da madeira.

hanna-gersmann

Hanna Gersmann

No Brasil, a gasolina é mais pesadamente tributada do que etanol. Deste modo, aumenta a viabilidade econômica das pessoas abastecerem seus automóveis com um combustível renovável do que com o combustível fóssil, reduzindo a emissão de gás carbônico (principal gás do efeito estufa) por quilômetro rodado.

combustiveis_impostos

Tributação dos combustíveis no Brasil

Michael Braungart, juntamente com o designer William McDonough, criou uma abordagem para o projeto de produtos ou sistemas chamada “Cradle to Cradle”. O nome é uma oposição à expressão do inglês “cradle to grave”, berço ao túmulo. Assim a ideia é um ciclo contínuo interminável, sustentável, baseado em cinco princípios:

  1. Saúde ligada ao material – ausência de compostos tóxicos, como metais pesados ou produtos químicos cancerígenos, para a saúde das pessoas e do meio ambiente. Neste item, também está incluída a origem das matérias primas, por exemplo, a origem da madeira – floresta nativa ou reflorestamento.
  2. Reutilização do material – todo o material deve ser recuperado ou reciclado após o final da sua vida útil.
  3. Energias renováveis – em todas as etapas do processo devem ser empregadas majoritariamente energias renováveis.
  4. Água limpa – o consumo de água deve ser minimizado e a água empregada deve ser reutilizada no próprio processo, reciclada ou, se não houver outra alternativa, tratada e devolvida ao meio ambiente com qualidade aceitável.
  5. Responsabilidade social – o impacto do produto ou sistema sobre a comunidade deve ser positivo.

Biological_and_technical_nutrients_(C2C)

Tem um ponto que deve ser atacado em paralelo com o redesenho de processos produtivos – o consumismo crescente no mundo. Você acha racional trocar de celular anualmente? Apple e Samsung trazem todo ano novos modelos de seus carros chefe, iPhone e Galaxy. Qualquer destes aparelhos multifuncionais de dois ou três anos atrás já possui mais utilidades do que a esmagadora maioria dos mortais jamais imaginou. Podemos, além de fazer ligações telefônicas, trocar mensagens eletrônicas instantâneas (inclusive de áudio e vídeo), tirar fotografias em alta resolução e imediatamente compartilhá-las através de e-mails ou nas redes sociais, usar navegadores (Waze e Google Maps) que nos ajudam a chegar a qualquer lugar, fazer transações bancárias, ouvir música, ver vídeos, ler e escrever textos, tomar conhecimento sobre as últimas notícias, passar o tempo com jogos. Tudo isto está na palma de nossas mãos, precisando apenas de uma conexão sem fio com a Internet, mas muita gente se sente obrigada a comprar o modelo recém lançado e o “antigo” vai para a gaveta. Nos últimos modelos, até mesmo a remoção das baterias de lítio é complexa com a necessidade de ferramentas especiais.

O consumo de produtos descartáveis é outro ponto a ser atacado. Se mais de um terço de todo o plástico produzido no mundo, 90 milhões de toneladas, é descartado logo após o uso, devemos também repensar nosso estilo de vida. Estes plásticos são sacos e filmes que envolvem alimentos e produtos em geral, copos, pratos, garrafas, canudos e talheres. O destino final deste recurso transformado em lixo, pode ser o estômago de peixes, aves marinhas e tartarugas. Não seria melhor voltar aos velhos tempos e usar utensílios de vidro ou aço e embalagens de papel? Assista ao vídeo abaixo.

 

Resumindo, nosso planeta tem recursos e capacidade de regeneração finitos. Não adianta estimular o consumo, se não existe boas soluções para aproveitar o produto após sua vida útil. Não adianta também se livrar do problema, enviando resíduos para países pobres. A solução deve ser holística e sustentável – ambientalmente, socialmente e economicamente. Os nossos hábitos e valores devem seguir esta condição, porque, ao comprar um produto, deveríamos pagar todos os custos ambientais e sociais que este produto carrega desde sua produção até seu destino final após a vida útil. Nosso consumo deve ser consciente!

Deixe um comentário

Arquivado em Ética, Economia, Educação, Geral, Gerenciamento de Projetos, História, Inovação, linkedin, Meio Ambiente, Política, Saúde, Tecnologia

O que Fazer Quando o Prozac Político Acabar?

A Câmara dos Deputados aprovou a admissibilidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff em 17 de abril. Provavelmente nesta quarta-feira, o Senado confirmará o julgamento de Dilma que será automaticamente afastada do cargo e o vice-presidente Michel Temer assumirá a presidência.

Temo (não é trocadilho com Temer) que, neste momento, poderá acabar o efeito do “Prozac político” ingerido por boa parte da população e tudo volte para aquele marasmo que estamos acostumados.

Hoje está cada vez mais claro que o país precisa de reformas em várias áreas – política, tributária e previdenciária. Não podemos mais conviver com um sistema político que se alimenta do fisiologismo e da corrupção, onde velhas raposas se perpetuam no Congresso e nas Assembleias Legislativas estaduais e, quando finalmente aposentam-se, são substituídas por parentes. Na atual legislatura da Câmara, metade dos deputados é oriunda de dinastias políticas e apenas 15% dos deputados eleitos com até 35 anos de idade não receberam o impulso de um sobrenome político. Se quiser saber mais detalhes, leia a reportagem completa da Agência Pública (jornalismo investigativo independente), clicando no link abaixo.

http://apublica.org/2016/02/truco-as-dinastias-da-camara/

No site brasileiro do jornal El País, também é apresentada outra distorção marcante do nosso sistema político, apenas 36 deputados de um total de 513 receberam votos suficientes para se eleger sem ajuda dos demais candidatos do partido. Tiririca, por exemplo, recebeu votos suficientes para eleger, além dele, mais cinco candidatos. Deste modo, estamos votando em um candidato, mas, na verdade, podemos ajudar a eleger outro que não gostamos ou, pelo menos, não conhecemos. O link abaixo apresenta a reportagem completa do El País.

http://brasil.elpais.com/brasil/2016/04/19/politica/1461023531_819960.html

Temos um grande problema, porque se o sistema político atual favorece a esmagadora maioria dos políticos eleitos espalhados pelo Brasil, de onde surgirá a motivação para alterá-lo?

O Procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da força tarefa do Ministério Público Federal na Lava Jato deu uma esclarecedora entrevista para o site brasileiro da BBC no dia 15 de abril. Dallagnol afirmou:

A única proteção que nós temos é a sociedade, eu não tenho dúvida que, de modo ostensivo ou de modo sorrateiro, diversas pessoas com poder econômico e político tentarão derrubar a Lava Jato. Somos alvo daqueles que são investigados, e o número de investigados cresce a cada dia.

Eu temo com certeza esse tipo de mudança. Porque ainda que exista alguma mudança na chefia do poder Executivo – e cumpre lembrar que o Ministério Público é neutro em relação a qualquer coisa relacionada ao impeachment, porque somos um órgão independente do governo – mude ou não o governo, nós continuaremos tendo muitos inimigos no poder, porque grande parte das pessoas que estão no Congresso e que potencialmente venham a assumir inclusive o poder Executivo são investigadas pela Lava Jato.

http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/04/160413_entrevista_dallagnol_rm

deltan_dallagnol_mpf_reuters

Deltan Dallagnol (Fonte Reuters)

 

Num país sem memória, temos a impressão que sempre estamos vivendo o pior momento da nossa história. Agora o PT representa um processo de corrupção inédito, “nunca antes visto na história do Brasil”…

Este vídeo tem o depoimento do jornalista Fernando Rodrigues (ex-Folha de São Paulo) para o documentário “O Mercado de Notícias” de Jorge Furtado. Vale a pena assistir a todo o depoimento. Se você tiver apenas 15 minutos, veja a parte “Imprensa x Governo” (a partir de 35:50) e tire suas próprias conclusões.

As semelhanças entre a compra de votos para a aprovação da emenda da reeleição de FHC e o Mensalão de Lula são evidentes.

E este grampo do FHC? Sem dúvida, um presidente não deveria pressionar o fundo de pensão de uma estatal, como o Previ do Banco do Brasil, para entrar em uma concorrência com um banco privado e uma multinacional italiana para privatização da Telebrás. Se quiser mais detalhes, incluindo a conversa comprometedora entre o presidente FHC e o economista André Lara Resende, clique no link abaixo.

http://www1.folha.uol.com.br/folha/circulo/pre_sp_3.htm

fhc_grampo

FHC teve uma conversa com André Lara Resende grampeada

Por incrível que pareça, nada foi investigado naquela época, porque o então Procurador Geral da República, Geraldo Brindeiro, não encontrou indícios suficientes para investigar estes casos. FHC escolheu Brindeiro em 1995 e o conduziu mais três vezes ao cargo. Ou seja, Brindeiro foi o Procurador Geral da República durante os dois mandatos de FHC. Ele foi apelidado de “Engavetador Geral da República” depois de aceitar apenas 60 denúncias de 626 inquéritos criminais que recebeu em oito anos de trabalho. Mais de duas centenas de inquéritos foram simplesmente engavetadas! Em sua última recondução, em 2001, Brindeiro foi apenas o sétimo mais votado pelos demais procuradores da República, recebendo 67 votos. Ou seja, apesar de não fazer parte da lista tríplice, ele foi o escolhido por FHC. Lula e Dilma, por outro lado, sempre conduziram o primeiro nome da lista tríplice, incluindo Roberto Gurgel (peça-chave no avanço do processo do Mensalão) e Rodrigo Janot (fundamental nas investigações de réus com foro privilegiado na Lava Jato).

geraldo_brindeiro

Geraldo Brindeiro (Fonte: O Globo)

Poderia contar outras histórias, como as denúncias de Paulo Francis sobre corrupção na Petrobrás durante o governo FHC, mas acredito que já é suficiente para demonstrar que a corrupção brasileira não é filha de um partido. O sistema político do país estimula a corrupção. Como cidadãos, devemos exigir que as apurações dos malfeitos de nossas autoridades sejam aprofundadas e os seus responsáveis punidos.

Minha esperança é que, após o impeachment de Dilma, a população não se acomode e aceite um “acordão” para restringir a Lava Jato com a justificativa que o país não pode ficar paralisado por mais tempo devido a estas investigações. Se perdermos agora a oportunidade de melhorar nossas práticas políticas, sabe-se lá quando teremos uma nova chance…

 

Deixe um comentário

Arquivado em Ética, Geral, História, linkedin, Política, Psicologia