Putin e a Crimeia – Como o que Começa Pequeno Pode Tornar-se Insolúvel

Ontem iniciou mais uma semana de testes na fria Saskatoon no Canadá. No café da manhã, conduzi a conversa com dois colegas da Polônia para a questão Putin e a Crimeia. Para nós brasileiros, esta questão pode parecer distante e sem importância, mas para os poloneses, que são vizinhos da Ucrânia, a coisa é bem mais séria.

Farei a seguir uma pequena retrospectiva para aqueles não estão acompanhando o caso. No final de 2013, o então presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovytch, decidiu aproximar o país da Rússia ao invés de efetivar um acordo com a União Europeia. Este ato foi o estopim para os protestos populares que iniciaram pacíficos, mas tornaram-se violentos em fevereiro de 2014. Apenas os confrontos entre os dias 18 e 20 desse mês deixaram 98 mortos e milhares de feridos na capital Kiev. Logo após, Viktor Yanukovytch foi destituído da presidência e eleições foram convocadas para o mês de maio. Dias depois, a Crimeia, uma região autônoma da Ucrânia, divulgou sua intenção de desligar-se do país e anexar-se à Rússia. Vladimir Putin mandou exércitos para a região sob o pretexto de garantir a segurança da população de origem russa (cerca de 60% do total). Um plebiscito foi realizado neste final de semana com vitória esmagadora da proposta de anexação à Rússia e ontem Putin reconheceu o resultado.

Viktor Yanukovytch e Vladimir Putin

Viktor Yanukovytch e Vladimir Putin

A crítica mais contundente até agora foi feita pela senadora e candidata à presidência dos Estados Unidos, Hillary Clinton. Ela comparou, segundo o “The Washington Post”, a atitude de Putin à de Adolf Hitler nos anos 30, ao invadir regiões da Tchecoslováquia e Romênia sob a justificativa de garantir os direitos dos cidadãos de origem alemã.

Placa em manifestação mostra Putin como Hitler

Placa em manifestação mostra Putin como Hitler

A questão é complexa, porque, por um lado, a União Europeia não pode aceitar este tipo de interferência da Rússia nos países vizinhos, mas, por outro lado, deve-se considerar a dependência da Europa em relação ao gás natural russo, as enormes reservas de petróleo do país e, principalmente, seu enorme poderio bélico herdado dos tempos da extinta União Soviética.

Perguntei para meus colegas poloneses se existe outra região da Europa Oriental, onde a população de origem russa seja a maioria. A resposta foi preocupante. Eles não sabiam, mas, no período de 1945 a 1989, houve muita movimentação dentro daquela zona e pode existir alguma região estratégica na mesma situação da Crimeia. Deste modo, o caso pode ser definido da seguinte forma. Hoje a anexação da Crimeia pela Rússia pode não ser uma grande agressão aos direitos de autodeterminação dos povos, mas é um importante precedente. Ontem foi a Chechênia; hoje, a Crimeia. Se ninguém fizer nada, amanhã será o quê?

Ucrânia com a península da Crimeia em verde

Ucrânia com a península da Crimeia em verde

Não estou pedindo sansões terríveis contra a Rússia, porque provavelmente o povo pobre deste país será o mais atingido. No final, Putin poderia até sair fortalecido com este tipo de procedimento. Por outro lado, se tudo ficar como está, pode ser a senha para um próximo passo. Putin já fez várias – mandou prender políticos da oposição, as cantoras do Pussy Riot e ativistas do Green Peace. Poucas autoridades de outros países falaram contra. Durante a invasão de um teatro por terroristas chechenos, em Moscou, causou a morte de pelo menos 129 reféns devido à colocação de um gás tóxico desconhecido no sistema de ventilação do prédio. Ninguém se levantou contra o uso de armas químicas em civis. Vetou qualquer resolução mais forte da ONU contra o regime de seu aliado Bashar al-Assad na Síria, alegando o direito de autodeterminação dos povos. Todos terminaram engolindo a posição de Putin. Agora é a Crimeia…

Bashar al-Assad e Vladimir Putin

Bashar al-Assad e Vladimir Putin

As grandes maldades geralmente começam por pequenas maldades. Isto vale também para nosso dia a dia. Aceitamos que os outros façam coisas erradas, cometemos pequenos delitos, não acontece nada, fazemos maiores. Se não tem blitz da “Lei Seca”, então está liberado dirigir depois de beber todas. Tapamos os olhos para os problemas que temos dentro de nossas casas, até que num dia eles se tornam grandes o suficiente para parecerem insolúveis, verdadeiros “Putins”. Nessa hora, perguntamos para nós mesmos:

– Como a situação chegou neste ponto? O que fizemos de errado?

A resposta é simples, agimos como avestruzes, fizemos de conta que o problema não era com a gente e o que antes seria uma simples correção de rumo, pode se tornar uma tragédia. Pode ser tarde…

dúvidas

Anúncios

5 Comentários

Arquivado em Ética, Economia, História, linkedin, Política, Psicologia

5 Respostas para “Putin e a Crimeia – Como o que Começa Pequeno Pode Tornar-se Insolúvel

  1. GERLON OLIVEIRA

    O tempo passa e sua advertência faz mais e mais sentido. Um abraço. Gerlon

    Curtir

  2. Pingback: Post 200 – Retrospectiva | World Observer by Claudia & Vicente

  3. Muito bom Vicente, belo esclarecimento e a critica muito apropriada para os dias de hoje. devemos ser mais críticos com nossas ações e exemplos. Forte abraço!! Sandro Giroldo – SP

    Curtir

    • Sandro, grato pelo comentário e elogio!

      A omissão e a passividade são grandes problemas da humanidade. Há um tempo escrevi um post aqui neste blog, no qual comentava o Teste de Milgram, onde uma pessoa dava choques elétricos em outra. Tudo começava com “apenas” 15 Volts e terminava com 450 Volts! A maioria foi até o final, ou seja, deu um choque de 450 Volts só porque alguém assumiu a responsabilidade. Phil Zimbardo diz uma frase sobre este experimento marcante:

      – Não esqueçam que todo o mal começa com apenas 15 Volts…

      Nossa obrigação é não aceitar pequenas transgressões, só porque são pequenas. Um dia elas crescem e perdemos o controle.

      Grande abraço.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s