Arquivo do mês: dezembro 2009

A Caça aos Culpados

Um processo praticado em muitas empresas é a chamada caça aos culpados, quando alguma coisa sai diferente do planejado. Nestes casos, temos uma nova máxima:

– Errar é humano. Perdoar não é a política da companhia.

Nestas empresas, ser escalado para fazer parte do time de um projeto normalmente é visto como um fardo pesado, porque os resultados sempre ficam muito aquém do prometido. E como sempre a diretoria pede um nome para imolar, lá vai nosso bode expiatório…

Abaixo está apresentada a clássica figura das seis etapas de um projeto.

Fases-Projetos

Segundo o Estudo de Benchmarking em Gerenciamento de Projetos no Brasil em 2008 do PMI, 62% dos projetos não cumprem os prazos estabelecidos. As principais causas para os atrasos encontradas neste estudo estão listadas abaixo:

– indefinições ou mudanças no escopo;
– problemas de comunicação;
– má avaliação dos riscos;
– recursos humanos insuficientes;
– concorrência entre o dia-a-dia e o projeto.

Normalmente o problema não está materializado em uma única pessoa, mas sim no processo de execução dos projetos da empresa. Algumas das principais características destas empresas estão apresentadas abaixo:

– mudanças frequentes de prioridades;
– descrédito no planejamento;
– informalidade excessiva;
– indefinição das responsabilidades;
– falta de comprometimento e postura reativa dos funcionários;
– visão de curto prazo, centrada apenas no resultado do mês;
– falta de abertura para discussão;
– elevado turnover (rotatividade de funcionários).

foi_ele

O importante é achar um culpado…

Para quebrar este círculo vicioso, a mudança deve começar pela alta administração. Ela deve se dar conta do que está ocorrendo e investir em treinamento e na melhoria do clima organizacional. Este não é um processo rápido, exige muita disciplina. Pode demorar algum tempo para a colheita dos primeiros frutos, mas uma base sólida para a obtenção de resultados sustentáveis será construída a partir deste ponto.

Anúncios

11 Comentários

Arquivado em Gerenciamento de Projetos, Gestão de Pessoas, linkedin

Perfume de Mulher – Atuação Inesquecível de Al Pacino

Na quinta-feira passada, estava cansado e decidi dormir mais cedo. Então dei a última repassada nos canais da televisão antes de desligá-la, quando encontrei o filme “Perfume de Mulher”. Já havia assistido ao filme algumas vezes, mas não resisti, porque faltava pouco para a célebre cena do tango.

Para os que não viram o filme, farei um rápido resumo. Frank Slade (Al Pacino) é um ex-tenente-coronel do exército americano cego que leva o jovem estudante Charlie Simms (Chris O Donnell) para um final de semana em New York.

Frank planeja um final de semana em que visitará sua família no dia de Ação de Graças e, na sequência, desfrutará dos prazeres da vida. Por fim planejou cometer suicídio. Charlie, por outro lado, está vivendo um dilema. Ele viu alguns colegas jogarem tinta no carro e no próprio diretor do conservador colégio Baird. Agora ele participará de um tribunal interno, onde ou entrega os colegas e ganha uma bolsa de estudos para Harvard ou corre o risco de ser expulso da escola.

O filme acompanha os dois durante o fim de semana, quando passam por uma série de situações emocionantes. Dentre estas situações, existe uma cena antológica, quando Frank Slade dança o tango “Por una Cabeza”, com uma mulher que ele encontra em um restaurante fino. Assista à cena.

Destaque para a magistral atuação de Al Pacino que lhe deu o Oscar de Melhor Ator em 1992.

Este é um daqueles DVD’s que devemos ter na nossa estante para vermos uma vez, duas vezes, três vezes…

Deixe um comentário

Arquivado em Cinema, Lazer

Os Projetos são Apenas Meios para Atingir os Objetivos Estratégicos

No sábado passado, estive em Caxias do Sul no IV Ciclo de Palestras em Gestão de Projetos da Serra Gaúcha promovido pelo PMI-RS. Na ocasião, apresentei a palestra “Atingindo Objetivos Estratégicos com a Gestão de Projetos”.

O interesse na área de gestão de projetos tem crescido exponencialmente nos últimos tempos. Todas as empresas querem atingir melhores resultados nos seus projetos. O não-cumprimento nos prazos e orçamentos torna-se um pecado cada vez mais mortal no mundo dos negócios.

Preferi enfatizar, na minha apresentação, que o momento da escolha dos projetos é fundamental para a sustentabilidade da empresa. Tudo deveria se originar no Planejamento Estratégico. A definição básica se refere aos valores, à missão e à visão da empresa.

 

Os valores são as balizas éticas e morais da empresa. São seus princípios e todos os funcionários devem segui-los.

A missão é o propósito da empresa. Apresenta claramente os produtos ou serviços entregues ao mercado, clientes-alvos, diferenciais competitivos e cobertura geográfica. A missão nos dá o foco.

A visão nos diz onde a empresa deseja chegar no futuro. A visão é a “bússola”.

Com base na missão e na visão, a empresa deve definir qual é o seu posicionamento no mercado. Deve entender o ambiente em que está inserida, considerando aspectos como mercado alvo, concorrência, estratégias de marketing e canais de vendas.

Com base nestas definições são elaborados os objetivos estratégicos da empresa para os próximos anos. Quatro áreas devem ser cobertas com metas mensuráveis:

– financeira;
– clientes;
– processos internos;
– aprendizado e crescimento.

Na sequência, os objetivos são desdobrados em estratégias. Se o objetivo financeiro for aumentar em 15% o faturamento líquido da empresa, poderemos ter as seguintes estratégias:

– aumentar o faturamento dos clientes atuais em 5%;
– se tornar o líder no mercado do interior de São Paulo;
– aumentar em 20% o número de novos clientes.

As estratégias ainda não nos dizem “como fazer”, e sim “o que fazer”. O plano de ações está relacionado às estratégias e estas, sim, explicam “como fazer”. No exemplo acima, para se tornar líder no mercado do interior de São Paulo, poderia haver o seguinte plano de ações:

– aumentar em 30% a capacidade da planta de Campinas;
– participar das feiras regionais;
– implantar sistema de telemarketing ativo;
– colocar representante novo para atender o oeste paulista.

Este é o momento em que os projetos estratégicos da empresa deveriam nascer…

Deixe um comentário

Arquivado em Gerenciamento de Projetos, linkedin

Grêmio: Entrega ou Não Entrega?

Há alguns anos deixei de, imediatamente, tomar partido de um lado ou de outro nas discussões sobre política e passei a tentar entender as motivações dos dois lados. Estendi este procedimento para outras áreas e, sinceramente, isto me ajudou a entender mais as pessoas e, principalmente, os gaúchos.

Eu estaria exagerando se dissesse que a população do Rio Grande do Sul é uma das mais radicais do mundo, porque hoje não chegamos ao ponto de desejar a morte do outro lado como acontece no Oriente Médio. Por outro lado, ao assumir uma posição, é quase impossível a mudança. A pessoa é malvista e rotulada como vira-casaca. Nós gaúchos formamos sempre dois polos. Na política já tivemos várias fases:

– imperiais x farrapos;
– pica-paus (aliados do Júlio de Castilhos) x maragatos;
– chimangos (aliados de Borges de Medeiros) x maragatos;
– brizolistas x antibrizolistas;
– ARENA x MDB;
– PDS x PMDB;
– petistas x antipetistas.

Cavalaria Farroupilha

A situação chega ao ponto de se desejar o mal para o estado para prejudicar o lado adversário. A irracionalidade é muito forte. CPIs com justificativas semelhantes são elogiadas na esfera estadual e criticadas no âmbito federal, mostrando uma completa falta de coerência. É como diz o provérbio popular “a paixão cega a razão”.

No futebol, não poderia ser diferente. O estado se divide em colorados e gremistas. Existem claras diferenças ideológicas entre os dois lados. Para os colorados, é fundamental ter um time que jogue bem, com qualidade técnica e bom toque de bola. A vitória deve ser o resultado da prática do futebol mais bem jogado. Para os tricolores, o mais importante é a raça. A vitória é consequência da superação dos limites da equipe, algo heroico.

Da mesma forma, como acontece em outras áreas, boa parte dos tricolores são anticolorados e boa parte dos torcedores do Inter são antigremistas.

Rivalidade Gre-Nal

Esperei quase uma semana para escrever sobre a rodada final do Brasileirão deste ano. O Inter, para ser campeão brasileiro, deve vencer seu jogo e esperar a ajuda do seu maior rival no jogo contra o Flamengo no Rio de Janeiro.

Ouvi coisas incríveis durante esta semana. Por exemplo, a culpa desta situação é da fórmula do campeonato por pontos corridos. Outra pérola é a colocação no mesmo nível do ato de “secar” o rival e a facilitação do jogo para o Flamengo. Outra sensacional é a colocação de que a direção tricolor não vai pedir para os jogadores “entregarem” o jogo, mas vai descaracterizar a equipe com a retirada de vários titulares. Assim o time formado por jogadores mais fracos perderia a partida sem fazer “corpo-mole”. Isto me lembra a página mais lamentável da história do Rio Grande do Sul, o episódio do massacre dos negros em Porongos. No final da Revolução Farroupilha, os termos da rendição não admitiam a manutenção dos negros livres que lutaram ao lado dos farrapos. A solução foi desarmá-los e combinar um ataque noturno dos imperiais ao acampamento dos lanceiros negros. Como os soldados negros desarmados poderiam resistir ao ataque do exército imperial? Como o Grêmio pode resistir ao ataque do Flamengo com um time “desarmado” cheio de reservas?

 Voltamos à velha questão do dilema ético, já abordada com mais detalhe no post sobre Nelsinho Piquet. As consequências para o Grêmio, dependendo do que ocorrer no domingo, podem ser imprevisíveis. A história centenária do tricolor gaúcho pode ficar manchada e o Grêmio perderá a maior oportunidade de demonstrar toda a sua grandeza.

Sou colorado e alguns leitores podem dizer que estou legislando em causa própria. O ex-deputado Marcos Rolim, defensor dos direitos humanos e gremista de nascença, pensa parecido. Vocês podem conferir o seu artigo.

http://rolim.com.br/2006/index.php?option=com_content&task=view&id=739&Itemid=3

No domingo à noite, saberemos o que aconteceu…

2 Comentários

Arquivado em Ética, Esporte, Inter