Arquivo do mês: outubro 2014

São Paulo “Atacama” – As Medidas que Evitariam a Crise de Abastecimento de Água

Há um mês escrevi um artigo sobre a situação crítica dos reservatórios de água em São Paulo e a falta de medidas efetivas do governo do estado. Hoje gostaria de comentar as possíveis alternativas técnicas que reduziriam o consumo de água nas residências, escolas, hospitais e empresas.

Começo revisando a tabela que apresentei no mês passado. Como pode ser visto na tabela abaixo, o Sistema Cantareira continua seguindo fielmente a tendência e deve ter a sua primeira reserva consumida integralmente em três semanas, o que está alinhado com a declaração feita na semana passada pela presidente da SABESP, que ironicamente também se chama Dilma. Ela disse que a primeira reserva do Cantareira seria totalmente consumida em meados de novembro, mas o governador Geraldo Alckmin desmentiu a informação e anunciou mais um bônus na conta de água. Uma medida inócua para a gravidade da situação.

Seca_SP_Tabela_21-10-14

O segundo “volume morto” do Sistema Cantareira será consumido em pouco mais de dois meses, se as chuvas não ajudarem. Ou seja, esta reserva terminaria na segunda quinzena de janeiro. A reserva do Sistema Alto Tietê seria consumida até o final de 2014. Também preocupa, nesta nova tabela, a aceleração do consumo nos sistemas Rio Claro e Guarapiranga que seriam totalmente consumidos, respectivamente, até meados de janeiro e final de fevereiro. Ou seja, a situação é gravíssima e, se as chuvas não forem abundantes neste verão, entraremos no período de estiagem com a maioria dos reservatórios vazios.

Independente das chuvas, uma série de medidas deveriam ser implantadas. A primeira e mais óbvia é combater os vazamentos e ligações ilegais. É também inevitável racionar água e, infelizmente, cortar a água para irrigação. Após a seca no verão passado, o governo do estado, com auxílio dos bancos estatais, poderia ter aberto uma linha de financiamento de longo prazo para substituir os sistemas tradicionais de irrigação por sistemas de gotejamento (muito mais eficientes). Agora teremos quebra de safra, especialmente dos hortifrutigranjeiros, com redução da oferta e aumento dos preços.

A captação da água da chuva é outra medida que ajudaria muito. Bastaria encaminhar a água dos terraços e telhados para tanques e cisternas. Esta água seria usada para regar gramados, hortas e jardins ou lavar calçadas. Com ou pequeno tratamento, também poderia ser usada na descarga dos vasos sanitários. Para ter uma ideia do volume de água potável que poderia ser economizado, siga meu raciocínio. A intensidade da chuva é medida em milímetros, onde um milímetro é equivalente a um litro por m². Considere uma casa que ocupe 100 m² de um terreno. Se em um mês de estiagem chovesse apenas 50 mm, esta casa captaria 5 mil litros de água da chuva. Esta é uma medida relativamente simples e poderia ter sido incentivada pelo governo estadual.

como-diminuir-o-consumo-de-agua

Outra forma de economizar água potável é não usá-la na descarga dos vasos sanitários e mictórios. As águas que sobram de atividades domésticas como tomar banho, lavar louça ou roupas são conhecidas como água cinza. Normalmente apresentam baixa contaminação com microrganismos patogênicos e podem ser tratadas, cloradas e usadas nas descargas de vasos.

Alguns efluentes industriais tratados também podem ser usados para irrigação.

Além destas ideias existem milhares de outras. Assista ao vídeo abaixo, onde a universidade peruana UTEC criou um gerador de água potável a partir da umidade do ar e instalou o equipamento em um outdoor na periferia da capital Lima. A produção mensal foi de aproximadamente 3 mil litros por mês e abasteceu uma comunidade carente.

Talvez você possa pensar que agora é tarde demais para implantar projetos e medidas como as listadas acima. Na verdade, nunca é tarde para fazer a coisa certa. Se as medidas que listei neste artigo forem implantadas, seremos muito mais sustentáveis e será possível acelerar a recuperação dos mananciais hídricos do estado, quando as chuvas voltarem. Normalmente as crises são oportunidades para melhorarmos, mas se ficamos inertes, confiando apenas na sorte, o perigo pode crescer ao ponto de inviabilizar nossas atividades ou até mesmo o poderoso estado de São Paulo.

Palavra-CRISE-em-chines

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Gerenciamento de Projetos, Inovação, linkedin, Meio Ambiente, Política, Tecnologia