Arquivo da categoria: Tecnologia

Os Veganos e os Orgânicos

O veganismo não é somente um tipo de dieta, é muito mais do que isto. Na verdade, ser vegano é optar por uma filosofia de vida, onde qualquer sofrimento animal é intolerável.

Começo por uma definição sobre veganismo divulgada pela The Vegan Society em 1979:

“Uma filosofia e modo de vida que procura excluir – na medida do possível e praticável – todas as formas de exploração e crueldade de animais para alimentação, vestuário ou qualquer outro propósito e, por extensão, promove o desenvolvimento e uso de alternativas livres de animais em benefício dos seres humanos, dos animais e do meio ambiente. Em termos alimentares, denota a prática de dispensar todos os produtos derivados total ou parcialmente de animais.”

Deste modo, um vegano não se alimenta com produtos de origem animal como carne, leite, ovos, mel e todos os seus derivados. Não usa roupas de couro, seda ou lã. Não usa cosméticos ou produtos de limpeza testados em animais. Também não aprova diversões como zoológicos, aquários, rodeios e shows com animais.

go-veganNo que se refere à alimentação, o vegano só consome plantas e seus derivados, sua dieta é estritamente vegetariana. Como sabemos, atualmente, a agricultura comercial emprega fertilizantes químicos para garantir a fertilidade do solo; herbicidas, para reduzir a concorrência de outras espécies vegetais por água e nutrientes do solo; e pesticidas, para que insetos não se alimentem de partes das plantas, reduzindo a produtividade da lavoura.

A agricultura orgânica supre as necessidades de nutrientes do solo com resíduos de animais e vegetais. Deste modo, não são adicionadas novas quantidades de nitrogênio (extraído do ar e transformado em amônia através da síntese de Haber-Bosch) e fósforo (extraído através de mineração) aos ciclos destes nutrientes. Para obter mais detalhes, leia o artigo Temos Tempo para Discutir o Aquecimento Global?, e você verá que existem outros problemas ambientais tão importantes quanto o aquecimento global – o desequilíbrio dos ciclos de nitrogênio e fósforo é um dos mais graves. Outra motivação para o consumo de produtos orgânicos é o não uso de herbicidas e pesticidas, o que é benéfico para quem se alimenta dos vegetais e para a natureza em geral.

podutos-organicos-certificados

Neste ponto, um vegano chegaria a um dilema – as frutas, grãos e verduras orgânicas não são provavelmente veganas, porque geralmente usam dejetos de criação de animais como fertilizante. Vocês poderão concluir que, pelo menos, os dejetos provêm de animais criados de forma orgânica, sem confinamento, mas esta prática é apenas uma recomendação. De acordo com a norma que rege à agricultura orgânica, os agricultores de locais sem disponibilidade de dejetos oriundos de produção orgânica poderão usar dejetos de produção convencional, sem que seu produto deixe de ser rotulado como orgânico. Estrume de vacas confinadas e camas de frango de aviários são exemplos de fertilizantes permitidos nestas circunstâncias.

As camas de frango são misturas de serragem colocadas no piso de aviários para receber os excrementos das aves. São gerados entre 1,0 e 1,5 kg de cama de frango por ave. Se considerarmos que em 2016 foram abatidos aproximadamente 6 bilhões de frangos no Brasil, houve geração entre 6 e 9 milhões de toneladas de cama de frango.

cama-de-frango

Aviário comercial com cama de frango.

Atualmente cerca de 80% do total dos antibióticos produzidos no mundo são consumidos por animais que servirão como alimento para humanos. Os frangos possuem aparelho digestivo curto e uma quantidade significativa do medicamento não é absorvida por seus intestinos. Deste modo, suas fezes contaminadas com antibióticos são incorporadas às camas de frangos.

O tratamento normalmente empregado para a estabilização deste resíduo é a compostagem em grandes pilhas, onde os microrganismos presentes na cama degradam parte da matéria orgânica, elevando a temperatura acima de 70°C. As pilhas são periodicamente revolvidas e, depois de alguns dias, os microrganismos patogênicos são inativados. As especificações exigidas na regulamentação dos produtos orgânicos com relação ao patógenos são atendidas. Por outro lado, as moléculas dos antibióticos são apenas parcialmente degradadas e não existe restrição, quanto as concentrações máximas permitidas para o uso como fertilizante orgânico.

Quando esta cama de frango estabilizada é utilizada como fertilizante no solo, os efeitos são imprevisíveis, resultando, por exemplo, na degradação parcial das moléculas dos antibióticos com a geração de moléculas mais tóxicas, na absorção parcial pelas plantas, na contaminação de águas superficiais e lençol freático, além da seleção de superbactérias patogênicas.

Então um vegano poderia chegar à conclusão que talvez seja melhor comprar produtos agrícolas oriundos de adubação química. Assista ao vídeo abaixo e depois discutiremos alternativas.

Existe a possibilidade de usar adubação 100% vegetal, estabilizada através de compostagem. A Embrapa Agrobiologia, localizada no estado do Rio de Janeiro, desenvolveu compostos totalmente vegetais a partir da compostagem de mistura de torta-de-mamona com bagaço de cana-de-açúcar ou palhada de capim-elefante com excelente desempenho e isento de contaminantes biológicos ou químicos.

Assim os vegetarianos em geral e especificamente os veganos (além dos onívoros que consomem orgânicos) deveriam buscar informação sobre a forma de fertilização do solo onde seus orgânicos foram produzidos. Alimentos produzidos com resíduos da pecuária comercial não deveriam ser certificados como orgânicos. Admitir o uso de cama de frango na agricultura auxilia na redução dos custos da avicultura comercial que promove exploração e maus-tratos em animais, polui o meio ambiente e compromete a saúde dos humanos.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Animais, Ética, Economia, Geral, linkedin, Meio Ambiente, Nutrição, Saúde, Tecnologia

A Empatia e os Julgamentos – o Caso Bruna Sena

As redes sociais tornaram públicas opiniões que antes só eram expressas no âmbito privado. Duvido que um décimo do que é escrito no Facebook ou Twitter seria dito cara a cara para o alvo das manifestações – ofensas gratuitas, palavrões, acusações levianas, distorções…

No mundo corporativo, não existe treinamento na área de desenvolvimento humano que não fale de empatia. Os americanos usam uma frase que resume o significado desta palavra:

– Put yourself in others’ shoes.

Poderíamos traduzir livremente a frase como “coloque-se no lugar de outra pessoa”. Ou seja, veja, escute, pense e sinta como o outro. Ou como li em um artigo de Elaine Brum no site do El país recentemente, “vestir a pele do outro”.

A maioria das pessoas não consegue mais escutar ativamente os outros para tentar entender as lógicas e motivações que fundamentam seus raciocínios. Muitas vezes, a fala é interrompida com um contra-argumento ou, quando isto não acontece, já se começa a pensar na resposta enquanto o outro ainda está falando.

Se escutar ativamente é difícil, imagina ler ativamente. Quem lê uma coluna de jornal de um comentarista com posição política contrária à sua?

No início de fevereiro, a notícia de que uma jovem de 17 anos, negra e pobre, que cursou escola pública durante toda a sua vida, foi a primeira colocada no vestibular da USP de Ribeirão Preto teve muita repercussão nas redes. Infelizmente o que mais se discutiu não foi a incrível história de superação de Bruna Sena, filha de uma operadora de caixa de supermercado com salário mensal de R$ 1.400,00, mas uma frase que ela postou na sua conta do Twitter.

“A casa-grande surta quando a senzala vira médica”.

Dentro de diversas bolhas das redes sociais, Bruna foi duramente criticada por homens e mulheres brancos que provavelmente nunca sentiram as dificuldades que ela e sua mãe passam.

bruna-sena_folha

Aposto que a maioria das pessoas não seguiu a leitura da matéria da Folha de São Paulo, pois a frase foi colocada “convenientemente” no primeiro parágrafo. Não leram o pedido da mãe com medo que sua filha seja discriminada na universidade.

“Por favor, coloque no jornal que tenho medo dos racistas. Ela vai ser o 1% negro e pobre no meio dos brancos e ricos da faculdade.”

Quem teve empatia por Bruna e sua mãe? Quem ao menos tentou imaginar todas as dificuldades de uma mãe pobre, abandonada pelo marido, de criar uma menina, tentando proporcionar as maiores oportunidades possíveis? Quem tentou sentir o que uma negra pobre passa em um país como o Brasil? Quem tentou sentir a emoção de jovem de 17 anos, com muito menos condições de competir com jovens que estudaram nos melhores colégios particulares do país, ao descobrir que foi a primeira colocada no vestibular de medicina da USP?

Como podem minimizar toda a luta e os medos desta família a um simples “mimimi”? Faltou empatia! Como as pessoas podem julgar uma menina de 17 anos com tamanha dureza? Faltou empatia!

Bruna, vou tentar te tranquilizar. Você será muito bem recebida pela esmagadora maioria de teus colegas de medicina. Mais tarde, se você for competente, verá que, como o número de médicas negras é muito pequeno, muitos hospitais desejarão contratá-la. Aproveitando tua frase, a casa grande não vai surtar, vai te querer, porque, deste modo, o sistema é legitimado. As grandes empresas precisam de mulheres e negros em gerências e diretorias para mostrarem que não são sexistas nem racistas. Ainda temos um longo caminho pela frente…

Deixe um comentário

Arquivado em Ética, Educação, Geral, Gestão de Pessoas, linkedin, Psicologia, Tecnologia

O Princípio de Le Chatelier e as Soluções Tampão – A Dificuldade de Deslocar o Equilíbrio

Este é o quarto e, por enquanto, último artigo da viciante série sobre a físico-química e o comportamento humano. Se você não gosta ou não entende química, no final da sua leitura, você entenderá o Princípio de Le Chatelier e seu paralelo com as relações humanas. Como nos artigos anteriores, procurarei não complicar os conceitos da química.

O Princípio de Le Chatelier afirma que o equilíbrio químico de um sistema é deslocado, quando suas condições (temperatura, pressão ou concentrações dos reagentes ou produtos) são alteradas.Reaction_equilibriumOu seja, se adicionarmos mais reagentes, o equilíbrio será deslocado para o lado dos produtos e, quanto mais reagentes forem adicionados, mais “violenta” será a guinada para este lado. Se adicionarmos mais produtos, acontecerá o contrário, o equilíbrio se deslocará para o lado dos reagentes. Se a reação direta precisa de energia para acontecer, se aumentarmos a temperatura, esta reação será favorecida e o equilíbrio se deslocará para o lado dos produtos.

Uma pessoa pode não ir a festas (ou baladas, como você preferir) pelos mais variados motivos: falta de dinheiro, compromisso com parceiro amoroso, restrição religiosa ou proibição dos pais, entre outras razões. Se for removida a restrição que neutraliza a vontade, a pessoa pode iniciar uma temporada de festas, onde trabalho ou estudo ficam em plano secundário. Isto é muito comum com jovens que passam a receber bons salários ou pessoas, que se casaram muito cedo, quando se separam. Jogadores de futebol de alto potencial com dezoito ou vinte e poucos anos de idade costumam passar por este processo. Depois de passar por dificuldades e apertos durante a infância e adolescência, passam a ganhar mais dinheiro que jamais sonharam e fica fácil cair nesta armadilha.

Na química, a acidez de um líquido é medida através do pH. Para segurar as mudanças de pH de um meio são usadas as chamadas “soluções tampão” (não tem nada a ver com soluções provisórias). Em inglês, usa-se a palavra buffer que significa amortecedor. Ou seja, estas soluções amortecem as mudanças de pH de um sistema.

buffer_pH

Gráfico sobre o efeito de soluções tampão

Como você pode notar no gráfico acima, o pH cresce pouco apesar da adição da solução alcalina (por exemplo soda cáustica) devido à presença de um agente tamponador. Neste caso, poderia ser o ácido acético (principal componente do vinagre). Num determinado ponto, o agente tamponador não consegue mais segurar o pH e seu aumento é imediato.

A definição de equilíbrio que uso neste artigo é diferente da empregada cotidianamente, equilíbrio é uma situação de estabilidade, onde a composição do meio não muda. Ou seja, não é algo necessariamente bom no âmbito humano, pois pode significar, por exemplo, estagnação ou uma situação desfavorável mantida por comodismo ou medo de tentar algo melhor.

Nas nossas vidas, também podemos ter uma série de “amortecedores”, por exemplo, nossos valores, nossas famílias ou nossos credos. Se a frase “cada um tem seu preço” for realmente verdade, deduzimos que as pessoas não tomam certas atitudes até que se atinja um certo “preço”. Quando ouvimos esta frase, a ligamos imediatamente à corrupção. Neste caso, além dos valores pessoais, a certeza da punição seria um excelente amortecedor para não sair da linha.

Por outro lado, o “preço” pode ser, por exemplo, o ponto em que a violência doméstica deixa de ser suportada por uma mulher. Neste ponto, a relação é rompida e, muitas vezes, o agressor é denunciado em alguma delegacia da mulher.

Também podemos fazer este tipo de analogia no campo social. Aqui no Brasil, vivemos uma quase contínua apatia, normalmente o amortecimento é enorme. Estamos sempre à espera que os governos resolvam nossos problemas. Em junho de 2013, o Brasil foi sacudido por uma enorme onda de protestos e o equilíbrio foi rompido. Os políticos sentiram-se ameaçados e aprovaram algumas medidas que apoiavam as aspirações populares dos protestos. Depois os protestos esfriaram, a pressão sobre a classe política baixou e, infelizmente, o equilíbrio voltou praticamente para o ponto original pré-protestos. Os políticos retornaram para seu universo paralelo e os anseios da população ficaram em terceiro plano.

Resumindo, todos nós temos alguns “amortecedores” que nos impedem de deslocar o equilíbrio atual estabelecido. Se quisermos crescer pessoal ou profissionalmente, vários “tampões” (ou buffers) deverão ser superados. O melhor sempre é, através de autoanálise, identificarmos para onde queremos deslocar o novo equilíbrio e quais são os “amortecedores” que seguram o deslocamento desejado. A partir deste momento, uma parte fundamental, apesar de muito pequena, foi alcançada, porque botar em prática nossos planos exige muita mais energia e coragem. A zona de conforto (às vezes muito desconfortável) deve ser abandonada para que a transformação ocorra.

homer simpson

Homer Simpson, eternamente na zona de conforto – este é o seu ponto de equilíbrio.

 

3 Comentários

Arquivado em Geral, Gestão de Pessoas, linkedin, Política, Psicologia, Tecnologia

Reações Espontâneas e Energia de Ativação – A Barreira Quase Intransponível Para Ser Feliz

Sabe que gostei deste negócio de misturar físico-química com comportamento humano… Hoje mostrarei que, da mesma forma que uma reação química, não basta ser espontânea para que uma transformação ocorra em nossas vidas, é necessária uma energia para iniciar o processo.

Muitas reações químicas que ocorrem à nossa volta são espontâneas, isto é, uma vez iniciadas prosseguem sem a necessidade de ajuda externa. A combustão da gasolina ou etanol é um exemplo deste tipo de reação. Se houver oxigênio, basta uma faísca para iniciá-la. Se não interferirmos, enquanto houver combustível e oxigênio, a chama não se extinguirá, porque a reação é espontânea.

Para reduzir a energia necessária para iniciar uma reação e aumentar sua velocidade muitas vezes usam-se catalisadores. Veja a figura abaixo.

Energia ativacao

Efeito do catalisador na energia de ativação de uma reação

Neste gráfico, fica claro que a reação catalisada (curva azul) ocorrerá mais facilmente do que a não-catalisada (curva vermelha).

Em nossas vidas, normalmente sabemos o que não está certo e o que deve ser mudado. Por que deixamos como está? Simplesmente, porque para que a mudança ocorra, necessitamos da “maldita” energia de ativação. Este é o motivo que justifica a permanência num emprego desmotivador, a manutenção de um casamento falido ou a dificuldade para assumir a opção sexual.

Para muitas pessoas, a energia para iniciar sua transformação é uma barreira praticamente intransponível. Medo do fracasso, de críticas dos outros, de preconceitos sociais elevam às alturas a demanda de energia de ativação.

gulliver

Gulliver preso pelas finas cordas dos pequenos habitantes de Lilliput. Na verdade, seu medo o manteve preso, não foram as cordas.

Neste momento, podem surgir catalisadores nas nossas vidas. Você está descontente com seu emprego e aparece uma proposta para um novo. Seu casamento vai de mal a pior e surge uma nova paixão. E assim por diante…

O ideal é autocatalisarmos as mudanças. Os catalisadores externos muitas vezes nos levam a armadilhas, porque as decisões são geralmente pouco refletidas. Passa-se anos sem encarar o problema, evitando até pensar nele e, graças a um estímulo externo, decide-se impulsivamente. Sempre é melhor refletir profundamente sobre os motivos das insatisfações para decidir quais serão as nossas ações para atacá-las. Geralmente os problemas, as oportunidades e as soluções já estão dentro de nós mesmos.

 

8 Comentários

Arquivado em Geral, Gestão de Pessoas, linkedin, Psicologia, Tecnologia

As Pessoas Agem de Modo Exotérmico ou Endotérmico

Quando publiquei meu último artigo “A Primeira Lei da Termodinâmica e o Comportamento Humano”, a Claudia me provocou, via Facebook, para “escrever um sobre as pessoas exotérmicas e as endotérmicas”. Desafio aceito!

Quando você terminar a leitura, poderá classificar seus amigos e conhecidos nestas duas categorias. Por outro lado, você se lembrará de situações nas quais foi exotérmico ou endotérmico. Sei que a maioria das pessoas odeia química, mas iniciarei com a explicação sobre a diferença das reações exotérmicas e endotérmicas. Como no artigo anterior, serei mais pé no chão e direto possível. No final, além de entender um pouco mais de química, você poderá dar cantadas incríveis em uma balada como esta:

– Gata, você é muito endotérmica! E eu tenho toda energia que você precisa… 😉

OK, já sei – a piadinha foi muito nerd…

Nas reações exotérmicas, a energia dos produtos da reação será menor do que a dos reagentes. Esta energia é chamada entalpia (símbolo H) e a “sobra” (variação da entalpia ΔH) será liberada no meio, ocasionando aumento da temperatura. A combustão é um exemplo deste tipo de reação. Veja a figura abaixo.

exotermica

Reação exotérmica

Nas reações endotérmicas, ocorre exatamente o contrário. A energia dos produtos da reação será maior do que a dos reagentes. A entalpia (H) que “falta” (DH) será absorvida do meio, ocasionando redução da temperatura. A fotossíntese é um exemplo deste tipo de reação, pois utiliza a energia do sol para acontecer. Veja a figura abaixo.

endotermica

Reação endotérmica

Agora que você já sabe o que são reações exotérmicas e endotérmicas, entendeu a piadinha e teve certeza de que ela é fraca mesmo, vamos discutir as pessoas e a classificação de seus comportamentos.

Pessoas normalmente exotérmicas são aquelas que incendeiam o ambiente. Isto é péssimo, quando a harmonia do ambiente é prejudicada por esta forma de comportamento. São indivíduos que parecem amar os conflitos. Por outro lado, é ótimo, quando o ambiente é energizado por esta pessoa. São agentes da mudança que não permitem que o marasmo e o “concordismo” se perpetuem no ambiente. Algumas vezes a fronteira é tênue entre estes dois tipos de exotérmicos.

Da mesma forma do caso anterior, podem existir dois tipos de pessoas endotérmicas. O primeiro tipo é o depressivo. Ele parece existir para sofrer e roubar a energia das outras pessoas. São “vampiros”! Uma variação deste tipo são os pessimistas e os maledicentes que sempre acham que tudo está errado. A energia do ambiente é destruída por estas pessoas. Por outro lado, existem ótimos endotérmicos. São aquelas pessoas que absorvem a energia do ambiente para reduzir os conflitos. São grandes conciliadores!

Preparei a figura abaixo para resumir os quatro tipos apresentados acima.

Pessoas exotermicas endotermicas

Diagrama – Comportamentos Exotérmicos e Endotérmicos

Fica claro que ninguém deve ser 100% do tempo exotérmico ou endotérmico. O melhor sempre é agirmos conforme a situação. Poderíamos ser endotérmicos, quando houver conflitos, e exotérmicos, quando o moral do grupo estivar baixo ou se consolidar aquele pensamento único perigoso.

 

4 Comentários

Arquivado em Geral, Gestão de Pessoas, linkedin, Psicologia, Tecnologia

A Primeira Lei da Termodinâmica e o Comportamento Humano

Se você não gosta ou não entende física ou química, prometo que, no final da leitura deste artigo, entenderá a Primeira Lei da Termodinâmica e seu paralelo com o comportamento humano. Serei mais pé no chão e direto possível.

A Primeira Lei da Termodinâmica diz basicamente que, ao fornecemos energia a um sistema, esta energia se converterá em trabalho ou variação da energia interna. Trabalho é movimento, expansão ou contração. Variação da energia interna pode ser medida pela temperatura. Ou seja, se adicionarmos energia a um sistema, esta energia pode se transformar em movimento e aumento de temperatura. A energia se conserva e a equação abaixo é representação desta Lei.

Q = W + ΔU

Onde Q é a energia, W é trabalho (work) e ΔU é a variação da energia interna.

Vamos usar um automóvel como exemplo. A combustão do etanol no interior do motor gera a expansão dos gases (trabalho) nos cilindros que é responsável pelo movimento do automóvel. Simultaneamente há aumento na temperatura do motor (variação da energia interna) que será absorvido pela água de arrefecimento. Esta água será, por sua vez, resfriada pelo ar que passa através do radiador do automóvel. Ou seja, a parcela da energia da combustão do etanol que aumentou a temperatura do motor foi desperdiçada. Só a parte que gerou trabalho foi útil, geralmente apenas 22% nos motores de automóveis a etanol ou gasolina. Sim, mais de 3/4 da energia do combustível são “desperdiçados”.

maq termica

Funcionamento de um motor à explosão

Os comportamentos humanos seguem uma lógica parecida. Recebemos permanentemente estímulos (energias) do ambiente externo. Seria interessante que nossa reação a estes estímulos fosse uma ação proporcional à magnitude destes estímulos. Infelizmente, muitas vezes, apenas geramos calor ou, pelo menos, geramos um calor desnecessário para a resolução de algum problema.

O ideal é, ao recebermos um estímulo, refletir antes de responder. Depois de falar ou enviar uma mensagem de forma agressiva, será necessária muito mais energia para corrigir o estrago.

Pato Donald stress

Não haja como o estressado Pato Donald.

Outra forma de apenas aumentar a “temperatura” sem gerar “trabalho” é a procrastinação. Muitas vezes, temos dificuldade para decidir sob certos graus de incerteza, mesmo sabendo que certeza absoluta, se realmente existir, é raríssima. Nestes casos, novas reuniões são marcadas ou novos estudos são requisitados. No final, muito mais energia é gasta para tomar a decisão, relacionamentos são desgastados e oportunidades perdidas. Não confunda reflexão com procrastinação!

Num mundo, onde desenvolvem-se máquinas cada vez mais eficientes que obtêm mais resultado com consumo mais baixo de energia, nós humanos também devemos buscar este tipo de eficiência. Para atingir este objetivo não precisamos agir como máquinas, devemos ser mais empáticos, menos egoístas, mais humildes, porque ninguém é dono da verdade. E, se for possível decidir, não devemos procrastinar.

 

2 Comentários

Arquivado em Geral, linkedin, Psicologia, Tecnologia

Índia – Meio Bilhão Atrás da Moita

Como comentei no artigo anterior, estive na feira IFAT, em Munique, no mês passado. Assisti a uma apresentação sobre um projeto de cooperação entre Índia e Alemanha na área de saneamento básico.

IFAT 2016

M. Sevala Naik, Cônsul Geral da Índia em Munique, na IFAT

Estima-se que a população atual da Índia seja 1,3 bilhões de habitantes, 17% da população humana no planeta, vivendo em 2,5% da terra, dispondo de apenas 4,0% da água fresca. Em breve, deverá ultrapassar a China e se tornar o país mais populoso do mundo. Em 2050, estima-se que sua população esteja em torno de 1,7 bilhões de habitantes, a maioria estará vivendo em cidades.

A seguir apresento dois slides que fotografei de uma das apresentações sobre a Índia.

India - slide 1

As cidades com mais de 50 mil habitantes geram diariamente 38 milhões de metros cúbicos de esgoto. Apenas uma pequena fração deste total é tratada de forma eficiente. Além dos esgotos domésticos, existe a poluição industrial causada, principalmente por farmacêuticas, têxteis e curtumes. O resultado final é a poluição de 75% das águas superficiais do país.

Por outro lado, apenas um terço das casas destas cidades está ligada a sistemas de coleta de esgoto, como pode ser visto no slide abaixo.

India - slide 2

Atualmente cerca um terço da população indiana vive em áreas urbanas. Se 12,6% das pessoas que vivem em cidades fazem suas necessidades a céu aberto, isto representa 55 milhões de pessoas. Outras 25 milhões de pessoas usam banheiros públicos, totalizando mais 80 milhões sem privadas em casa.

Na zona rural, a situação ainda é muito pior! Mais da metade dos habitantes faz suas necessidades a céu aberto, 450 milhões de pessoas. Ou seja, mais de meio bilhão de pessoas na Índia defecam na rua ou atrás de moitas. Observe a situação em outros países no mapa abaixo.

Defecating in the Open - Global

Em julho de 2014, The Economist fez uma reportagem sobre o assunto. Leia um trecho traduzido abaixo.

Narendra Modi, primeiro-ministro da Índia, diz que a construção de banheiros é uma prioridade sobre templos. Seu ministro das Finanças, Arun Jaitley, utilizou o orçamento deste mês para definir uma meta de acabar com a defecação a céu aberto em 2019. Isto acontecerá 150 anos após o nascimento de Mohandas Gandhi que disse que o bom saneamento era mais importante do que a independência.

narendra-modi

Primeiro-ministro Narendra Modi

Esta deve ser uma das maiores e mais importantes iniciativas na área do saneamento básico em toda a história da humanidade. Você consegue imaginar um político que prioriza construção de privadas ou invés de grandes obras?

A decisão do primeiro-ministro indiano segue uma lógica clara – má higiene pública leva a problemas de saúde, má nutrição e mortalidade infantil –, sem falar do grande risco de estupro para as mulheres devido à falta de um banheiro junto a suas casas. Superar este problema requer um plano abrangente, porque envolve educação e mudança de hábitos culturais, não apenas a construção de mais de cem milhões de novos banheiros pelo governo.

Termino este artigo com o mesmo pensamento que iniciei o artigo anterior. Fica escancarado como nosso mundo é desigual. Assisti a palestras na IFAT sobre a remoção de micropoluentes da água, através de processos sofisticados com o uso de carvão ativado e membranas, e a um seminário sobre a situação delicadíssima do abastecimento de água e saneamento básico na Índia.

Open defecation India

Péssimas condições sanitárias na Índia  [Fonte: The Economist]

Deixe um comentário

Arquivado em Economia, Educação, Geral, Gerenciamento de Projetos, linkedin, Meio Ambiente, Política, Saúde, Tecnologia