Arquivo do mês: setembro 2014

Estrogonofe Vegano

Quando uma amiga que NÃO é vegetariana insiste para você dar a receita do estrogonofe vegano e ainda sai fazendo propaganda, é para glorificar de pé!!, a gente publica logo, claro… rsrsrs

Toma Viviane Barchinski, faz pra mim agora!

Primeiro preciso confessar, nunca fui fã de estrogonofe quando comia carne. Aí depois de 8 anos vegetariana, resolvi testar uma receita só para fazer algo diferente. A receita original é da super Ellen,  mas adaptamos ao nosso gosto (ficou maravilhoso!!).

Obs.: Você que já comeu proteína de soja num restaurante e odiou, dê uma segunda chance… tem gente que não sabe preparar mesmo, fica um amarguinho detestável. Ela tem um segredinho no “pré-preparo”. Veja aqui.

Ingredientes:

– 1 cebola (média ou grande) picadinha;
– 1 vidro de molho de tomate orgânico de sua preferência;
– 2 tomates picados grosseiramente e sem sementes;
– 1 pacote de 30 – 40g de cogumelo seco Porcini (the best of!) ou outro qualquer;
– 1 xicara de proteína texturizada de soja (a graúda, que tem uns 2 cm de largura);
– shoyo, alho desidratado, azeite de oliva, pimentas e sal;
– opcional: palmito in natura (não usamos conservas, altera muito o sabor).

Preparo:

Primeiro deixe de molho a proteína com shoyo e alho desidratado. Deixe os cogumelos hidratando numa xícara com água quente. Quando estiverem hidratados, pique-os bem pequeninho e guarde a água para usar depois.

Para substituir o creme de leite – por um muito mais light (e o de soja de caixinha não fica bem em pratos salgados) veja outra dica da Ellen. Você vai precisar:
– 1 tofu soft de 250 gramas;
– 50 ml de água;
– 50 ml de óleo.
Bata tudo no liquidificador e reserve.

A partir daqui é rapidíssimo:
Refogue a cebola, no azeite com um pouquinho de sal (bem pouco). Acrescente os cogumelos picados, refogue um pouco e coloque o molho vermelho e os tomates e um pouco de pimenta do reino (moída na hora é melhor). Se for usar palmitos, coloque neste momento também. Deixe ferver e acrescente a água dos cogumelos. Quando levantar fervura novamente, acrescente a proteína (só ela, se tiver muito shoyo, não coloque junto). Quando ferver, coloque o creme de leite. Acerte o sal (pode usar o shoyo), a pimenta (neste momento pode colocar pimenta branca) e desligue.
Sirva com batata palha e arroz.

estrogonofe vegano

7 Comentários

Arquivado em Gastronomia, Lazer

Segredinho no preparo da Proteína Texturizada de Soja

A proteína texturizada de soja tem oligossacarídeos que dão aquele sabor caraterístico de soja (amarguinho) que ninguém gosta e que gera gases. Para tirar esta parte que não nos interessa, deixe de molho meia hora ou mais, na água morna com de vinagre de arroz ou limão.

Por exemplo:
– 1 xícara de proteína miúda + 2 colheres de vinagre e cubra com água morna.

Depois é só enxaguar e torcer bem. Agora você pode usar no lugar da carne animal.

Gosto de temperar com alho desidratado, cebola e shoyo para fazer, por exemplo, pasteizinhos, macarronada…

proteina

 

3 Comentários

Arquivado em Gastronomia, Geral

São Paulo “Atacama” – O Que Fazer Quando a Água Acabar?

Todos sabem que a região sudeste do Brasil está passando por um longo período de estiagem. Os reservatórios que abastecem o estado mais populoso do país, com mais de 40 milhões de habitantes, estão com níveis cada vez menores. No final de semana passado, choveu para a felicidade da maioria, inclusive a minha. Ontem resolvi conferir se os níveis dos reservatórios haviam aumentado e, para meu espanto, a maioria teve redução nos volumes de água.

O Cantareira é um sistema de reservatórios responsável pelo abastecimento da 9 milhões de pessoas na região metropolitana de São Paulo. Em maio deste ano, a SABESP (empresa responsável pela captação, tratamento e distribuição de água no estado de São Paulo) iniciou a captação de um volume de reserva d’água do sistema Cantareira, chamado de “volume morto”. Esta medida adicionou ao estoque 182,5 bilhões de litros de água. Todo este volume foi integralmente consumido após quatro meses. Agora se fala em adicionar mais 106 bilhões de litros de água da segunda reserva técnica do Cantareira.

Sistema Cantareira apresenta o nível mais baixo da história

Sistema Cantareira apresenta o nível mais baixo da história

O gráfico e a tabela abaixo apresentam a situação dos reservatórios, sem considerar o uso desta nova reserva no Cantareira e supondo perfil de consumo e reposição semelhante ao atual.

Seca_SP_Grafico

Seca_SP_Tabela

Ou seja, o sistema Alto Tietê secaria antes do final do ano, o Cantareira poderia suportar até o final de janeiro, graças ao uso desta nova reserva, e todo o sistema entraria em colapso no final do primeiro semestre de 2015. Se as chuvas nesta primavera, que inicia hoje, e no próximo verão forem normais, talvez a catástrofe seja adiada por mais alguns meses.

Como a solução deste problema não é rápida ou fácil, a questão que todos fariam é simples:

– Por que ainda não começou racionamento de água no estado e principalmente na região metropolitana, onde vivem mais de 20 milhões de pessoas?

Minha resposta é óbvia:

– O atual governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, concorre à reeleição e espera vencer no primeiro turno que acontecerá em duas semanas. E esta medida é muito impopular, além de expor uma grave incompetência de sua gestão.

Passada a eleição em São Paulo, o racionamento deverá entrar em vigor e, como sempre, os mais pobres sofrerão mais… Se a situação avançar até o ponto crítico, em algum momento de 2015, poderemos assistir um êxodo urbano sem precedentes na história brasileira! Tudo poderia ser evitado com investimento em redução de perdas, reuso de água e melhor gerenciamento do sistema, mas se preferiu contar com a sorte…

5 Comentários

Arquivado em Gerenciamento de Projetos, linkedin, Meio Ambiente, Política

O Clínico Geral dos Engenheiros

Em 1982, eu tinha uma importante decisão pela frente, era o momento de escolher qual seria a curso que eu concorreria a uma vaga no vestibular em janeiro do ano seguinte. Escolhi engenharia química, porque gostava de química, matemática e física, especialmente termodinâmica. Com apenas dezesseis anos, desconhecia o que fazia um engenheiro químico. Passei no vestibular da UFRGS e iniciei o curso. Nos primeiros anos, foi uma overdose de cálculo, física e química. Depois vieram as disciplinas mais diretamente ligadas à formação profissional – termodinâmica, fenômenos de transporte e operações unitárias. Sinceramente tudo foi um enorme quebra-cabeça. O mais interessante é que as peças podiam se encaixar de diferentes modos e, dependendo de cada um, sobravam ou faltavam peças.

Logotipo do Departamento de Engenharia Química da UFRGS

Logotipo do Departamento de Engenharia Química da UFRGS

No dia 16 de janeiro de 1988, peguei o canudo e conquistei o título de engenheiro. Depois de vinte e seis anos, passando pelas mais variadas funções, me tornei um engenheiro de processos generalista. Alguns podem torcer o nariz, como fazem em relação aos injustamente desvalorizados médicos clínicos gerais, mas é maravilhoso olhar para um processo complexo e ver como cada pequena parte é importante para o funcionamento harmonioso do todo.

Hoje o mundo está em busca de sustentabilidade. Devemos gerar alimentos, suprir água potável e energia e produzir bens de consumo para mais de 7 bilhões de pessoas, minimizando os impactos ao meio ambiente. Os engenheiros químicos têm uma missão importante nesta mudança de rumo da humanidade. Tive a sorte de escolher a melhor profissão do mundo!

Parabéns a todos os colegas neste dia 20 de setembro – Dia do Engenheiro Químico!

4 Comentários

Arquivado em Educação, Gerenciamento de Projetos, linkedin, Tecnologia

Aranha, os Torcedores Gremistas e o Racismo

Na sexta-feira passada, recebi de um colega de empresa a encomenda de uma postagem no meu blog, tratando do evento recente de racismo no jogo entre Grêmio e Santos. Como já foi amplamente divulgado pela mídia, no jogo contra o Grêmio em Porto Alegre, parte da torcida gremista ofendeu o goleiro Aranha do Santos, chamando-o de macaco.

Goleiro Aranha se revolta com a atitude de parte da torcida do Grêmio

Goleiro Aranha se revolta com a atitude de parte da torcida do Grêmio

Lembro-me de um filme americano de 1970, “Watermelon Man” que assisti com meu pai numa madrugada de sábado no final dos anos 70 ou início dos 80. No Brasil, o título do filme é “A Noite em que o Sol Brilhou”. Neste filme, um americano branco e racista acorda negro. Após tentar voltar ao normal, sem sucesso, ele decide retomar sua vida normalmente, mas percebe que as pessoas passam a tratá-lo de forma diferente. Assista ao trailer do filme.

A cena da corrida para chegar antes à parada do ônibus era uma aposta com o motorista e ele fazia aquilo todos os dias. Para vencer a aposta ele inclusive atravessava quintais de alguns vizinhos. Suas atitudes, incluindo seu humor grosseiro, eram toleradas e ele era considerado um excêntrico. Quando ele tentou fazer a mesma coisa depois de ficar negro, foi preso. Quem se lembra daquela velha piada? Um rico, quando corre, está fazendo um cooper; e um pobre está fugindo da polícia! No filme, a esposa branca do protagonista, apesar de mais liberal e apoiar a luta dos negros americanos, não suportou aquela situação e deixou o marido.

Nos Estados Unidos, a situação foi mais séria, porque houve segregação racial, mas, no Brasil, a coisa não foi muito melhor. Durante muito tempo, atos racistas foram tolerados na nossa sociedade. A Lei Afonso Arinos, que entrou em vigor em 1951, tornou os direitos de todos iguais independente de raça. Ou seja, um negro, por exemplo, não poderia ser impedido de frequentar um estabelecimento comercial apenas por ser negro. Mas o racismo continua vivo ou, pelo menos, adormecido na cabeça de muitas pessoas até hoje. Talvez a jovem torcedora do Grêmio flagrada pelas câmeras de TV não discrimine negros no seu dia a dia, mas, junto com outros torcedores, usou uma forma racista para ofender o goleiro santista. Isto mostra que ela achava aquela atitude normal, senão, no mínimo, ficaria calada.

O fim do racismo claramente é um processo de mudança cultural. Em um post comentei o processo de mudança cultural em relação à segurança. Apresentei o exemplo do uso de cinto de segurança nos automóveis. Vivemos décadas numa sociedade onde o racismo e os atos inseguros eram tolerados. Para mudar a situação devemos ser inflexíveis, senão a “maionese desanda”. Naquele post, apresentei a curva de Bradley da DuPont.

bradleycurve

Existem pessoas com diferentes níveis de maturidade: algumas ainda têm comportamento reativo, outras dependem de supervisão, outros têm comportamento adequado independentemente de orientação e existem os que ajudam os outros a melhorar seus padrões de comportamento.

A punição de exclusão da Copa do Brasil sofrida pelo Grêmio deve servir de exemplo para toda a sociedade brasileira. Quando a Justiça Esportiva passou a punir os clubes, porque algum torcedor lançava algum objeto no campo, muita gente achou que era um exagero, mas os próprios torcedores passaram a se autocontrolar.

Sem dúvida chamar um negro de macaco não está certo, mesmo num estádio de futebol! A maioria da torcida do Grêmio também já entendeu que chamar os torcedores do Internacional de “macacos imundos” é errado e vaiou os que cantaram esta música antes do ultimo jogo em seu estádio.

Todos merecem respeito e igualdade de direitos independente de raça, sexo, patrimônio material, orientação sexual, local de nascimento, religião e profissão. Isto é lógico, parece fácil de fazer, mas, na verdade, é uma luta diária, onde não podemos baixar a guarda ou sermos omissos .

1 comentário

Arquivado em Ética, Cinema, Esporte, Filosofia, História, linkedin, Psicologia, Segurança

Eu, a carne e a berinjela…

Se há uns 10 anos alguém me dissesse que eu ainda iria gostar de berinjela, eu daria gargalhadas!! Ou pensando bem, eu sairia de fininho, com um sorriso amarelo, porque esta pessoa só poderia ser doida, vai saber… Quem sabe até perigosa… E naquela época (coisa de velho falar “naquela época”), eu era frequentadora assídua de churrascarias. Tinha até um apelido sugestivo: Claudinha Picaxi. Era picanha, abacaxi, picanha, abacaxi… Isto quando descobri que o abacaxi ajuda a digestão da carne, então comendo abacaxi, caberia mais picanha. O garçom já me conhecia, trazia a carne sangrando, mas ainda quente. Eu me orgulhava em dizer “quero boi berrando”. Hoje tenho vergonha disto… E sinto vergonha alheia quando vejo outras pessoas fazendo o mesmo, mas entendo o apego ao paladar, o gesto de ver um pedaço de comida e não um animal sofrendo, esta cortina que deixamos propositalmente na nossa mente. Não queremos nos desfazer dela, a carne é muito boa e isto basta! Vegetarianos chatos com esta mania de dizer o que já sabemos, mas não queremos ouvir, muito menos visualizar.

não quero ouvir

Mas um belo dia resolvi ajudar um cachorro aqui, outro acolá… alguns gatos… depois alguns cavalos… Vi alguns vídeos e ploft, a cortina caiu. Droga, ferrou… Não fazia mais sentido pra mim ajudar uns e matar outros. Tudo bem, eu não matava diretamente, mas o mandante do assassinato do Chico Mendes é menos culpado que o jagunço que deu o tiro? Na minha humilde opinião, ele é o maior culpado. Se não tem quem pague, não é feito. Lei do mercado, né minha gente??
Primeira séria constatação: eu não vou conseguir, gosto muito de carnes. Todas. Vou sentir muita falta…. Mas tentei e fiquei um bom tempo sem falar p/ ninguém. E fui aos poucos. Mantive inicialmente o peixe e o presunto. Mas putz… o porco morre mesmo é por causa do maldito presunto que tem maior valor no mercado. Larguei o presunto! O peixe, confesso, mantive por muito tempo por cobranças sociais. Sou fraca mesmo… E cá comigo eu tinha boas desculpas, ambientalmente é 1 kg de ração para 1 kg de carne, então ambientalmente tá tudo bem… e ele não sofre muito… Aí quando eu soube de uma reunião técnica onde os criadores de peixes tinham 15% de quebra em função do “suicídio” dos animais que não aguentavam o estressse, a superpopulação, etc., caiu mais uma cortina. Que saco!!!! Agora não consigo mais me iludir!! Ok, eles são seres sencientes também… eu já sabia… ok, entendi. Parei. Enfim, vegetariana!

Até que enfim...

Mas o interessante de todo este processo, que se iniciou há uns 8 anos, é que nosso paladar muda. A única coisa que tive desejo na primeira gravidez foi o quê? Berinjela. Tudo bem, né? Tá grávida!! Mas não…. muitas coisas que eu não gostava começaram a ter outro sabor… passei a provar muitas coisas e quem diria, a gostar. Esta sensibilidade para alguns alimentos duvido que venha para quem vive de proteína/gordura animal. E gordura, vamos combinar, deixa tudo mais gostoso…

Mas então, só p/ constar, cada vez que alguém me diz (e eu não pergunto) que é muito carnívoro e odeia legumes e saladas e nunca viraria vegetariano eu penso “sei…” Só penso, nem falo, porque ninguém me falando sobre os maus-tratos aos animais teria feito eu virar vegetariana. Precisei ver nos olhos dos animais este sofrimento. Pode ter começado com os domésticos, mas não parou aí e eu fui além. É preciso querer, estar aberto para pensar, ter piedade, amor ao próximo. Não é qualquer um que chegará a conclusão que não é ético usar os animais, escravisá-los ou matá-los.

Mas só precisa ser bom, não precisa gostar de berinjela.

7 Comentários

Arquivado em Animais, Ética, Filosofia, Meio Ambiente