Arquivo do mês: abril 2011

Sejamos Oportunistas!

Acho incrível como certas palavras ganham contornos negativos com o passar do tempo, enquanto outras passam a ter significados muito melhores do que os originais. Por exemplo, o grande poeta Augusto dos Anjos escreveu no seu impactante soneto “Versos Íntimos”:
 

Vês?! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão — esta pantera —
Foi tua companheira inseparável!

Formidável, em seu sentido original, significa terrível, pavoroso. Afinal o que pode ser mais terrível do que o enterro do último sonho ou ilusão de uma pessoa?  Hoje todos usamos a palavra formidável, no Brasil, para adjetivarmos algo excelente.

Augusto dos Anjos publicou apenas um livro de poesias: "Eu"

Por outro lado, os dicionários definem o oportunista como aquele que sabe tirar proveito das circunstâncias de dado momento, em benefício de seus interesses. Será que isto é realmente mau, se os aspectos éticos forem levados em consideração? O significado de oportunismo, na esfera da política ou dos negócios, deixa implícito que esta prática é empregada independentemente do sacrifício de princípios éticos. No futebol, curiosamente, é um grande elogio dizer que o atacante do time é oportunista. No Internacional, lembro de nomes como Dadá Maravilha, Geraldão e Nilson. Abaixo você pode assistir ao gol de Dario na final do campeonato brasileiro de 1976 contra o Corinthians.

Sejamos o atacante oportunista da nossa vida pessoal e profissional para aproveitarmos as circunstâncias favoráveis e atingir mais rápidos nossos objetivos. Vamos manter as antenas sempre ligadas. Só tenho um último lembrete, não esqueçam da ética, porque como escreveu Augusto dos Anjos no final do soneto “O Morcego”:

A Consciência Humana é este morcego!
Por mais que a gente faça, à noite ele entra
Imperceptivelmente em nosso quarto!

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Ética, Blog, Esporte, Gestão de Pessoas, Inter, linkedin, Literatura

O Cisne Negro entre a Loucura e a Genialidade

 

Na semana passada, assisti ao filme Cisne Negro no voo entre São Paulo e Munique. Este é daqueles filmes que mexem com a gente, é impossível ficar indiferente ao que se passa com a protagonista da trama, a bailarina Nina, interpretada de forma brilhante por Natalie Portman.

 

A arte não é simplesmente técnica. Se assim fosse, um supercomputador poderia criar obras de Michelângelo ou Van Gogh. O artista excepcional consegue transmitir emoção e, que eu saiba, não há ciência exata que ensine isto. Certa vez, no Metropolitan Museum, eu e a Cláudia sentamos na frente de uma enorme tela de Jackson Pollock. Alguns poderiam dizer que aquilo se resumia a borrões de tinta, mas eu juro que aquela tela era uma verdadeira explosão de emoções e insanidade.

Autumn Rhythm nr. 30 de Jackson Pollock

 

Sempre penso que alguém brilhante tecnicamente que consiga transmitir toda esta carga de sentimento em seus trabalhos possa ser um “borderline”. É alguém no limite entre a razão e a loucura. Como se existisse uma fronteira definida…

No filme, parece claro que a bailarina Nina ultrapassou com folga esta fronteira na sua busca de representar com perfeição a maldade do cisne negro e o sofrimento do cisne branco. Como ela mesmo afirma na sua derradeira fala… Para superar ou ter outro momento de igual brilho, somente ultrapassando novamente ou, quem sabe, tangenciando esta fronteira.

Quantas pessoas buscam a perfeição a qualquer custo? Parece que a perfeição de sua obra é mais importante do que a própria vida! Será possível atenuar o sofrimento causado por esta busca sem fim? Será possível manter-se psicologicamente sadio?

No filme. Nina, apesar de brilhante tecnicamente, somente se tornou genial quando rompeu a fronteira e passou a misturar a realidade com a loucura. Assista a este excelente filme e pense a respeito disto tudo…

3 Comentários

Arquivado em Arte, Cinema, Filosofia, Lazer, linkedin