Arquivo da tag: vegetarianismo

Os Veganos e os Orgânicos

O veganismo não é somente um tipo de dieta, é muito mais do que isto. Na verdade, ser vegano é optar por uma filosofia de vida, onde qualquer sofrimento animal é intolerável.

Começo por uma definição sobre veganismo divulgada pela The Vegan Society em 1979:

“Uma filosofia e modo de vida que procura excluir – na medida do possível e praticável – todas as formas de exploração e crueldade de animais para alimentação, vestuário ou qualquer outro propósito e, por extensão, promove o desenvolvimento e uso de alternativas livres de animais em benefício dos seres humanos, dos animais e do meio ambiente. Em termos alimentares, denota a prática de dispensar todos os produtos derivados total ou parcialmente de animais.”

Deste modo, um vegano não se alimenta com produtos de origem animal como carne, leite, ovos, mel e todos os seus derivados. Não usa roupas de couro, seda ou lã. Não usa cosméticos ou produtos de limpeza testados em animais. Também não aprova diversões como zoológicos, aquários, rodeios e shows com animais.

go-veganNo que se refere à alimentação, o vegano só consome plantas e seus derivados, sua dieta é estritamente vegetariana. Como sabemos, atualmente, a agricultura comercial emprega fertilizantes químicos para garantir a fertilidade do solo; herbicidas, para reduzir a concorrência de outras espécies vegetais por água e nutrientes do solo; e pesticidas, para que insetos não se alimentem de partes das plantas, reduzindo a produtividade da lavoura.

A agricultura orgânica supre as necessidades de nutrientes do solo com resíduos de animais e vegetais. Deste modo, não são adicionadas novas quantidades de nitrogênio (extraído do ar e transformado em amônia através da síntese de Haber-Bosch) e fósforo (extraído através de mineração) aos ciclos destes nutrientes. Para obter mais detalhes, leia o artigo Temos Tempo para Discutir o Aquecimento Global?, e você verá que existem outros problemas ambientais tão importantes quanto o aquecimento global – o desequilíbrio dos ciclos de nitrogênio e fósforo é um dos mais graves. Outra motivação para o consumo de produtos orgânicos é o não uso de herbicidas e pesticidas, o que é benéfico para quem se alimenta dos vegetais e para a natureza em geral.

podutos-organicos-certificados

Neste ponto, um vegano chegaria a um dilema – as frutas, grãos e verduras orgânicas não são provavelmente veganas, porque geralmente usam dejetos de criação de animais como fertilizante. Vocês poderão concluir que, pelo menos, os dejetos provêm de animais criados de forma orgânica, sem confinamento, mas esta prática é apenas uma recomendação. De acordo com a norma que rege à agricultura orgânica, os agricultores de locais sem disponibilidade de dejetos oriundos de produção orgânica poderão usar dejetos de produção convencional, sem que seu produto deixe de ser rotulado como orgânico. Estrume de vacas confinadas e camas de frango de aviários são exemplos de fertilizantes permitidos nestas circunstâncias.

As camas de frango são misturas de serragem colocadas no piso de aviários para receber os excrementos das aves. São gerados entre 1,0 e 1,5 kg de cama de frango por ave. Se considerarmos que em 2016 foram abatidos aproximadamente 6 bilhões de frangos no Brasil, houve geração entre 6 e 9 milhões de toneladas de cama de frango.

cama-de-frango

Aviário comercial com cama de frango.

Atualmente cerca de 80% do total dos antibióticos produzidos no mundo são consumidos por animais que servirão como alimento para humanos. Os frangos possuem aparelho digestivo curto e uma quantidade significativa do medicamento não é absorvida por seus intestinos. Deste modo, suas fezes contaminadas com antibióticos são incorporadas às camas de frangos.

O tratamento normalmente empregado para a estabilização deste resíduo é a compostagem em grandes pilhas, onde os microrganismos presentes na cama degradam parte da matéria orgânica, elevando a temperatura acima de 70°C. As pilhas são periodicamente revolvidas e, depois de alguns dias, os microrganismos patogênicos são inativados. As especificações exigidas na regulamentação dos produtos orgânicos com relação ao patógenos são atendidas. Por outro lado, as moléculas dos antibióticos são apenas parcialmente degradadas e não existe restrição, quanto as concentrações máximas permitidas para o uso como fertilizante orgânico.

Quando esta cama de frango estabilizada é utilizada como fertilizante no solo, os efeitos são imprevisíveis, resultando, por exemplo, na degradação parcial das moléculas dos antibióticos com a geração de moléculas mais tóxicas, na absorção parcial pelas plantas, na contaminação de águas superficiais e lençol freático, além da seleção de superbactérias patogênicas.

Então um vegano poderia chegar à conclusão que talvez seja melhor comprar produtos agrícolas oriundos de adubação química. Assista ao vídeo abaixo e depois discutiremos alternativas.

Existe a possibilidade de usar adubação 100% vegetal, estabilizada através de compostagem. A Embrapa Agrobiologia, localizada no estado do Rio de Janeiro, desenvolveu compostos totalmente vegetais a partir da compostagem de mistura de torta-de-mamona com bagaço de cana-de-açúcar ou palhada de capim-elefante com excelente desempenho e isento de contaminantes biológicos ou químicos.

Assim os vegetarianos em geral e especificamente os veganos (além dos onívoros que consomem orgânicos) deveriam buscar informação sobre a forma de fertilização do solo onde seus orgânicos foram produzidos. Alimentos produzidos com resíduos da pecuária comercial não deveriam ser certificados como orgânicos. Admitir o uso de cama de frango na agricultura auxilia na redução dos custos da avicultura comercial que promove exploração e maus-tratos em animais, polui o meio ambiente e compromete a saúde dos humanos.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Animais, Ética, Economia, Geral, linkedin, Meio Ambiente, Nutrição, Saúde, Tecnologia

Impossible Foods e o Hambúrguer Vegetal para os Amantes da Carne

For English version, click here

Em março deste ano, li um artigo do “The Economist” sobre as empresas start-ups do Vale do Silício, na Califórnia que estão desenvolvendo, a partir de vegetais, versões sustentáveis de alimentos à base de carne e leite. A Impossible Foods era uma das empresas citadas no artigo. No final de abril, visitei esta empresa em Redwood City, próxima a San Francisco na Califórnia. A seguir faço um resumo da minha conversa com Patrick Brown, fundador e CEO da empresa, realizada na sala “Avocado”.

Patrick Brown no laboratório da Impossible Foods  [Fonte: Wall Street Journal]

Patrick Brown no laboratório da Impossible Foods [Fonte: Wall Street Journal]

A área de atuação prévia do Dr. Brown era a biomedicina: mecanismos de regulação biológica, diagnóstico de detecção precoce de doenças humanas, ecologia microbiana do corpo humano e novas tecnologias e métodos experimentais e analíticos aplicados à pesquisa biomédica. Segundo suas próprias palavras, ele tinha o melhor trabalho do mundo, mas queria fazer alguma coisa que tivesse um impacto positivo muito maior para a humanidade. Decidiu então fazer produtos de origem 100% vegetal para substituir produtos de origem animal, como carne e queijo. Segundo “The Economist”, Pat Brown disse:

“A pecuária é uma atividade tremendamente destrutiva e totalmente insustentável. Mesmo assim, a demanda por carne e leite está em alta”.

Ele repetiu para mim aquela informação da ONU que a pecuária ocupa 30% da superfície degelada do planeta e é responsável por 14,5% de todas as emissões de gases do efeito estufa. Deste modo, para evitar um impacto maior no planeta por conta do aumento do consumo de carne e leite, seria necessário desenvolver alternativas vegetais que não devessem nada aos produtos de origem animal.

Nos primeiros anos de atividades da Impossible Foods, nenhum produto foi formulado, inúmeras moléculas foram extraídas de vegetais e analisadas. A partir daí se estudou a formulação de produtos e como obter as moléculas que seriam os ingredientes dos produtos. Todos os ingredientes escolhidos devem ser economicamente viáveis e possíveis de serem obtidos em grande escala.

Pat disse que a Impossible Foods já desenvolveu queijos, exclusivamente a base de vegetais, que foram aprovados por especialistas, mas seu primeiro empreendimento será o hambúrguer. Este primeiro produto a ser lançado terá a mordida, a suculência, o aroma e o sabor de um autêntico hambúrguer de carne. O preço também deverá ser competitivo com o produto convencional. A escolha é óbvia, além dos problemas já citados de desmatamento e aquecimento global, a conversão da ração em carne é muito ineficiente nos bovinos, 10 kg de ração são necessários para gerar apenas 1 kg de carne. Além disto, os norte-americanos são grandes consumidores de hambúrguer. Eu vi numa apresentação que, em média, cada americano consome três hambúrgueres por semana.

Hambúrguer – Foto do site da Impossible Foods

Hambúrguer 100% vegetal – Foto do site da Impossible Foods

Comentei com o Pat que a grande maioria dos vegetarianos não precisaria de um produto assim. Ele concordou e afirmou que o consumidor-alvo deste produto é o amante da carne que deseja reduzir o consumo, sem perder o prazer. Se existir uma alternativa tão boa quanto a carne, por um preço igual ou menor, por que alguém continuaria a consumir carne com todas as questões de maus tratos aos animais e prejuízos ambientais? Neste momento, haveria a migração para os produtos de origem vegetal e a pecuária entraria em declínio.

Neste ponto, eu contra-argumentei que a indústria leiteira está fortemente ligada à indústria da carne. A vaca leiteira fica prenha anualmente. Se a nova cria for um macho, será morto e se transformará em cortes de carne antes da puberdade. Se for uma fêmea, se transformará após dois ou três anos em uma nova vaca leiteira. Se tudo correr bem nos seis anos seguintes, a vaca não morrerá durante uma das gestações ou partos, nem será sacrificada devido à mastite ou outra doença. Como prêmio por ter gerado cinco ou seis crias sãs e ter produzido entre 20 e 25 toneladas de leite, a vaca será enviada para um matadouro onde será abatida e transformada em hambúrgueres e carne industrial. Se não houver bons produtos substitutos para os laticínios, como o queijo, o preço dos produtos lácteos tradicionais poderá aumentar e subsidiar o preço da carne. Se isto acontecer, a lucratividade do negócio da “carne vegetal” será corroída. Ou seja, o ataque contra a indústria da pecuária deve ser realizado pelos dois lados – carne e leite. O que é justo e deveria ser considerado nas leis num futuro próximo são as taxas sobre as externalidades causadas pela indústria da pecuária devido ao gigantesco impacto ambiental que causa. Aí sim a competição desequilibraria em favor das alternativas vegetais.

Perguntei ao Pat como ele enxergava alternativas como a carne in vitro. Provavelmente por causa dos longos anos de trabalho na área biomédica, ele foi enfático. Não acredita nesta alternativa! Explicou que os problemas com contaminações microbiológicas inviabilizam o aumento de escala do laboratório para a indústria. Um boi tem seu sistema de defesa que evita que micróbios destruam tecidos inteiros do seu organismo. No caso de carne in vitro, um simples vírus pode infectar uma célula, se multiplicar com uma velocidade extraordinária e destruir todas as células, acabando com a produção da fábrica.

Atualmente setenta pesquisadores trabalham no desenvolvimento dos produtos da Impossible Foods. Em 2016, a primeira planta deve iniciar a produção numa escala pequena. Se tudo correr bem, o próximo passo será uma planta muito maior para atingir a produção comercial plena pouco tempo depois. Depois virão os queijos…

Se você quiser ler o artigo original do “The Economist”, onde outras empresas são apresentadas, basta clicar no link abaixo.

The Economist

1 comentário

Arquivado em Animais, Ética, Gastronomia, Inovação, linkedin, Meio Ambiente, Nutrição, Saúde, Tecnologia

Por Que Comer Carne?

Na semana passada, eu e a Cláudia completamos dez anos juntos. Mais uma vez está provado que o tempo passa rápido quando se está feliz. Sem pedir muito, poderia ter mais alguns períodos de dez anos tão bons quanto este que fechou agora…

Tentei marcar a data com alguns pequenos eventos para a data não passar em branco. Um deles foi um jantar no Restaurante Mani da premiada chef Helena Rizzo. Acertei com eles um menu degustação com pratos ovolactovegetarianos sem glúten. No final da maravilhosa sequência de pratos, destaco a abobrinha recheada com cogumelos, o talharim de pupunha e, principalmente, os falsos tortéis de pupunha e abóbora. Tanto no caso dos tortéis, quanto do talharim, a massa com farinha de trigo foi substituída por finíssimas fatias de palmito pupunha. As fotos dos dois pratos estão abaixo.

Falsos Tortéis de Pupunha e Abóbora

Falsos Tortéis de Pupunha e Abóbora  [Fonte: Portal do Terra]

Talharim de Pupunha [Fonte: Portal do Terra]

Comida deliciosa, sem carne!!!

No almoço de hoje, havia abobrinha e berinjela grelhadas. Estava muito bom, parece que o paladar começa a apreciar sabores mais delicados, quando deixamos de comer carne.

O jantar de hoje foi uma competição em que os colegas da empresa foram divididos em dois times. Cada time fez três pratos principais – um com filé de carne bovina, outro com galinha e o terceiro era um pene com legumes. Claro que minha missão foi fazer a opção vegetariana, com tomate, cebola, alho, cogumelos, pimentões vermelhos, rúcula, sálvia, manjericão, tomilho e pimenta branca. Para minha surpresa, a maioria do meu time gostou mais da massa apesar de não ter carne do que dos outros pratos.

Como já disse, não precisamos de carne para comer bem… Então por que criar um animal, matá-lo ainda na sua infância para comer a sua carne? Estranhos prazeres ancestrais…

1 comentário

Arquivado em Animais, Ética, Gastronomia

Vitória Vegetariana

Na semana passada, critiquei duramente o jornalismo atual, muitas vezes monocromático e óbvio. Na noite da sexta-feira passada, a Rede Globo com seu programa jornalístico, Globo Repórter, mostrou como é possível tratar uma questão polêmica de modo leve e ao mesmo tempo objetivo. O programa discutiu qual seria a melhor forma de alimentação – a vegetariana ou a onívora (onde também se consome carne). Você pode assistir alguns trechos deste programa no site oficial da emissora.

http://g1.globo.com/globo-reporter/videos/

O link abaixo apresenta a íntegra do programa.

http://www.dailymotion.com/video/x16zscz_globo-reporter-08-11-2013-caque se alimentam com rnivoros-x-vegetarianos_auto?search_algo=2#

O programa, conduzido pela repórter Mônica Teixeira, ficou centrado nos aspectos nutricionais e concluiu que os vegetarianos podem ter uma saúde melhor do que a média da população, através de uma dieta balanceada. Apenas as pessoas que se alimentam com pequenas porções diárias de carnes magras (120 gramas de peixe, ave ou carne vermelha sem gordura) apresentaram resultados semelhantes aos vegetarianos. Ou seja, carne não é essencial para a saúde e o excesso, como quase tudo na vida, prejudica!

A única ressalva ficou por conta da vitamina B12. O médico nutrólogo Eric Slywitch orientou os veganos (aqueles que não consomem nada de origem animal como leite, queijo ou ovos) a monitorarem periodicamente sua B12 e, se for o caso, tomar suplemento.

Outro ponto interessante do programa foi a apresentação de “pessoas normais” vegetarianas. No passado, havia a ideia que os vegetarianos eram lentos e amarelados. O vídeo abaixo é a propaganda de uma churrascaria nos anos 90.

Como não existe qualquer restrição nutricional em ser vegetariano, pelo contrário os vegetarianos tendem a ser na média mais saudáveis, não há mais razão para os colegas onívoros fazerem bullying nos restaurantes e cantinas durante o almoço. A mesma churrascaria fez outra campanha publicitária, seguindo a mesma linha – a “cura” vegetariana.

Propaganda de uma churrascaria

Propaganda de uma churrascaria – “Daltonismo não tem cura. Vegetarianismo sim.”

Noto que muitas pessoas já estão abstraindo conscientemente que a picanha vem de um boi, a linguiça vem de um porco e assim por diante. Desta forma, não se sentem responsáveis pela morte do animal. No Globo Repórter, algumas pessoas se mostravam envergonhadas em ter o hábito de consumir carne em excesso.

A decisão para se tornar vegetariano é motivada por vários fatores – saúde, sustentabilidade, defesa dos animais, ética. Cada vez temos mais informações de como o consumo de carne não é sustentável devido à enorme quantidade de recursos empregados na sua produção e à poluição gerada por esta atividade. Também existe a discussão cada vez mais presente sobre os maus tratos com os animais e a ética de criá-los confinados para abate. Desta forma, se existem bons motivos para se tornar vegetariano e não existem mais restrições, o número de pessoas a aderirem ao vegetarianismo crescerá cada vez mais rápido, especialmente nas novas gerações. O Globo Repórter da sexta-feira passada foi mais uma etapa vitoriosa deste processo de transformação da sociedade.

Para finalizar, assista ao humor com inteligência do canal “Porta dos Fundos” do YouTube, o garçom vegetariano.

5 Comentários

Arquivado em Animais, Ética, Filosofia, Gastronomia, Meio Ambiente, Psicologia, Saúde

Sofrer e Amar não são Exclusividades dos Humanos

O voo originado em São José do Rio Preto aterrissou no Aeroporto de Congonhas no início da noite do Dia dos Namorados. Fui rápido para o ponto de táxi, mas, quando cheguei lá, senti que a espera não seria breve, a fila era grande e não havia táxis. Quando finalmente estava chegando minha vez, o responsável pela organização dos táxis gritou no lado da fila:

– Deu um nó no trânsito de São Paulo! A cidade inteira está parada e os táxis não estão conseguindo entrar no aeroporto. Como vocês podem ver, a saída do aeroporto já está trancada…

Realmente a coisa não estava fácil, demoraram mais uns dez minutos para eu embarcar num táxi e mais uma meia hora para o táxi entrar na Avenida Washington Luís. Para percorrer os quinze quilômetros entre o aeroporto e minha residência foram necessárias duas horas e meia.

Congestionamento recorde de 279 km no dia 12-06-2013 em São Paulo

Congestionamento recorde de 279 km no dia 12-06-2013 em São Paulo

Com todo este tempo juntos, eu e o motorista conversamos sobre os mais variados assuntos: trânsito, os protestos em São Paulo, impostos, combustíveis alternativos, produção de etanol, histórias de família (especialmente sobre as sogras). Quando estávamos relativamente perto da minha casa, o motorista iniciou o seguinte diálogo:

– O senhor é do Sul?
– Sim, sou gaúcho.
– Então, deve gostar muito de churrasco…
– Gostava, mas agora não como mais.
– Você é vegetariano?
– Quase! Às vezes eu como peixe. Como eu viajo muito, em alguns lugares, é muito difícil achar boas opções vegetarianas.
– Eu sou vegetariano!

Fiquei surpreso e perguntei o motivo que o levou a tomar aquela decisão. Ele me contou que adotou uma cachorrinha e se afeiçoou muito a ela. Depois de um tempo, o animal ficou doente e o veterinário descobriu que estava com câncer. Ela foi operada, mas o câncer apareceu novamente. O veterinário alertou que poderia operar de novo, mas as chances de recuperação seriam baixas e a dedicação ao animal de estimação deveria ser grande, porque ela não teria condições de alimentar-se sozinha. O dono aceitou o desafio e a cadelinha foi novamente operada, mas ela não conseguiu recuperar as forças. O dono dedicou-se ao máximo, preparava e dava a comida para a cachorrinha algumas vezes ao dia, usando uma seringa. A partir de certo momento, percebeu que ela não queria mais se alimentar, mesmo assim ele forçava para que ela não se enfraquecesse ainda mais e morresse. A cada contato, ela sempre abanava o rabinho para ele.

cãozinho

Na hora da ceia de Natal, a cachorrinha se levantou de sua caminha, coisa que não fazia há muito tempo, deu alguns passos na direção dele e caiu morta. O dono não resistiu e chorou. Quando a família iniciou a celebração do Natal, ele tentou comer um pedaço de carne de peru, mas não conseguia engolir. Decidiu naquele momento que não comeria mais carne, porque todos os animais tinham sentimentos, como sua querida cachorrinha, e não era certo continuar se alimentando de carne, porque havia um animal que sofreu por trás daquele ato. Escondeu da família por um tempo, até ser descoberto, porque estava dando a carne para outros cães adotados que passaram “estranhamente” a rodeá-lo durante as refeições.

Finalizou dizendo que isto aconteceu há um ano e meio. Hoje ele se sente melhor e existem ótimas opções além da salada e do feijão com arroz. Chegamos à frente do meu prédio. Paguei a corrida do táxi, peguei minha mala e me despedi dele, parabenizando-o pela sua decisão.

Contei esta história para Cláudia e conversamos sobre o assunto. Hoje as pessoas estão se dando conta que os animais, não só os humanos, têm inteligência e sentimentos. Alguns deles. na idade adulta, têm a inteligência de uma criança humana, por exemplo. O que nos leva a pensar que temos o direito de criá-los para depois serem mortos apenas para nos servir de alimentos, especialmente quando existem boas opções vegetarianas? Lembro-me daqueles filmes em que alienígenas maus e tecnologicamente mais desenvolvidos invadem a Terra e querem usar os humanos como alimento. Quem assiste a um filme deste normalmente pensa:

– Como estes alienígenas podem ser mais evoluídos se não respeitam os direitos dos humanos e querem escravizá-los, matá-los e usar os corpos como alimento?

alien-3

Parece que nós humanos agimos como os alienígenas dos filmes frente aos animais terráqueos. E ainda conseguimos abstrair que a picanha era parte de um boi, a linguiça foi feita da carne de um porco e que o coraçãozinho do aperitivo do churrasco era de uma galinha. O dono da cachorrinha, assim como milhares de pessoas que deixaram de comer carne, percebeu não tem lógica amar uns animais e comer outros, causando indiretamente sofrimento a estes animais.

Após escrever este artigo fiquei com mais vontade ainda de poupar os peixes…

5 Comentários

Arquivado em Animais, Ética, Filosofia, Psicologia