Arquivo do mês: setembro 2011

O Meu Pequeno Acidente ou o Meu Quase-Grave-Acidente

Depois de assistir a um seminário na cidade mineira de Sete Lagoas, estava dirigindo um automóvel alugado em direção do Aeroporto de Confins. Já havia passado por trechos que cruzam áreas urbanas de pequenas cidades. A pista da MG-424 é estreita, não tem acostamento, tem inúmeras lombadas nas áreas urbanas. Felizmente existem melhorias em curso no asfalto e na sinalização.

Trecho da Rodovia MG-424

Dirigi em longas filas até passar pela cidade de Pedro Leopoldo, onde a pista, apesar de ondulada e mal sinalizada, é duplicada. O GPS mandou eu dobrar para a esquerda, mas, além de não ser possível naquele ponto, eu me lembrava que deveria acessar a alça de um viaduto no lado direito. Segui mais um pouco em frente, o GPS recalculava a rota e eu procurava alguma placa que indicasse a estrada para Confins. A pista estava vazia e eu me aproximava de um viaduto, procurei alguma placa que indicasse o destino daquele acesso. Finalmente vi que ainda não era o desejado, quando olhei novamente para frente, vi que iria bater no meio-fio de um canteiro, que por sinal já estava bem avariado, não tinha mais tempo para evitar o choque. A roda dianteira direita bateu forte e o automóvel ficou apoiado apenas nas rodas do lado esquerdo. Felizmente voltou a ficar com as quatro rodas na pista, corrigi o traçado e segui em frente.

Meu automóvel ficou em duas rodas como este da foto

Primeiro pensei que se estivesse em velocidade mais alta provavelmente a capotagem seria inevitável. A partir desse momento as consequências seriam imprevisíveis. O pneu também não estourou… Parecia que meu anjo da guarda tinha ajudado!

Quando parei para abastecer alguns quilômetros à frente, desci do carro e vi os estragos. A roda dianteira direita estava profundamente marcada, o pneu estava com um rasgo na lateral; e a calota, completamente destruída.

O acidente, apesar das consequências quase desprezíveis, tinha potencial para ser muito grave, Se houvesse outro automóvel ou caminhão o choque seria provável com risco elevado de ter alguém ferido, incluindo este blogger.

Acidente ocorrido na MG-424 em maio de 2011

Como sempre acontece nestas ocasiões, tirei algumas lições do quase-grave-acidente:

  • Primeira – nunca devemos reduzir a atenção enquanto dirigimos, especialmente em um estrada ou rua em que não estamos familiarizados.
  • Segunda – a vida é imprevisível, assim por melhor que nós planejemos ou tentemos controlá-la, sempre poderão ocorrer fatos que trazem rumos jamais imaginados.
  • Terceira – a vida é frágil e pode terminar a qualquer momento, assim devemos vivê-la com intensidade. Não estou falando em pular de paraquedas ou nadar com tubarões. Se pudermos fazer algo importante hoje, não devemos deixar para o incerto amanhã.

Termino este post da mesma forma que encerrei outro, Em Busca da Felicidade, lembrando as palavras de sábio Hilel, líder religioso judeu. “Se eu não faço por mim, quem fará? E quando eu faço por mim, o que eu sou? Se não for agora, quando será?”

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Geral, linkedin, Segurança

Ontem os Negros, Hoje os Animais, Amanhã os Robôs!

Estamos no ano de 2067, a Assembleia Geral da ONU debate um tema polêmico, a alteração da ordem da segunda e da terceira Lei da Robótica. Estas leis famosas foram formuladas quase um século antes por Issac Asimov.

Isaac Asimov

O secretário-geral solenemente abre a sessão plenária:

– Prezados representantes de todas as nações da Terra, estamos aqui reunidos para mais uma sessão histórica. Desde a criação de unidades autônomas artificiais providas de inteligência e livre arbítrio, os robôs, assistimos a uma enorme evolução no relacionamento com os seres humanos. Respeito, lealdade, afinidade, amizade e até amor são palavras que definem inúmeras relações entre humanos e robôs. Hoje discutiremos se as três leis da robótica estão adequadas à realidade de nosso tempo. Os seguintes princípios guiam atualmente a programação dos robôs:

    • 1ª Lei – Um robô não pode ferir um ser humano ou, por omissão, permitir que um ser humano sofra algum mal.
    • 2ª Lei – Um robô deve obedecer as ordens que lhe sejam dadas por seres humanos, exceto nos casos em que tais ordens contrariem a Primeira Lei.
    • 3ª Lei – Um robô deve proteger sua própria existência desde que tal proteção não entre em conflito com a Primeira ou a Segunda Lei.

Na prática, se um humano ordenasse que dois robôs lutem até a destruição de um deles, não existiria problema legal. Isto poderia ter razões fúteis, como apostas, ou por puro sadismo.

No século XIX, se discutia se os negros tinham alma e se poderiam ser livres. Parece uma conversa absurda nos dias atuais; e em 2067, nem se fala…

Escravo sendo castigado (Debret)

Hoje temos o mesmo debate em relação aos direitos dos animais. Cada vez mais pessoas defendem o bem estar animal. Afinal respeito, lealdade, afinidade, amizade e até amor são palavras que definem inúmeras relações entre humanos e animais. Maus tratos contra animais atualmente são crimes e práticas como touradas ou rodeios são cada vez mais limitadas. Talvez nas próximas décadas assistamos o declínio no consumo de carne por conta desta consciência em relação aos direitos dos animais. Se nós humanos temos alma, porque os animais não as possuem?

Teste dermatológico em coelhos

Hoje parece ridículo discutir os direitos dos robôs. Há um século, discutir os direitos dos animais deveria ser uma excentricidade. No século XVI, defender o fim da escravidão dos negros era uma afronta contra os interesses das metrópoles europeias.

Apesar de muitos discordarem, a humanidade evolui e a nossa consciência continua crescendo. O que hoje é um ato aceitável, amanhã será um crime grave.

Deixe um comentário

Arquivado em Animais, Ética, Filosofia, Geral, História, linkedin