Memórias e os Fantasmas do Passado

Uma das piores coisas que podemos fazer é remoer o passado. Todas as vezes que entramos neste estado mental, nos envenenamos e esquecemos de viver o presente.

Como escrevi no post anterior, cada um tem sua própria percepção da realidade e esta realidade existe dentro de nossas cabeças. Com nossas memórias, acontece o mesmo, elas são moldadas a partir de nossas percepções, valores, inteligência e sabedoria. Isto significa que nossas memórias vão se alterando com o passar do tempo, porque nós também mudamos. Se insistirmos em guardar mágoas devido a um fato, todas as vezes que nos lembrarmos do ocorrido, sentiremos dor, tristeza ou raiva. O que ganhamos com isto? Nada!

Estátua de Rodin retrata desespero extremo.

Claro que não vamos esquecer tudo o que nos prejudicou no passado, mas seria fundamental se extraíssemos os aprendizados como aspectos positivos e os vinculássemos a estas memórias. Por exemplo, meu primeiro chefe foi o canonizável Eng.º Mário. Como profissional jovem, achei que este podia ser o padrão, mas, após 25 anos de estrada, sei que ele é uma honrosa exceção no mundo corporativo. Obviamente tive problemas com outros superiores hierárquicos ou funcionais na sequência da minha carreira. No início, guardava mágoa ou raiva em relação a estes profissionais. Há algum tempo, percebi o quanto fui ajudado por eles, do jeito deles, a me tornar um profissional e até mesmo uma pessoa melhor. Algumas vezes desconsiderei o conteúdo da mensagem por conta da forma inadequada de expressão: confusa, autoritária ou agressiva. Em outros casos, a percepção da realidade deles era diametralmente oposta à minha. Nestes casos, não adianta bancar o guri birrento e simplesmente executar as tarefas do seu jeito, ou pior ignorá-las, ao invés de pensar nas razões do chefe e, se for o caso, buscar novos argumentos para convencê-lo.

Na vida pessoal, muitas vezes valorizamos demais problemas e conflitos pontuais que temos com os pais, companheiros, filhos e amigos. Ou seja, longos anos de amor, amizade e companheirismo são destruídos nas nossas mentes por alguma ocorrência de importância muito menor.

Quem decide sofrer com as lembranças somos nós mesmos e somente nós podemos alterá-las, aprender com elas e continuar vivendo em constante evolução.

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Filosofia, Gestão de Pessoas, linkedin, Psicologia

2 Respostas para “Memórias e os Fantasmas do Passado

  1. Pingback: Post 200 – Retrospectiva | World Observer by Claudia & Vicente

  2. Pingback: Como Assassinamos Nossos Insights | World Observer by Vicente

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s