Arquivo do mês: junho 2014

Quem Não Treina, Não Ganha

Nestes tempos de Copa do Mundo, sempre se chega à mesma conclusão – para se ganhar uma competição deste nível, a equipe deve estar bem treinada. Todos concordam com este pressuposto, quando o assunto é esporte, mas nem sempre conseguem ter a mesma percepção em outras áreas.

Eu já estava há alguns anos trabalhando como engenheiro de processo de uma empresa. Comecei a sentir que os ganhos advindos da minha atividade estavam cada vez menores, o que os economistas chamam de ganhos marginais decrescentes. Em bom português, cada vez se trabalha ou se gasta mais para ganhar menos em termos de custo, eficiência ou produtividade. Eu me sentia estagnado e queria fazer algo diferente. Procurei externar o que eu sentia, me pediram um pouco de calma e, depois de um tempo, me ofereceram a gerência de produção de uma fábrica. Não era uma fábrica qualquer, aquela fábrica estava em mau estado de conservação, era totalmente manual e havia muita gente trabalhando na área de empacotamento. Para completar, o produto tinha baixa margem de lucro, resumindo era o “patinho feio” daquele parque industrial.

Como a maioria dos engenheiros, achei que resolveria tecnicamente os problemas da fábrica. Boa parte dos problemas eram mecânicos. Eu e o responsável por esta área da manutenção, preparamos um plano, onde detalhamos o que deveria ser feito, como e quando. Seguíamos cada passo com atenção. Lembro-me do caso do transporte pneumático de matéria prima. Explicarei rapidamente para os leigos como era aquele equipamento.

Esquema simples de um transporte pneumático similar ao descrito

Esquema simples de um transporte pneumático similar ao descrito

O tipo de transporte pneumático que tínhamos, naquela fábrica, funcionava como um aspirador de pó gigante. A matéria prima ficava estocada em silos e roscas, no andar térreo do prédio, dosavam-na na tubulação por onde passava a corrente de ar. O material ficava em suspensão no interior da tubulação que subia até o último andar do prédio, quando era separado do ar através de filtro de mangas (mesma função do saco do aspirador de pó). Neste filtro, diferentemente do aspirador de pó doméstico, um sistema automático com ar comprimido era responsável pela remoção do material das mangas. O ar limpo passava por um ventilador e saia pela chaminé. O processo seguia continuamente e a matéria prima era encaminhada a um misturador, onde recebia os demais ingredientes.

O problema é que havia muitas falhas neste sistema e frequentemente a fábrica parava por falta de matéria prima nos misturadores, apesar dos silos estarem cheios.

Toda a vez que havia uma falha, o trecho da tubulação por onde entrava a matéria prima ficava totalmente obstruído e o ar não arrastava mais o material. Os operadores, então, batiam nas tubulações até formar um caminho por onde o ar passava, arrastando o material. Como aconteciam falhas frequentes, você pode imaginar o estado das tubulações… As pobres coitadas já estavam meio quadradas de tanto levar pancada!

Todos os componentes do transporte pneumático foram consertados ou trocados, incluindo as tubulações deformadas. Os problemas aparentemente terminaram…

Em um final de tarde, eu estava guardando minhas coisas para ir embora, quando ouvi umas batidas no andar de baixo. Desci rapidamente a escada e vi dois operadores, batendo com martelos de borracha com toda a força nos tubos novos. Já cheguei gritando:

– O que é isto? O que vocês pensam que estão fazendo?

Os dois operadores se assustaram e responderam que o transporte pneumático havia “embuchado” (entupido). Novamente parti para o ataque:

– Precisa destruir as tubulações novas? Vocês já foram até o último andar para verificar se o sistema de limpeza das mangas está funcionando direito? Vejam isto e depois passem na minha sala.

Os dez minutos de espera foram suficientes para baixar a adrenalina. Os dois operadores entraram na minha sala e avisaram que o sistema de limpeza não estava funcionando e eles já haviam chamado alguém da manutenção para consertá-lo.

Eu pedi desculpas pelos meus gritos e expliquei como funcionava o transporte pneumático e, no caso de outro problema, o que eles deveriam fazer.

Naquele momento, me dei conta que os operadores tinham de receber treinamentos melhores do que as simples conversas e explicações que eu havia feito até então. Quem é bem treinado reage melhor aos desvios do processo, porque tem domínio da situação e sabe o que está fazendo. Escute a gravação da comunicação de um piloto para torre de comando, avisando que fará um pouso de emergência. Um profissional só consegue ter este comportamento com muito conhecimento, treinamento e confiança.

http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/ouca-o-audio-do-piloto-da-avianca-antes-do-pouso

Avião da Avianca fez pouso de emergência em Brasília devido a um problema no trem de pouso dianteiro em março de 2014

Avião da Avianca fez pouso de emergência em Brasília devido a um problema no trem de pouso dianteiro em março de 2014.

O maior aprendizado que tive, no meu caso, é que a técnica traz a base indispensável para entender o que está acontecendo, como solucionar problemas e o que fazer para atingir novos patamares de excelência, mas quem faz tudo acontecer são as pessoas. Só as pessoas conseguem manter tudo rodando corretamente. A partir daquele momento, passei a investir muito mais tempo no treinamento da equipe para ajudá-los a mudar suas atitudes e visões.

Só as pessoas mudam o mundo, o que podemos fazer é ajudar a mudar as pessoas.

Deixe um comentário

Arquivado em Economia, Esporte, Gestão de Pessoas, linkedin

A Copa do Mundo Envergonhada

Começou na semana passada a Copa do Mundo de Futebol no Brasil. Já ganhamos o primeiro jogo na nossa jornada rumo ao hexacampeonato! Infelizmente, estava no meio de um teste no Canadá e apenas pude ver os melhores lances do jogo à noite em um canal de esportes local.

Gol de empate de Neymar para o Brasil contra a Croacia [Fonte: site Globoesporte.com]

Gol de empate de Neymar para o Brasil contra a Croácia  [Fonte: site Globoesporte.com]

Mesmo em Saskatoon, tive a surpresa de ver o destaque da Copa na edição local do jornal Metro, considerando que o futebol tem pouca importância para a população local. No dia da estreia do Brasil, a capa era dedicada à Copa, além de mais uma página interna. No dia seguinte, havia mais uma página sobre a abertura e o jogo do Brasil; e outra, sobre os jogos de sexta-feira. Nos canais de esporte canadenses, a Copa dividia o tempo com as finais da NBA, da NHL (hóquei no gelo, o esporte nacional) e do U.S. Open de golfe. Realmente a Copa é um dos maiores eventos mundiais.

Poucos povos do mundo gostam de futebol como os brasileiros, mas nunca vi uma Copa do Mundo na qual os brasileiros estão tão tímidos ou mesmo envergonhados para torcer pela nossa seleção. Houve os tradicionais atrasos de obras, a malversação das verbas públicas, os desmandos da FIFA… Isto pode e deve nos trazer indignação, mas por que a vergonha em torcer pelo Brasil?

Lembro-me que no segundo grau se decidiu fazer uma peça com a versão em inglês do texto do “Pequeno Príncipe” de Saint-Exupéry. Eu recebi o menor papel de todos – o bêbado, porque provavelmente ninguém acreditava no meu talento dramático. O motivo da escolha do papel não foi certamente a minha identificação com o personagem, porque, naquela época, eu não consumia absolutamente nada de álcool. Leia a íntegra do capítulo XII abaixo.

Bebado_Pequeno-Principe

O planeta seguinte era habitado por um bêbado. Esta visita foi muito curta, mas mergulhou o principezinho numa profunda melancolia.

– Que fazes aí? Perguntou ao bêbado, silenciosamente instalado diante de uma coleção de garrafas vazias e uma coleção de garrafas cheias.

– Eu bebo, respondeu o bêbado, com ar lúgubre.

– Por que é que bebes? Perguntou-lhe o principezinho.

– Para esquecer, respondeu o beberrão.

– Esquecer o que? Indagou o principezinho, que já começava a sentir pena.

– Esquecer que eu tenho vergonha, confessou o bêbado, baixando a cabeça.

– Vergonha de que? Investigou o principezinho, que desejava socorrê-lo.

– Vergonha de beber! Concluiu o beberrão, encerrando-se definitivamente no seu silêncio.

E o principezinho foi-se embora, perplexo.

As pessoas grandes são decididamente muito bizarras, dizia de si para si, durante a viagem.

Vejo amigos, amantes absolutos de futebol, envergonhados de torcer pela nossa seleção. As pessoas estão com vergonha de botar bandeiras nas casas e carros. Lembro-me de outras copas realizadas fora do país – as ruas eram decoradas; postes e meios-fios pintados; população mobilizada.

A vergonha é um sentimento curioso, é muito diferente da culpa. A vergonha é baseada na frase:

– O que os outros vão pensar se descobrirem que eu fiz isto?

Ou seja, a vergonha não nasce do conflito entre uma ação e os valores da pessoa, como a culpa. A vergonha se origina nas convenções sociais ou regras religiosas, por exemplo.

Agora parece que o brasileiro que torcer pela seleção, estará apoiando o governo, a FIFA, o gasto excessivo com estádios, desvios de verbas, falta de investimentos em educação, saúde e infraestrutura. Como se a paixão por futebol tivesse algo a ver com isto? Para ajudar o pessoal a ficar “sem vergonha”, preparei o quadro abaixo que mostra que eleição para presidente e o resultado da seleção brasileira na Copa não tem relação.

Copa_Presidentes-Brasil

Quadro: Resultado do Brasil na Copa do Mundo e a eleição presidencial.

Como observamos no quadro acima, FHC foi o único candidato da situação vencedor de eleição em ano que o Brasil ganhou a Copa. Em 1994, o maior cabo eleitoral de FHC não foi o futebol pragmático da seleção de Parreira, certamente foi o sucesso do Plano Real. Em 2002, o Brasil conquistou o Penta no Japão, mas o candidato da situação, José Serra, foi derrotado por Lula.

Ao invés de ficar com esta vergonha depreciativa, devíamos lutar para melhorar o país. Devíamos fiscalizar ativamente os atos e as contas dos três poderes em todas as esferas do país. Devíamos pressionar os Legislativos para aprovarem as leis de nosso interesse, ao invés de ficar lamentando ou postando coisas sem o menor fundamento nas redes sociais. Se continuarmos na espera que os outros resolvam os problemas do Brasil, deveremos sentir culpa por nossa omissão, ao invés de vergonha em relação ao país.

Felizmente as crianças, com sua espontaneidade, estão fazendo os adultos a perderem a vergonha de torcer pela nossa seleção, porque “as pessoas grandes são decididamente muito bizarras”

9 Comentários

Arquivado em Ética, Esporte, Lazer, linkedin, Política, Psicologia

Fernandão, Vida, Morte e Piscadas

O sábado iniciou com uma notícia impactante para os colorados – Fernando Lúcio da Costa, o Fernandão morreu devido a um acidente de helicóptero. Fiquei com uma sensação estranha, senti algo parecido quando Ayrton Senna morreu. Os ídolos têm uma espécie de onipresença em nossas vidas que muitas vezes não nos damos conta que o conhecemos profundamente apenas no âmbito profissional. Não os conhecemos realmente…

Fernandão chegou ao Inter em 2004 e, logo na estreia, marcou o milésimo gol da história dos Gre-Nais. Quando deixou o clube em 2008, havia conquistado vários títulos com destaque para a Copa Libertadores e o Mundial, ambos em 2006. Foi capitão do time, um líder dentro e fora de campo. Ele era um jogador de futebol muito acima da média – educado e bem articulado. Sempre atendia todos os fãs de forma atenciosa e simpática. Nunca vi frases deselegantes contra adversários ou jornalistas. Tudo isto explica a verdadeira comoção dos gaúchos com a sua morte.

Fernandão com meu filho Leonardo

Fernandão com meu filho Leonardo

Uma questão importante é a idade do ex-jogador colorado, 36 anos. Ou seja, ele era um jovem saudável, bem sucedido e, após a aposentadoria como jogador de futebol, tinha mais liberdade para aproveitar a vida com sua família. Além disto, estava iniciando uma nova carreira como comentarista esportivo do canal SporTV. Numa circunstância deste tipo, costumamos questionar:

– Como alguém pode morrer assim com todo um futuro pela frente?

Como diria a grande filósofa contemporânea Julinha, minha filha de 6 anos, “todos têm seu tempo neste mundo, o dele era este”. Felizmente ou infelizmente, dependendo do ponto de vista, não sabemos qual é a nossa hora.

Eu, sinceramente, acho ótimo não saber qual é a minha hora. Sinto que devemos equilibrar entre viver o hoje como se fosse o último dia e como se tivesse mais 50 anos pela frente. Equilíbrio difícil entre desfrutar e plantar… Esta é a beleza de nascer, viver e morrer…

Sobre a vida e o que acontece depois da morte, eu poderia pensar em alguma coisa, mas não chegaria aos pés desta verdadeira preciosidade escrita por Monteiro Lobato nesta passagem de “Memórias de Emília” de 1936.

– A vida, Senhor Visconde, é um pisca-pisca. A gente nasce, isto é, começa a piscar. Quem para de piscar, chegou ao fim, morreu. Piscar é abrir e fechar os olhos – viver é isso. É um dorme-e-acorda, dorme-e-acorda, até que dorme e não acorda mais.

[…] A vida das gentes neste mundo, senhor sabugo, é isso. Um rosário de piscadas. Cada pisco é um dia. Pisca e mama; pisca e anda; pisca e brinca; pisca e estuda; pisca e ama; pisca e cria filhos; pisca e geme os reumatismos, por fim pisca pela última vez e morre.

– E depois que morre? – perguntou o Visconde.

– Depois que morre, vira hipótese. É ou não é?

Visconde de Sabugosa e Emília

Visconde de Sabugosa e Emília

Eu e Visconde de Sabugosa só podemos dizer que isto faz muito sentido, Emília! Aproveite cada dia da vida, carpe diem, não deixe o essencial para amanhã, mas nunca se esqueça de semear para ter algo maravilhoso para colher amanhã, na próxima semana, daqui um ano ou cinquenta anos…

Fernandão, infelizmente, piscou pela última vez no sábado passado, mas, entre uma piscada e outra, fez a felicidade de milhões de pessoas…

3 Comentários

Arquivado em Esporte, Filosofia, Inter, linkedin, Literatura, Psicologia

A Autossabotagem

Há muitos anos li um livro de um grande escritor gaúcho não muito popular do grande público, Dyonélio Machado. O livro “Os Ratos” trata do período de 24 horas da vida de um funcionário público a procura de dinheiro para pagar sua dívida com o leiteiro. Você pode achar o enredo meio bobo, mas o livro, publicado há quase 80 anos, é muito bom e sua leitura continua atual.

Se você não quiser saber o final do livro, volte a ler após a figura da capa do livro.

Depois de passar horas, tentando arrumar dinheiro com o chefe, colegas e agiotas, o personagem principal finalmente consegue a quantia que precisa para pagar sua dívida. Ele deixa a quantia sobre a mesa da cozinha da sua casa. Eram outros tempos, o leiteiro deixava as garrafas ou tarros cheios e levava os vazios. Durante a noite, ele imagina que vários ratos roem e destroem totalmente o dinheiro que ele havia deixado sobre a mesa. Mesmo assim, ele não se levanta para verificar se isto realmente está acontecendo, apenas sofre. E só consegue relaxar, quando o leiteiro chega no horário de sempre e entrega o leite que havia ameaçado suspender o fornecimento caso a dívida não fosse quitada. Veja a passagem onde a paranoia e angústia chega ao ponto máximo.

De repente, um barulho no forro… “Ratos… São ratos”. Fica esperando o barulho dos ratos na cozinha. O barulho aumentou: em vários pontos, no forro, o rufar… “A casa está cheia de ratos!” Há um roer ali perto. O que estarão comendo? É isto! “Os ratos vão roer – já roeram! – todo o dinheiro!…” Tem um grande desespero. É preciso levantar-se. Mas o barulho cessou. Há só o silêncio. Será que ratos roem dinheiro? É melhor perguntar à mulher. Absurdo. Claro que ratos não roem dinheiro! “Vê os ninhos, os papéis picados, miudinhos, picadinhos… uma poeira”.

Os-Ratos_Dyonelio-Machado

Muitas vezes inventamos barreiras e problemas imaginários. Algumas pessoas criam conspirações complexas, onde todos querem prejudicá-las. Inimigos imaginários ganham vida. Ao invés de agir, a reação é uma paralisia, como aconteceu com o personagem principal do livro “Os Ratos”, onde a pessoa, após criar a fantasia, fica com medo de enfrentá-la.

Um caso mais sutil acontece, quando nos convencemos que somos incapazes de fazer algo. O pensamento típico desta forma de comportamento é a frase:

– Não adianta tentar! Eu não vou conseguir mesmo…

Outra forma de autossabotagem é acreditar que o simples desejo tem poder para conseguir alguma coisa. A máxima que resume isto é aquela frase do “O Alquimista” do Paulo Coelho:

– Quando você quer alguma coisa, todo o universo conspira para que você realize o seu desejo.

Alquimista_Paulo-Coelho

Concordo que o primeiro passo para se conseguir algo é acreditar, mas se você apenas confiar que isto basta e não trabalhar duro, não desenvolver suas aptidões, não perseverar, dificilmente chegará ao resultado almejado. Na hora do fracasso, o culpado é a sorte ou o destino.

Aqueles que alcançam seus objetivos depois de batalharem muito, ainda são classificados como sortudos ou, então, se diz que nasceu com certa parte do corpo virada para a lua.

Temos que nos vigiar permanentemente, porque nossa mente pode ser nosso maior aliado ou nosso maior inimigo. Nós somos os principais agentes dos nossos sucessos e fracassos.

1 comentário

Arquivado em Arte, Gestão de Pessoas, linkedin, Literatura, Psicologia