Arquivo da tag: física

Por que Netflix Errou ao Lançar o Filme Radioactive sobre Marie Curie?

Nestes tempos de reclusão, uma das opções é assistir a um bom filme em alguma das plataformas de streaming. Na sexta-feira passada, foi a vez de “Radioactive”, filme sobre a vida da grande cientista Marie Curie.

Gostei do elenco e de suas atuações, especialmente Rosamund Pike como Marie Curie, Sam Riley como Pierre Curie e Anya Taylor-Joy como a jovem Irene Curie.

Como a história dos Curie é pública, não me preocuparei com os spoilers neste post. Se você não a conhece, talvez prefira assistir ao filme antes de ler este texto.

Quando vi o anúncio de Radioactive, pensei que se tratava de uma minissérie. Para minha surpresa, era um filme com menos de duas horas de duração. Assim o que vemos do início ao fim do filme é uma sucessão de fatos com muitos cortes estranhos para os que não conhecem a história da cientista. As dificuldades e vitórias aparecem e desaparecem rapidamente da tela, sem tempo suficiente para assimilação.

Marie Curie nasceu Maria Skłodowska na Polônia. A única cena da sua infância é sobre a morte da mãe, quando Maria tinha 10 anos. Não há nenhuma menção ao seu pai, Władysław Skłodowski, que era um professor. Os problemas financeiros que a família passou também não aparecem.

Uma oportunidade perdida no filme é a omissão que seu pai ensinou os filhos a usarem os equipamentos de laboratório de química. A Polônia, neste tempo, estava sob o domínio do Império Russo e as autoridades acabaram com as aulas de laboratório nas escolas polonesas. Assim ele levou muitos equipamentos para a casa da família e montou um laboratório.

Todo o período na Polônia foi ignorado: seu trabalho como governanta para levantar fundos para estudar em Paris ou, por exemplo, seus estudos em uma universidade clandestina que aceitava mulheres.

Seu período de estudos em Paris também é esquecido.

O pedido de casamento de Pierre à Marie não foi aceito imediatamente, como no filme. Marie desejava voltar para a Polônia e desenvolver seu trabalho em seu país natal, mas não foi aceita na universidade por ser mulher.

Após o nascimento da filha mais velha, Irene, Marie também passa a lecionar para ajudar na renda do casal. O filme passa a ideia de que apenas Pierre dava aulas, enquanto Marie trabalhava exclusivamente nas suas pesquisas.

As descobertas científicas deveriam ter sido melhor exploradas. Tudo começa com uma passagem muito rápida, praticamente um flash, sobre a observação do cientista Henri Becquerel sobre a propriedade do urânio emitir espontaneamente raios. A partir do trabalho de Becquerel, Marie Curie resolve desenvolver seu trabalho. Sua hipótese era ousada, o processo aconteceria a nível atômico. Até aquele momento, a química era baseada no pressuposto que os átomos eram estruturas estáveis e as mudanças aconteceriam a nível molecular (interações entre átomos).

O grande momento “eureca” do filme acontece quando Marie mede a atividade do minério que contém urânio e percebe que ela é maior do que a do urânio concentrado. Ou seja, haveria um outro elemento químico no mineral, ainda desconhecido, muito mais ativo do que o próprio urânio. Após processar toneladas de minério, foram descobertos dois novos elementos o Polônio e o Rádio. Além disto, a palavra radioatividade foi criada para explicar a emissão da radiação pelos núcleos dos átomos. A cena, onde o anúncio destas descobertas é apresentada pelo casal, chega a ser ridícula. Além de absurdamente curta, todos aceitam a destruição de um dos grandes paradigmas da química, a estabilidade dos átomos, com uma facilidade incrível.

O Prêmio Nobel de Física de 1903 foi dividido entre Henri Becquerel e o casal Curie pelos trabalhos sobre os fenômenos de radiação. É verdade que Pierre pediu a inclusão de Marie na nominata dos premiados. O prêmio não foi buscado imediatamente, porque Marie e Pierre continuavam trabalhando intensamente em suas pesquisas. A segunda filha do casal Éve nasceu em 1904 e o casal viajou para a Suécia apenas no ano seguinte para receber o prêmio, diferentemente do que aparece no filme. Pierre parecia não ser muito afeito a festas e solenidades, mas, para receber o Nobel, o laureado precisa fazer uma palestra para receber o prêmio. Lembrem-se do caso de Bob Dylan, quando recebeu o Nobel de Literatura.

Marie e Pierre Currie, Radium [Revista Vanity Fair, 1904]

Após a morte de Pierre em 1906, Marie se envolve com Paul Langevin. Este caso acaba gerando muitas dificuldades na vida de Marie. Ela sofre com inúmeras manifestações misóginas e xenófobas. É interessante lembrar que Langevin foi um cientista importante na sua época. Foi sua a formulação do famoso “Paradoxo dos Gêmeos” da Relatividade. Ele trabalhou com piezoeletricidade (descoberta pelos irmãos Pierre e Jacques Curie) e possuía duas patentes de seu uso para a construção de sonares para detecção de submarinos. Além disto, foi um duro opositor do fascismo e do nazismo.

O segundo Prêmio Nobel de Marie Curie foi de Química em 1911 pela descoberta do Polônio e do Rádio, além do isolamento deste último. Como o processo de isolamento era muito longo devido às baixas concentrações destes elementos no minério, Marie não conseguiu isolar o Polônio. Se pegarmos 1 grama de Polônio puro, metade se transformará em chumbo em pouco menos de cinco meses.

Sua atuação na Primeira Grande Guerra Mundial, ao lado da filha mais velha Irene, salvou ou, pelo menos, melhorou as vidas de milhares de soldados. Algumas estimativas citam um milhão de pessoas tratadas por seus vinte veículos radiológicos (Petit Curies) e duzentas unidades radiológicas em hospitais de campanha. Marie e Irene não receberam nenhum reconhecimento formal do governo francês no pós-guerra por suas contribuições.

Praticamente nada aparece no filme sobre a vida de Marie entre o final da guerra e sua morte em 1934. Por exemplo, sua batalha levantamento de fundos para a criação do Instituto do Rádio (atual Instituto Curie) que pesquisa o uso de radiação na luta contra o câncer. Nada aparece de suas viagens pela Europa, Estados Unidos e até ao Brasil, para promover o uso do Rádio no tratamento do câncer.

Inauguração do Instituto Curie, em primeiro plano Marie Curie e Claudius Regaud.

Outro ponto esquecido no filme foi sua ligação com seu país natal, a Polônia. Ela fez inúmeras viagens a este país, incluindo a criação de uma sucursal do Instituto do Rádio em Varsóvia, atual Instituto Nacional de Pesquisa Oncológica Maria Sklodowska-Curie.

Marie sofreu com muitos problemas de saúde. Nem ela, nem Pierre imaginavam os malefícios à saúde que estavam expostos por causa da radioatividade. Mesmo suas unidades de raio-X portáteis não tinham a blindagem necessária para proteger Marie e sua filha Irene da radiação.

Na última cena do filme, aparece uma foto maravilhosa da Conferência Solvay de 1927. Nada menos do que 17 dos 29 participantes desta foto receberam o Prêmio Nobel. Marie Curie, a única mulher na foto, está sentada entre Max Planck e Hendrik Lorentz. Na direita de Lorenz, estão Albert Einstein e Paul Langevin, o ex-amante de Marie. Na foto, aparecem outros grandes cientistas como Niels Bohr, Louis de Broglie, Wolfgang Pauli, Max Born, Erwin Schrödinger (sem o gato) e Werner Heisenberg (com certeza).

Conferência Solvay de 1927

Marie teve duas filhas. Irene, a mais velha, casou-se com Frédéric Joliot. O casal adotou o sobrenome um do outro. O casal Joliot-Curie recebeu o Prêmio Nobel de Química em 1935 pelo seu trabalho com radioatividade artificial. Este prêmio tornou a família Curie a maior vencedora do Nobel. O casal teve uma luta destacada contra o fascismo e nazismo. Irene morreu de leucemia aos 58 anos. Outra vítima da radioatividade.

A segunda filha, Ève, foi música, escritora, jornalista e humanista. Como curiosidade, ela foi casada com Henry Richardson Labouisse, diretor executivo da UNICEF, quando esta agência da ONU foi agraciada com o Prêmio Nobel da Paz em 1965. Esta é mais uma prova da atração irresistível do Nobel com os Curies. Como Ève não se expôs à radiação teve uma vida longa, falecendo em New York aos 102 anos.

A filha de Irene, Helene, é uma física nuclear. Ela foi casada com Michel Langevin, neto de Paul Langevin, ex-amante de sua avó Marie Curie. Parece até novela…

Depois de ler este post, você deve ter chegado à mesma conclusão, Netflix poderia ter feito uma grande série sobre a vida de Marie Curie e, talvez, a sua família. A radioatividade, por exemplo, poderia se tornar um assunto mais fácil para os leigos. Marie Curie defendia o direito das mulheres à educação e ao trabalho, não se deslumbrou com a fama e tinha a dimensão de como seu trabalho poderia ajudar a humanidade. Sem dúvida, havia assunto suficiente para mais de uma temporada.

Deixe um comentário

Arquivado em Arte, Ciência, Cinema, Educação, História, Inovação, Lazer, linkedin, Política, Psicologia, Tecnologia

Reações Espontâneas e Energia de Ativação – A Barreira Quase Intransponível Para Ser Feliz

Sabe que gostei deste negócio de misturar físico-química com comportamento humano… Hoje mostrarei que, da mesma forma que uma reação química, não basta ser espontânea para que uma transformação ocorra em nossas vidas, é necessária uma energia para iniciar o processo.

Muitas reações químicas que ocorrem à nossa volta são espontâneas, isto é, uma vez iniciadas prosseguem sem a necessidade de ajuda externa. A combustão da gasolina ou etanol é um exemplo deste tipo de reação. Se houver oxigênio, basta uma faísca para iniciá-la. Se não interferirmos, enquanto houver combustível e oxigênio, a chama não se extinguirá, porque a reação é espontânea.

Para reduzir a energia necessária para iniciar uma reação e aumentar sua velocidade muitas vezes usam-se catalisadores. Veja a figura abaixo.

Energia ativacao

Efeito do catalisador na energia de ativação de uma reação

Neste gráfico, fica claro que a reação catalisada (curva azul) ocorrerá mais facilmente do que a não-catalisada (curva vermelha).

Em nossas vidas, normalmente sabemos o que não está certo e o que deve ser mudado. Por que deixamos como está? Simplesmente, porque para que a mudança ocorra, necessitamos da “maldita” energia de ativação. Este é o motivo que justifica a permanência num emprego desmotivador, a manutenção de um casamento falido ou a dificuldade para assumir a opção sexual.

Para muitas pessoas, a energia para iniciar sua transformação é uma barreira praticamente intransponível. Medo do fracasso, de críticas dos outros, de preconceitos sociais elevam às alturas a demanda de energia de ativação.

gulliver

Gulliver preso pelas finas cordas dos pequenos habitantes de Lilliput. Na verdade, seu medo o manteve preso, não foram as cordas.

Neste momento, podem surgir catalisadores nas nossas vidas. Você está descontente com seu emprego e aparece uma proposta para um novo. Seu casamento vai de mal a pior e surge uma nova paixão. E assim por diante…

O ideal é autocatalisarmos as mudanças. Os catalisadores externos muitas vezes nos levam a armadilhas, porque as decisões são geralmente pouco refletidas. Passa-se anos sem encarar o problema, evitando até pensar nele e, graças a um estímulo externo, decide-se impulsivamente. Sempre é melhor refletir profundamente sobre os motivos das insatisfações para decidir quais serão as nossas ações para atacá-las. Geralmente os problemas, as oportunidades e as soluções já estão dentro de nós mesmos.

 

8 Comentários

Arquivado em Geral, Gestão de Pessoas, linkedin, Psicologia, Tecnologia

As Pessoas Agem de Modo Exotérmico ou Endotérmico

Quando publiquei meu último artigo “A Primeira Lei da Termodinâmica e o Comportamento Humano”, a Claudia me provocou, via Facebook, para “escrever um sobre as pessoas exotérmicas e as endotérmicas”. Desafio aceito!

Quando você terminar a leitura, poderá classificar seus amigos e conhecidos nestas duas categorias. Por outro lado, você se lembrará de situações nas quais foi exotérmico ou endotérmico. Sei que a maioria das pessoas odeia química, mas iniciarei com a explicação sobre a diferença das reações exotérmicas e endotérmicas. Como no artigo anterior, serei mais pé no chão e direto possível. No final, além de entender um pouco mais de química, você poderá dar cantadas incríveis em uma balada como esta:

– Gata, você é muito endotérmica! E eu tenho toda energia que você precisa… 😉

OK, já sei – a piadinha foi muito nerd…

Nas reações exotérmicas, a energia dos produtos da reação será menor do que a dos reagentes. Esta energia é chamada entalpia (símbolo H) e a “sobra” (variação da entalpia ΔH) será liberada no meio, ocasionando aumento da temperatura. A combustão é um exemplo deste tipo de reação. Veja a figura abaixo.

exotermica

Reação exotérmica

Nas reações endotérmicas, ocorre exatamente o contrário. A energia dos produtos da reação será maior do que a dos reagentes. A entalpia (H) que “falta” (DH) será absorvida do meio, ocasionando redução da temperatura. A fotossíntese é um exemplo deste tipo de reação, pois utiliza a energia do sol para acontecer. Veja a figura abaixo.

endotermica

Reação endotérmica

Agora que você já sabe o que são reações exotérmicas e endotérmicas, entendeu a piadinha e teve certeza de que ela é fraca mesmo, vamos discutir as pessoas e a classificação de seus comportamentos.

Pessoas normalmente exotérmicas são aquelas que incendeiam o ambiente. Isto é péssimo, quando a harmonia do ambiente é prejudicada por esta forma de comportamento. São indivíduos que parecem amar os conflitos. Por outro lado, é ótimo, quando o ambiente é energizado por esta pessoa. São agentes da mudança que não permitem que o marasmo e o “concordismo” se perpetuem no ambiente. Algumas vezes a fronteira é tênue entre estes dois tipos de exotérmicos.

Da mesma forma do caso anterior, podem existir dois tipos de pessoas endotérmicas. O primeiro tipo é o depressivo. Ele parece existir para sofrer e roubar a energia das outras pessoas. São “vampiros”! Uma variação deste tipo são os pessimistas e os maledicentes que sempre acham que tudo está errado. A energia do ambiente é destruída por estas pessoas. Por outro lado, existem ótimos endotérmicos. São aquelas pessoas que absorvem a energia do ambiente para reduzir os conflitos. São grandes conciliadores!

Preparei a figura abaixo para resumir os quatro tipos apresentados acima.

Pessoas exotermicas endotermicas

Diagrama – Comportamentos Exotérmicos e Endotérmicos

Fica claro que ninguém deve ser 100% do tempo exotérmico ou endotérmico. O melhor sempre é agirmos conforme a situação. Poderíamos ser endotérmicos, quando houver conflitos, e exotérmicos, quando o moral do grupo estivar baixo ou se consolidar aquele pensamento único perigoso.

 

4 Comentários

Arquivado em Geral, Gestão de Pessoas, linkedin, Psicologia, Tecnologia

A Primeira Lei da Termodinâmica e o Comportamento Humano

Se você não gosta ou não entende física ou química, prometo que, no final da leitura deste artigo, entenderá a Primeira Lei da Termodinâmica e seu paralelo com o comportamento humano. Serei mais pé no chão e direto possível.

A Primeira Lei da Termodinâmica diz basicamente que, ao fornecemos energia a um sistema, esta energia se converterá em trabalho ou variação da energia interna. Trabalho é movimento, expansão ou contração. Variação da energia interna pode ser medida pela temperatura. Ou seja, se adicionarmos energia a um sistema, esta energia pode se transformar em movimento e aumento de temperatura. A energia se conserva e a equação abaixo é representação desta Lei.

Q = W + ΔU

Onde Q é a energia, W é trabalho (work) e ΔU é a variação da energia interna.

Vamos usar um automóvel como exemplo. A combustão do etanol no interior do motor gera a expansão dos gases (trabalho) nos cilindros que é responsável pelo movimento do automóvel. Simultaneamente há aumento na temperatura do motor (variação da energia interna) que será absorvido pela água de arrefecimento. Esta água será, por sua vez, resfriada pelo ar que passa através do radiador do automóvel. Ou seja, a parcela da energia da combustão do etanol que aumentou a temperatura do motor foi desperdiçada. Só a parte que gerou trabalho foi útil, geralmente apenas 22% nos motores de automóveis a etanol ou gasolina. Sim, mais de 3/4 da energia do combustível são “desperdiçados”.

maq termica

Funcionamento de um motor à explosão

Os comportamentos humanos seguem uma lógica parecida. Recebemos permanentemente estímulos (energias) do ambiente externo. Seria interessante que nossa reação a estes estímulos fosse uma ação proporcional à magnitude destes estímulos. Infelizmente, muitas vezes, apenas geramos calor ou, pelo menos, geramos um calor desnecessário para a resolução de algum problema.

O ideal é, ao recebermos um estímulo, refletir antes de responder. Depois de falar ou enviar uma mensagem de forma agressiva, será necessária muito mais energia para corrigir o estrago.

Pato Donald stress

Não haja como o estressado Pato Donald.

Outra forma de apenas aumentar a “temperatura” sem gerar “trabalho” é a procrastinação. Muitas vezes, temos dificuldade para decidir sob certos graus de incerteza, mesmo sabendo que certeza absoluta, se realmente existir, é raríssima. Nestes casos, novas reuniões são marcadas ou novos estudos são requisitados. No final, muito mais energia é gasta para tomar a decisão, relacionamentos são desgastados e oportunidades perdidas. Não confunda reflexão com procrastinação!

Num mundo, onde desenvolvem-se máquinas cada vez mais eficientes que obtêm mais resultado com consumo mais baixo de energia, nós humanos também devemos buscar este tipo de eficiência. Para atingir este objetivo não precisamos agir como máquinas, devemos ser mais empáticos, menos egoístas, mais humildes, porque ninguém é dono da verdade. E, se for possível decidir, não devemos procrastinar.

 

6 Comentários

Arquivado em Geral, linkedin, Psicologia, Tecnologia

O Clínico Geral dos Engenheiros

Em 1982, eu tinha uma importante decisão pela frente, era o momento de escolher qual seria a curso que eu concorreria a uma vaga no vestibular em janeiro do ano seguinte. Escolhi engenharia química, porque gostava de química, matemática e física, especialmente termodinâmica. Com apenas dezesseis anos, desconhecia o que fazia um engenheiro químico. Passei no vestibular da UFRGS e iniciei o curso. Nos primeiros anos, foi uma overdose de cálculo, física e química. Depois vieram as disciplinas mais diretamente ligadas à formação profissional – termodinâmica, fenômenos de transporte e operações unitárias. Sinceramente tudo foi um enorme quebra-cabeça. O mais interessante é que as peças podiam se encaixar de diferentes modos e, dependendo de cada um, sobravam ou faltavam peças.

Logotipo do Departamento de Engenharia Química da UFRGS

Logotipo do Departamento de Engenharia Química da UFRGS

No dia 16 de janeiro de 1988, peguei o canudo e conquistei o título de engenheiro. Depois de vinte e seis anos, passando pelas mais variadas funções, me tornei um engenheiro de processos generalista. Alguns podem torcer o nariz, como fazem em relação aos injustamente desvalorizados médicos clínicos gerais, mas é maravilhoso olhar para um processo complexo e ver como cada pequena parte é importante para o funcionamento harmonioso do todo.

Hoje o mundo está em busca de sustentabilidade. Devemos gerar alimentos, suprir água potável e energia e produzir bens de consumo para mais de 7 bilhões de pessoas, minimizando os impactos ao meio ambiente. Os engenheiros químicos têm uma missão importante nesta mudança de rumo da humanidade. Tive a sorte de escolher a melhor profissão do mundo!

Parabéns a todos os colegas neste dia 20 de setembro – Dia do Engenheiro Químico!

4 Comentários

Arquivado em Educação, Gerenciamento de Projetos, linkedin, Tecnologia