Arquivo da tag: Insight

O Espanto e a Luz

Sinto que, a cada dia, estamos perdendo um pouco mais a habilidade de nos espantarmos com as coisas. Da mesma forma, parecem mais raros aqueles clarões em nossa mente que, em um único momento, parecem resolver problemas complexos através de ideias geniais.

Quando somos bebês, o mundo que nos circunda é repleto de novidades, não duvido disso, e o espanto ao encontrá-las é frequente. Até que ponto, atualmente, estamos tão imersos em tecnologias que perdemos contato com o que nos rodeia?

Em minha casa, na janela ao lado da mesa em que trabalho, temos algumas plantas lágrimas-de-cristo. Várias vezes ao dia, eu paro o que estou fazendo para admirar os beija-flores e borboletas que se alimentam do néctar das flores e carregam consigo o pólen para fertilizar outras flores. Parece que o mundo está migrando do exterior para o meu interior e repousa dentro do meu peito. Me acalma observar estes pequenos animais.

Você já reparou na expressão de um bebê no instante do espanto? Os olhos se arregalam, a boca se abre em forma arredondada e o “mundo” é aspirado para o interior do peito. Repare!

Não nos espantamos mais com frequência… Alguns até repetem que “nada mais os espanta”. É como se um tipo de “corona vírus” nos tivesse contaminado no momento que deixamos o ventre de nossas mães e que, na medida que crescemos e envelhecemos, roubasse nossa habilidade de encher nosso peito com ar e com o mundo.

Hoje temos tantas e tantas distrações que já fica difícil escutar nossos próprios corações e mentes, o que dirá sentir um centelha divina (ou insight se você preferir)… Nossos ouvidos estão sempre cheios de músicas, por que fugimos do silêncio? Todos os minutos livres são preenchidos pelo WhatsApp, YouTube, Instagram ou Facebook.

Como explicar o momento em que estamos relaxados e, do nada, nossos olhos se arregalam, nossas pupilas se dilatam, uma luz nos cega e temos vontade de sair correndo nu pelas ruas de Siracusa, gritando “Eureka”?

O psicólogo e etólogo Eckhard Hess descrevia a pupila como uma janela para a alma.

A pupila involuntariamente se contrai sob condições de luz forte e se dilata sob luz fraca. Quando o cérebro está em grande atividade cognitiva ou um insight é reconhecido, as pupilas se dilatam, independente da luz externa, como se esta luz fosse sumindo, os olhos se cegassem para o exterior e se voltassem para nosso interior. Pode estar olhando para alguém ou alguma coisa, mas não está vendo nada. Só seu pensamento está vivo.

Este é aquele maravilhoso brilho no olhar dos alunos da sala de aula ou das pessoas de uma plateia, quando se explica ou apresenta algum assunto – o que causa o verdadeiro êxtase do professor ou do palestrante, sensação privada pelas aulas e palestras pela Internet.

Devemos todos os dias, independentemente da idade, espantarmo-nos, aprender coisas e “insightar”. Tente se distanciar de tudo que ajude a nos separar de nossa própria essência, nem que seja apenas por algumas horas. Respire, olhe para o mundo e mergulhe em si mesmo. Assim, nossa vida será mais leve e iluminada.

[Fonte: Miguel Zurera_Flickr]

Deixe um comentário

Arquivado em Ciência, Filosofia, Geral, linkedin, Psicologia, Tecnologia

Como Assassinamos Nossos Insights

Vou prosseguir na minha excursão pela mente humana. Nos posts anteriores, comentei um pouco sobre a percepção da realidade e sobre as lembranças. Hoje comentarei sobre uma palavra que em português não tem uma boa equivalência: insight.

O insight é aquela ideia que surge em nossas mentes, aparentemente do nada, e temos a sensação de que alguém a soprou em nossos ouvidos. Parece uma centelha divina. Ou seja, alguns diriam que são enviados por um Ente Supremo, outros diriam que são as vozes de uma consciência universal… Os mais céticos ou egocêntricos afirmariam que sempre estiveram dentro de nossas cabeças, esperando a hora certa para aflorar. Tem outros ainda que acreditam que só acontecem graças aos estímulos externos: ambiente, leituras inspiradoras, companhias, música ou silêncio…

insight

Embora muitos não acreditem, temos estes insights toda a hora, mas nem sempre percebemos, porque nossas cabeças estão ocupadas com outros pensamentos. E o que causa este “congestionamento” mental? Parece que procuramos motivos para sofrer, ressuscitamos fatos do passado, maximizamos problemas do presente e antecipamos tragédias futuras.

Como no artigo anterior, já escrevi sobre as lembranças do passado, desta vez falarei mais sobre o presente e o futuro.

Todo mundo me pergunta como está minha vida neste primeiro ano em São Paulo depois de viver 45 anos no Rio Grande do Sul. Percebo que minha resposta surpreende as pessoas. Respondo com sinceridade que estou gostando de morar na capital paulista e o único aspecto negativo é o trânsito, mas não me estresso com isto. Aproveito aquela hora (às vezes mais do que uma) na solidão do carro na lentidão da Marginal Pinheiros para relaxar, ouvir música ou alguma entrevista interessante no rádio e pensar…  Muitas vezes surgem os mais variados tipos de insights, alguns muito engraçados que me levam às gargalhadas. Se eu ficasse todos os dias tenso e irritado com estes congestionamentos, será que eu ouviria meus insights que me conduzem a boas reflexões e garantem humor, no mínimo, razoável na chegada ao meu lar?

Engarrafamento na Marginal Pinheiros em São Paulo

Engarrafamento na Marginal Pinheiros em São Paulo

Evidentemente podemos interpretar as situações em que estamos inseridos das mais diversas formas. Percebemos a realidade, a criamos e a recriamos do nosso jeito dentro de nossas cabeças. Nesta semana, ouvi uma história sobre um colega de um prestador de serviço que vai ao encontro da minha. Ele gostava do trânsito intenso entre São Paulo e Santos no início dos feriadões, porque tinha a oportunidade de conviver por algumas horas com sua família. Para muita gente isto seria absurdo!

Outra armadilha é viver em um futuro que não existe e, se não nos dedicarmos no presente, jamais existirá. Acho importante construir castelos nas nuvens, porque nos mostram como pode ser nosso futuro, mas não podemos viver neles.

CastleInTheClouds03

Um comportamento comum, quando o tempo passa e nada acontece, é a criação de conspirações ilusórias onde todos estão contra e os outros são beneficiados por razões escusas. Neste momento, a pessoa se passa por vítima e acredita que tudo sempre vai dar errado com ela, apesar de fazer tudo certo (na perspectiva dela, é claro!). Ela deve vencer a batalha no interior da sua cabeça, onde os verdadeiros combates são travados. Só após esta vitória, será possível conquistar o mundo e construir seu castelo.

1 comentário

Arquivado em Filosofia, Gestão de Pessoas, Inovação, linkedin, Psicologia