O Espanto e a Luz

Sinto que, a cada dia, estamos perdendo um pouco mais a habilidade de nos espantarmos com as coisas. Da mesma forma, parecem mais raros aqueles clarões em nossa mente que, em um único momento, parecem resolver problemas complexos através de ideias geniais.

Quando somos bebês, o mundo que nos circunda é repleto de novidades, não duvido disso, e o espanto ao encontrá-las é frequente. Até que ponto, atualmente, estamos tão imersos em tecnologias que perdemos contato com o que nos rodeia?

Em minha casa, na janela ao lado da mesa em que trabalho, temos algumas plantas lágrimas-de-cristo. Várias vezes ao dia, eu paro o que estou fazendo para admirar os beija-flores e borboletas que se alimentam do néctar das flores e carregam consigo o pólen para fertilizar outras flores. Parece que o mundo está migrando do exterior para o meu interior e repousa dentro do meu peito. Me acalma observar estes pequenos animais.

Você já reparou na expressão de um bebê no instante do espanto? Os olhos se arregalam, a boca se abre em forma arredondada e o “mundo” é aspirado para o interior do peito. Repare!

Não nos espantamos mais com frequência… Alguns até repetem que “nada mais os espanta”. É como se um tipo de “corona vírus” nos tivesse contaminado no momento que deixamos o ventre de nossas mães e que, na medida que crescemos e envelhecemos, roubasse nossa habilidade de encher nosso peito com ar e com o mundo.

Hoje temos tantas e tantas distrações que já fica difícil escutar nossos próprios corações e mentes, o que dirá sentir um centelha divina (ou insight se você preferir)… Nossos ouvidos estão sempre cheios de músicas, por que fugimos do silêncio? Todos os minutos livres são preenchidos pelo WhatsApp, YouTube, Instagram ou Facebook.

Como explicar o momento em que estamos relaxados e, do nada, nossos olhos se arregalam, nossas pupilas se dilatam, uma luz nos cega e temos vontade de sair correndo nu pelas ruas de Siracusa, gritando “Eureka”?

O psicólogo e etólogo Eckhard Hess descrevia a pupila como uma janela para a alma.

A pupila involuntariamente se contrai sob condições de luz forte e se dilata sob luz fraca. Quando o cérebro está em grande atividade cognitiva ou um insight é reconhecido, as pupilas se dilatam, independente da luz externa, como se esta luz fosse sumindo, os olhos se cegassem para o exterior e se voltassem para nosso interior. Pode estar olhando para alguém ou alguma coisa, mas não está vendo nada. Só seu pensamento está vivo.

Este é aquele maravilhoso brilho no olhar dos alunos da sala de aula ou das pessoas de uma plateia, quando se explica ou apresenta algum assunto – o que causa o verdadeiro êxtase do professor ou do palestrante, sensação privada pelas aulas e palestras pela Internet.

Devemos todos os dias, independentemente da idade, espantarmo-nos, aprender coisas e “insightar”. Tente se distanciar de tudo que ajude a nos separar de nossa própria essência, nem que seja apenas por algumas horas. Respire, olhe para o mundo e mergulhe em si mesmo. Assim, nossa vida será mais leve e iluminada.

[Fonte: Miguel Zurera_Flickr]

Deixe um comentário

Arquivado em Ciência, Filosofia, Geral, linkedin, Psicologia, Tecnologia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.