Arquivo da tag: Liberdade

Os Nossos Pensamentos São Realmente Nossos?

Este post é o pontapé inicial para uma reflexão mais profunda sobre a origem de nossas ideias. Sabemos que não temos liberdade para fazermos o que surgir em nossas cabeças, mas teríamos a liberdade plena no pensar? Qual é a origem dos nossos pensamentos – nossos cérebros, influências externas ou algo divino?

A maioria responderá que é dono e responsável pelo nascedouro de suas ideias. Começo com um exemplo simples. Todos os dias o Sol nasce no leste e se põe no oeste. A Lua segue a mesma lógica e, todas as noites, cruza os céus, percorrendo seu caminho através das constelações que compõem o Zodíaco. Através desta simples observação, deduziríamos que a Terra está no centro do universo e o Sol, a Lua, demais planetas e estrelas giram ao nosso redor. Por que pensamos que, na verdade, é a Terra que gira ao redor do Sol, apesar de nossos sentidos nos mostrarem o contrário?

Adotamos a concepção Heliocêntrica, não intuitiva, ao invés da Geocêntrica, contraditória em relação à nossa percepção, porque fomos convencidos (ou educados) que este modelo é o correto.

Agora vamos pensar em todos os fenômenos naturais que nos cercam. Alguém, por exemplo, pode chegar à conclusão que as aves voam, porque têm penas. Em uma conversa com outra pessoa, pode convencê-la que isto é verdade.

Nos dois casos, a matéria prima para os pensamentos veio do exterior e o resultado foi uma simples repetição de um conceito, independentemente da sua assertividade.

Poderíamos dizer que devemos basear nossos pensamentos na ciência, mas a própria ciência muda seus conceitos com o passar do tempo. A Astronomia passou de Geocêntrica para Heliocêntrica. A Mecânica desenvolvida por Isaac Newton, que funciona perfeitamente conforme nossos sentidos, virou um caso particular na Mecânica Relativística de Albert Einstein.

Isaac Newton e Albert Einstein [Fonte: BBC]

E a medida que nos distanciamos das chamadas ciências exatas, mais problemas temos para definir o que é o certo e o errado. Assim assistimos a discussões intermináveis sobre ideologias políticas, papéis do Estado ou direitos e deveres dos indivíduos na sociedade. Ao aceitarmos os conceitos e as imagens que julgamos corretos, nós nos apropriamos deles e acreditamos que verdadeiramente fazem parte dos nossos pensamentos. Mas por que aceitamos algumas ideias e refutamos outras?

Darei as primeiras pinceladas neste tema complexo, usando as definições de duas palavras alemãs – Zeitgeist e Weltanschauung.

Zeitgeist pode ser definido como o espírito definidor de um determinado período da história, demonstrado pelas crenças e ideias desta época. Ou seja, sofremos forte influência do Zeitgeist, o espírito do nosso tempo. O estilo da Arte em cada época nos mostra claramente isso. Movimentos libertários pipocaram simultaneamente em vários lugares do mundo muito antes da evolução dos meios de comunicação. Como explicar isto?

Weltanschauung é uma filosofia ou visão de vida particular, a visão de mundo de um indivíduo ou grupo. Assim os pensamentos são condicionados por esta visão de mundo que, por sua vez, é baseada nos valores de cada pessoa ou grupo.

Deste modo, a primeira hipótese para a origem dos nossos pensamentos vem da submissão total ao Zeitgeist da época e ao Weltanschauung do grupo.

O filósofo espanhol José Ortega y Gasset é o autor da famosa frase:

– “O homem é o homem e a sua circunstância”.

Filósofo espanhol José Ortega y Gasset

Para Ortega y Gasset, não é possível considerar o ser humano como sujeito ativo sem levar em conta simultaneamente tudo o que o circunda, incluindo o contexto histórico em que se insere.

Como superar esta circunstância, ou Zeitgeist e Weltanschauung, para ser realmente livre no pensar?

Voltarei ao tema…

Deixe um comentário

Arquivado em Arte, Ciência, Filosofia, Geral, Gestão de Pessoas, linkedin, Psicologia

Carta Aberta para a Nova Esquerda Brasileira

A esquerda brasileira perdeu o rumo e morreu. Foi soterrada pela avalanche causada pela chegada ao poder da aliança dos neoliberais com a ultradireita. Por outro lado, engana-se quem pensa que este processo é irreversível. A esquerda brasileira pode voltar a ter um papel importante na política brasileira desde que faça as escolhas corretas.

Quando Karl Marx escreveu “O Capital”, estava clara a ascensão do proletariado industrial na Europa. Formou-se uma grande massa operária, trabalhando longas jornadas, muitas vezes em condições insalubres, sem direitos e com baixa remuneração.

A esquerda apresentou-se como uma alternativa aos explorados do século XIX e início do século XX. Uma série de revoluções levaram a esquerda ao poder em diversos países antes da metade do século passado, sendo a União Soviética a maior referência.

Meninos trabalhadores em uma mina de carvão nos Estados Unidos em 1900 (Fonte: www.motherjones.com)

O Comunismo Soviético morreu no final dos anos 80. Simbolicamente a data que aparece na sua lápide é 9 de novembro de 1989, quando o Muro de Berlim foi derrubado pelo povo.

Por outro lado, o Liberalismo também está morto! Morreu entre as duas Grandes Guerras Mundiais do século passado. Na sua lápide, aparece a data da morte – 24 de outubro de 1929, dia conhecido como Black Thursday, quando a Bolsa de New York quebrou.

Até os anos 70, antes da crise do petróleo, ninguém voltou a falar seriamente em liberalismo. O Estado tinha um papel importante na regulação da economia. Com a ascensão de Thatcher no Reino Unido e Reagan nos Estados Unidos, a direita e os neoliberais se fortalecem e começa o processo de desregulamentação da economia com o favorecimento de grandes conglomerados econômicos. Assim, o capitalismo financeiro e grandes empresas multinacionais tornam-se, muitas vezes, mais poderosos do que Estados.

O que vemos hoje aqui no Brasil (e na maior parte do planeta) é a compra do setor político pelo setor econômico: leis são alteradas, isenções fiscais acertadas, grandes obras definidas, enquanto que os interesses da sociedade são relegados ao segundo plano. Simultaneamente, as ideias de que a economia deve ser desregulamentada e direitos previdenciários e trabalhistas suprimidos são vendidas como se fossem benéficas para a sociedade, mas só favorecem os muito ricos, porque o setor econômico também compra a mídia e a cultura.

Atualmente há mais informação disponível do jamais se sonhou durante a história da humanidade. Por outro lado, analisa-se menos e pensa-se menos sobre estas informações. Primeiro compartilha-se, depois ofende-se com quem argumentou contra. E nunca a veracidade das informações é verificada antes do compartilhamento, simplesmente porque apoiam convicções pessoais.

Se a proposta da esquerda brasileira for retirar a família Bolsonaro do poder, só posso afirmar que isso é muito pouco. Setores liberais e lavajatistas da extrema direita também podem defender a mesma bandeira.

A Nova Esquerda brasileira deve unir-se e preparar uma proposta clara para o país.

Antes de mais nada, deve-se ter ampla liberdade e proteção para as minorias. A democracia não é a ditadura da maioria. Na democracia, diferentemente da ditadura, quem é ou pensa diferente tem seus direitos garantidos.

O Brasil já oferece a universalização da educação até os 17 anos às crianças e jovens. É chegado o momento de universalizar a educação de qualidade que forme seres humanos livres. Servos acreditam que só há um modo de pensar ou expressar-se através da cultura, rejeitam a diversidade. Quem é livre não precisa de líderes messiânicos na política ou na religião. Além disto, saúde também se aprende, educação é que realmente cura. A medicina atual busca prioritariamente a cura das doenças e menos a salutogênese ou promoção da saúde. Pessoas educadas, com hábitos saudáveis, reduzem a demanda aos serviços de saúde.

A busca pela economia circular pode colocar o Brasil na vanguarda do mundo pela abundância de recursos naturais disponíveis. Por exemplo, o Brasil possui uma baixa geração de energia elétrica através de painéis solares apesar de contar com um potencial incrível. Se compararmos com a Alemanha, a pior região do Brasil é melhor do que a região mais favorável da Alemanha, país europeu líder na aplicação desta tecnologia. Através de investimentos em tecnologia, poder-se-ia fazer o ciclo completo: produção, uso, desmontagem, recuperação de metais e componentes para a produção de novos painéis. Veja a figura abaixo.

Economia circular (Fonte: Parlamento Europeu)

Outro ponto importante é o auxílio às comunidades em áreas de preservação para o desenvolvimento de negócios sustentáveis (econômica, social e ambientalmente). Assim estas comunidades ajudariam na preservação dos ecossistemas, através do ecoturismo, artesanato e atividades extrativas sustentáveis.

Iniciativas sociais, cooperativas e pequenas empresas devem ser incentivadas e protegidas. Treinamentos específicos devem ser oferecidos para empreendedores e cooperativados. Deste modo, poder-se-ia criar uma porta de saída digna para os beneficiários do Bolsa Família.

O desenvolvimento econômico não deve ser jamais dissociado do desenvolvimento social e da preservação ou recuperação do meio ambiente!

A segurança pública é uma das maiores preocupações da população, especialmente nos grandes centros urbanos do país. Deve haver uma discussão profunda de como mitigar suas consequências. Não se pode simplesmente dizer que é uma questão social e será resolvida somente por esta via.

Para finalizar, a Nova Esquerda deve evitar práticas nefastas como o clientelismo e fisiologismo político. A transparência deve ser uma das posturas mais importantes da administração pública. Como diz o velho provérbio romano:

– “À mulher de César não basta ser honesta, deve parecer honesta”.

Como a mulher de César, um político (especialmente de esquerda) deveria estar acima de qualquer suspeita. Relações não ortodoxas entre o público e o privado devem ser evitadas.

Podemos dividir a atividade humana em três setores: político-jurídico, econômico e cultural-social. Estes setores deveriam ser totalmente independentes. O setor econômico deve financiar os dois outros setores através dos impostos transparentemente.

Devemos separar totalmente estes três setores para termos um futuro mais justo e sustentável. Seguindo o ideário da Revolução Francesa, queremos ter Liberdade na cultura, Igualdade na política e Fraternidade na economia.

Deixe um comentário

Arquivado em Ética, Economia, Educação, Geral, Meio Ambiente, Política