Arquivo da tag: Filhos

O namorado novo tem filhos? E agora?

Há pouco tempo uma amiga me procurou cheia de dúvidas no relacionamento, porque o namorado tem um filho e deixa ela de lado nos finais de semana que está com o garoto, não deixando ela fazer parte dos programas e passeios. Como ela ficava cada vez mais paranoica com o que lia na internet, resolvi falar sobre isto.

images

Passei por uma situação parecida, por isto ela logo pensou em mim. Quando comecei a namorar meu marido, ele estava se divorciando do primeiro casamento (isto já não é um bom sinal, mas se você não puder evitar, continue lendo…). Ele tinha um filho pequeno de 6 anos. Inicialmente eu não o via nos finais de semana que ele estava com a criança e não entendia bem isto. Para mim a criança tinha que “entender” o pai, perceber que estava tudo melhor sem brigas em casa, etc. Claro que não é assim. Não podemos exigir maturidade de uma criança.

Hoje, com filhos, consigo entender bem melhor. A cabecinha das crianças funciona bem diferente. Algumas até se culpam pelo divórcio.

Bem, cada caso é um caso… Vale então observar algumas coisas:

– O namoro é recente?

Ele está certo em não incluir você nos passeios. Melhor proteger a criança. Imagina se a cada nova namorada, que pode sumir em 2 semanas, ele apresenta para a criança? Péssimo exemplo… Então ele está sendo um bom pai, este cara é bom! Filhos são mais importantes, sempre. Você pensará assim depois de ter os seus.

Não insista, só deixe claro que, quando ele se sentir pronto, você topa e fica feliz com a ideia. Isto mostra o quanto você se importa com eles.

– Já estão juntos a bastante tempo (8 meses pelo menos)?

Tudo tem um limite… Se vocês já estão juntos a tanto tempo e ele te esconde, inclusive da família, larga o osso e procura algo melhor. Desapega!! Impossível ser tão lerdo, ele não te ama.

Quando chegar o momento:

– A criança é pequena (menor de 4)?

Este é um bom motivo para a demora ser maior… Elas se apegam mais facilmente. Se o namoro acaba, é sempre uma perda para a criança, então é bom ter certeza de que o namoro é sério.

Costuma ser mais tranquilo nesta idade. A criança se adapta mais fácil às novas situações. Claro que depende muito dos pais. Se a preocupação deles for o bem estar dos filhos, farão de tudo para que a criança se sinta bem e se adapte à nova realidade.

Seja alegre e carinhosa. Os pequenos precisam de carinho sempre. Só tome cuidado para ser sempre uma nova amiga e não outra mãe. Mãe é a ex, ela que ficou madrugada acordada cuidando, que amou desde que o bebê estava na barriga. Seja legal, só isto. Agora, se ele for viúvo, aí sim você pode ser o exemplo feminino que está faltando na criação da criança. Permita-se amar.

– A criança é maiorzinha (de 4 a 10)?

Costuma ser a fase mais difícil. Onde não há ainda a maturidade para entender que os pais não são “um só”, nem exclusividade deles, que têm individualidade e que a família pode não estar tão saudável quanto deveria. Muitos acostumam-se com as brigas e ainda levam este exemplo para a vida toda. Ainda assim, se os pais forem conscientes, na hora que se divorciam, fazem de tudo para que a criança não se sinta culpada. Quer coisa pior que um ficar colocando o filho contra o ex ou a ex? Acredite, acontece muito. Haja terapia…

Se o relacionamento vai muito bem obrigado e ele quer que vocês se conheçam, tome alguns cuidados. Tenha consciência que você não é a mãe, mesmo que tenha o instinto materno gigante… Não faça competição.

– A criança já é um pré-adolescente?

Esta fase é dúbia. Por um lado, poderia ser mais fácil por já serem mais individuais e crescidos. Se tiveram um bom relacionamento com os pais, se sempre foram tratados com respeito, conversaram sobre suas dúvidas, tendem a compreender e por mais que doa a separação (sempre dói, até para quem está infeliz no casamento) irão se esforçar para ajudar os pais. Porém, se estiverem naquela fase “os outros são egoístas, me detestam, só me fazem sofrer”, aí é punk… Boas chances de ser um inferno pra todo mundo. Você terá que conquistar a confiança e isto é muito difícil. Nem tente comprar com presentes! Eles percebem a manipulação e aí nunca sentirão confiança.

Eu cometi alguns erros. Um deles foi me manter afastada da criança, numa distância “segura”. Sempre mantive a cordialidade, mas na minha cabeça, se eu me aproximasse mais (ou fosse carinhosa), poderia passar a imagem de estar tentando tomar o lugar da mãe, e isto eu não queria. Não queria nem que ele gostasse de mim, pois se sentiria traindo a mãe e ele sofreria. Não queria que ele tivesse que lidar com mais isto… Já lidava com bronca demais. Mas hoje tenho dúvidas se agi certo ou não. Afinal, crianças querem se sentir amadas.

Bom, este texto foi baseado em experiências próprias e de amigas. Não são regras e nem foram baseadas em artigos de psicologia. Se quiser compartilhar sua experiência ou dúvidas, deixe um recado. A gente se ajuda… 😉

Mais uma coisinha, se ele já te apresentou para os filhos, para a família e você participa de alguns eventos, ótimo! Porém, é importante entender que momentos 100% só com os filhos é essencial, assim como você quer momentos 100% só com ele.

dia do livro DIA DOS PAIS

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Geral, Psicologia

Quando nos sentimos pais

No curso sobre parto humanizado, todos os homens eram marinheiros de primeira viagem com exceção deste blogueiro. Ouvi os comentários deles sobre os filhos que nasceriam brevemente e ninguém estava seguro de como seria a vida pós-parto.

No alto da minha experiência de pai por duas vezes a espera de uma nova filha, fiz alguns comentários. Em primeiro lugar, a maior mudança na vida dos casais não é o casamento; são os filhos! A partir do nascimento, perdemos aquela irresponsabilidade gostosa de fazer o que passar pela cabeça:

– Praia deserta? Com o bebê, nem pensar…
– Balada de noite? Onde deixar o bebê?
– Viagens? Tem que levar tanta coisa…
– Restaurante? E se o choro incomodar os outros clientes?

Não falei outra coisa para o pessoal naquele dia, porque alguém poderia estar nesta situação:

– Filho não salva casamento! Por sinal, normalmente filhos aceleram o fim dos casamentos problemáticos…

Na sequência, copiei o Poema Enjoadinho do “Poetinha” Vinicius De Moraes sobre filhos, assunto que ele afinal entendia bem (teve 5 filhos). Você pode assistir à apresentação do inesquecível Paulo Autran.

Filhos… Filhos?
Melhor não tê-los!
Mas se não os temos
Como sabê-los?
Se não os temos
Que de consulta
Quanto silêncio
Como os queremos!
Banho de mar
Diz que é um porrete…
Cônjuge voa
Transpõe o espaço
Engole água
Fica salgada
Se iodifica
Depois, que boa
Que morenaço
Que a esposa fica!
Resultado: filho.
E então começa
A aporrinhação:
Cocô está branco
Cocô está preto
Bebe amoníaco
Comeu botão.
Filhos? Filhos
Melhor não tê-los
Noites de insônia
Cãs prematuras
Prantos convulsos
Meu Deus, salvai-o!
Filhos são o demo
Melhor não tê-los…
Mas se não os temos
Como sabê-los?
Como saber
Que macieza
Nos seus cabelos
Que cheiro morno
Na sua carne
Que gosto doce
Na sua boca!
Chupam gilete
Bebem xampu
Ateiam fogo
No quarteirão
Porém, que coisa
Que coisa louca
Que coisa linda
Que os filhos são!

Vinícius de Moraes

Vinícius de Moraes

O segundo ponto, que comentei com os homens do curso, é mais polêmico. Quando nos sentimos pais? Os bebês estão no ventre materno durante nove meses. A futura mãe, na verdade, já se sente mãe desde o momento em que sabe que está grávida. No caso do pai, é bem diferente… O feto está se desenvolvendo externamente, sem contato direto com o pai e, na verdade, nós homens só os reconhecemos como nossos filhos quando eles nascem. E pior, nosso amor por eles não é instantâneo, cresce progressivamente. O sentimento fica cada dia mais forte, até nós não termos dúvidas que a vida do nosso filho é mais importante do que a nossa própria. É o amor incondicional do final do poema do Vinicius:

Que coisa louca
Que coisa linda
Que os filhos são!

Colegas pais, não sintam culpa por construirmos nosso amor pelos filhos de forma diferente do que nossas mulheres! Nossa natureza é diferente, nosso ritmo é diferente, percebemos o mundo de forma diferente… Mas ninguém nos acuse de amar menos nossos filhos…

Meus amorzinhos Júlia e Luiza

Meus amorzinhos Júlia e Luiza

3 Comentários

Arquivado em Arte, Filosofia, linkedin, Literatura, Psicologia