Arquivo da tag: paz

A Sérvia e a Eleição Presidencial Brasileira

A primeira ideia, que vem à mente ao ler o título deste artigo, é a existência de uma conspiração do governo sérvio para interferir no resultado das eleições presidenciais brasileiras. Seria algo similar ao feito pelos russos no pleito que elegeu Donald Trump presidente dos Estados Unidos? De acordo com meu conhecimento, não existe atuação da Sérvia nas nossas eleições. Você deve estar pensando sobre o motivo deste título exótico.

No início de agosto, passei uma semana na Sérvia. Na medida que a intimidade e confiança mútuas começam a crescer, assuntos sensíveis como a Guerra dos Balcãs podem ser conversados. Fiquei surpreso quando descobri que a maioria das pessoas que eu conversava tinham suas origens em diferentes países da antiga Iugoslávia. Alguns tinham família na Croácia, outros na Bósnia ou Montenegro. A pergunta é óbvia, se não existem etnias puras sérvias, croatas ou montenegrinas, por que a rivalidade entre as regiões da antiga Iugoslávia cresceu aponto de acontecer uma guerra tão sangrenta?

Por um lado, líderes inescrupulosos almejaram consolidar seus poderes. Por outro lado, sempre existem interesses econômicos por trás de guerras. Um dos meus interlocutores na Sérvia contou-me que, como estava próximo à fronteira com a Croácia, assistia aos noticiários dos dois lados. Nos telejornais croatas, os sérvios eram bandidos assassinos; nos telejornais sérvios, os croatas eram os carniceiros. Assim o ódio foi crescendo nos dois lados, as atrocidades foram se acumulando, bem como o desejo de vingança de um lado em relação ao outro.

Former_Yugoslavia_2006

Antiga Iugoslávia e as atuais repúblicas

Guardadas as devidas proporções, observamos algo parecido no Brasil. O ódio em relação aos políticos tradicionais e, principalmente, ao Partido dos Trabalhadores (Lula em especial) parece ter cegado e ensurdecido boa parcela da população brasileira. Não importam os argumentos racionais ou quaisquer bons e puros sentimentos, só o ódio e a vingança valem.

Como pode alguém que mais de uma vez insultou mulheres em público receber votos de mulheres? Como pode alguém que já minimizou perdas de vidas inocentes, prega o endurecimento da violência policial e fez elogios à tortura e torturadores receber votos de pessoas que vivem em zonas de risco? Como pode o companheiro de chapa de um candidato à presidência falar contra o décimo terceiro salário, entre outros direitos trabalhistas, receber votos de trabalhadores assalariados pobres?

O mesmo acontece em relação ao outro lado. Como pode alguém votar no candidato de um partido que se afundou na corrupção, que tanto criticava, para angariar fundos para se manter no poder? Como pode alguém votar no candidato de um partido que, apesar de todas as evidências, foi incapaz de fazer um mea-culpa e prometer que daqui para frente os procedimentos serão diferentes?

Diferente das últimas eleições presidenciais, não estamos escolhendo entre um projeto mais liberal e outro mais intervencionista, ou entre um projeto mais orientado ao econômico e outro mais voltado ao social. A questão nem está relacionada ao populismo.

Na verdade, temos um candidato que já criticou abertamente minorias (índios, quilombolas e gays) e cuidados na área ambiental, ameaçando os direitos humanos e a proteção ao meio ambiente. Alguém que já disse que vai acabar com o ativismo. Alguém que simpatiza com regimes de exceção, cercado por militares da reserva que também simpatizam. Alguém que já disse que vai propor o aumento do número de ministros do STF de 11 para 21, provavelmente para controlar as decisões desta corte. Alguém que está procurando um ministro da educação que tenha autoridade, expulse a filosofia de Paulo Freire das escolas e mude os currículos escolares. Alguém que defende a fusão do ministério da agricultura com o do meio ambiente. Este é Jair Bolsonaro que, se eleito, deverá ter o apoio do Congresso mais conservador dos últimos 30 anos. Ou seja, ele poderá aprovar suas propostas no Câmara dos Deputados e Senado.

No ano passado, escrevi um artigo, onde comentava o desequilíbrio pelo qual nosso mundo está passando. Abaixo transcrevo um trecho.

O economista britânico Guy Standing, no seu livro “O Precariado – A Nova Classe Perigosa” (The Precariat: The New Dangerous Class), descreve a formação e crescimento de uma nova classe, o “precariado”, com o avanço da globalização neoliberal. Segundo Standing:

“O precariado é definido pela visão de curto prazo e, induzida pela baixa probabilidade de progresso pessoal ou de construção de uma carreira, pode verificar-se uma evolução massificada no sentido da incapacidade de pensar a longo prazo.”

“Aqueles no precariado têm vidas dominadas por inseguranças, incertezas, dúvidas e humilhações.”

“As pessoas inseguras deixam as outras furiosas e as pessoas com raiva são voláteis, propensas a apoiar uma política de ódio e amargura.”

Precariat_Guy Standing

Esta explicação sobre o precariado justifica uma porção expressiva dos votos em Bolsonaro no primeiro turno.

Existe uma palavra em alemão, Weltanschauung, que pode ser livremente traduzida como visão de mundo. Segundo o Wikipédia,

Weltanschauung é um conjunto ordenado de valores, crenças, impressões, sentimentos e concepções de natureza intuitiva, anteriores à reflexão, a respeito da época ou do mundo em que se vive. Em outros termos, é a orientação cognitiva fundamental de um indivíduo, de uma coletividade ou de toda uma sociedade, num dado espaço-tempo e cultura, a respeito de tudo o que existe – sua gênese, sua natureza, suas propriedades. Uma visão de mundo pode incluir a filosofia natural, postulados fundamentais, existenciais e normativos, ou temas, valores, emoções e ética.

Os decepcionados, os enraivecidos e os desesperançados escolheram, sem refletir, Jair Bolsonaro como sua opção para presidente, segundo sua Weltanschauung.

Não votei no primeiro turno em Fernando Haddad, principalmente, devido ao envolvimento de seu partido, PT, em corrupção. Neste segundo turno, não vejo outra opção. Bolsonaro representa um retrocesso social e político perigoso. Só nos resta, nestas duas semanas antes das eleições, conversar com amigos, parentes e demais pessoas do nosso convívio. Devemos refletir sobre o que significa a vitória de projeto ultraconservador como o Bolsonaro. Este processo deve ser realizado na paz, sem ódio, porque o ódio só alimentará mais a certeza que Bolsonaro é a melhor alternativa neste momento do nosso país. Lembremos dos sérvios, croatas e bósnios…

Bolsonaro_Haddad

Bolsonaro e Haddad no domingo da votação. [Fonte: El País]

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Ética, Educação, Filosofia, História, linkedin, Meio Ambiente, Política, Psicologia, Segurança

As Surpresas de 2016, as Bolhas e o Algoritmo da Felicidade de Mark Zuckerberg

Este ano de 2016 foi fora do normal! Muitos fatos surpreendentes ocorreram e nossa sensação de que é possível prever o futuro ficou muito abalada. Comentarei três episódios da política internacional neste post.

Em junho, os eleitores do Reino Unido optaram pela saída do país da União Europeia, apelidada como Brexit. A vitória foi apertada: 51,9% dos eleitores votaram “sim”; e 48,1%, “não”. O mapa abaixo mostra que a Escócia, Irlanda do Norte e a região de Londres votaram contra a saída da União Europeia, enquanto que o interior da Inglaterra e País de Gales votaram a favor.

united_kingdom_eu_referendum_2016_voting_regions_results

Mapa Reino Unido – Legenda: em azul a favor do Brexit; e em amarelo, contra  (Fonte: Wikipedia)

Mas a maior divisão não foi geográfica; e sim, etária. Veja está pesquisa apresentada no site da BBC. Os mais jovens majoritariamente desejavam a permanência na União Europeia.

brexit-age-bbc

Brexit – Intenção de voto por faixa etária (Fonte: BBC)

Como o Brexit foi aprovado? O próximo gráfico publicado pelo The Independent ajuda a entender melhor o resultado deste plebiscito. A largura de cada barra é proporcional à população. A barra amarela são os contrários ao Brexit e a azul representa os favoráveis. A barra hachurada representa as pessoas não registradas e as pessoas que não compareceram às urnas.

brexit-age-turnout-independent

Brexit – Intenção de voto por faixa etária e abstenção (Fonte: The Independent)

Apenas 36% da população entre 18 e 24 anos e 58% entre 25 e 34 anos votaram no plebiscito. Por outro lado, os mais velhos foram maciçamente às urnas: 81% entre 55 e 64 anos e 83% das pessoas com mais de 64 anos. Os maiores interessados, as pessoas que trabalharão pelos próximos trinta ou quarenta anos, não se mobilizaram para defender sua vontade. Provavelmente este perfil de abstenção muito diferente por faixa de idade causou o erro nas pesquisas pré-eleitorais britânicas. O quadro abaixo resume como foi a votação por faixa de idade. Por outro lado, as projeções favoráveis à rejeição do Brexit podem ter desmobilizado os eleitores contrários à proposta. Após a divulgação dos resultados, houve revolta e pedido para realização de um novo plebiscito.

brexit-age-bands-infographic

O Brexit e a idade dos eleitores (Fonte: https://peterjamesthomas.com/)

No início de outubro, outro resultado surpreendeu o mundo. O acordo de paz entre o governo colombiano e as Farc, que colocaria um ponto final a uma guerra de mais de meio século de duração com mais de duzentas mil mortes, foi rejeitado por apenas 54 mil votos. No plebiscito, o “não” recebeu 50,2% dos votos.

colombia_choque_resultado

Pessoas chocadas com o resultado do plebiscito sobre a paz com as Farc na Colômbia (Fonte: BBC)

O mapa abaixo mostra como foi a votação na Colômbia. Destaca-se o resultado no Departamento de Antioquia, cuja capital é Medellín. A propaganda pelo “não” foi muito forte nesta região e garantiu uma vitória por uma margem de mais de 400 mil votos.

colombia_farc_peace_vote_map_bbc

Resultado da votação do plebiscito por departamento da Colômbia  (Fonte: BBC)

A abstenção foi muito alta para uma decisão desta importância – 62,6%. Muitas pessoas ficaram chocadas com o resultado e disseram que estavam tranquilas, porque as pesquisas apontavam para a vitória do “sim”. Felizmente novas rodadas de negociações entre o governo colombiano e as Farc foram realizadas e um novo acordo de paz foi elaborado e, posteriormente, aprovado pelo Congresso da Colômbia.

Para coroar o ano, em novembro, aconteceu a quase inacreditável vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais americanas. Apesar de Hillary Clinton ter recebido cerca de 2,86 milhões de votos a mais do que Trump, ele foi vencedor por conquistar mais delegados nos estados, conforme a regra eleitoral dos Estados Unidos.

Com raras exceções, o candidato que vencer a eleição em um estado leva todos os seus delegados. O candidato que obtiver o maior número de delegados é eleito presidente. O mapa abaixo, onde o tamanho de cada quadrado representa o número de delegados em disputa, mostra o resultado da eleição americana e ajuda a entender a sua regra.

presidential-electios-usa_bbc

Eleição presidencial americana 2016  (Fonte BBC)

Os três próximos gráficos, copiados do site da BBC, mostram as intenções de votos para presidente de acordo com gênero, raça e idade.

us_elections_2016_polls_gender

Eleições americanas – intenções de voto por gênero

 

us_elections_2016_polls_race

Eleições americanas – intenções de voto por raça

 

us_elections_2016_polls_age

Eleições americanas – intenções de voto por faixa etária

A conclusão, após ver estes gráficos acima, é óbvia – homens brancos de meia idade elegeram Donald Trump como presidente do Estados Unidos. Mas este grupo específico não é o majoritário da população americana. Se todas as mulheres que declararam seu voto para Hillary comparecessem às urnas, por exemplo, dificilmente Trump venceria. Provavelmente a abstenção dos eleitores de Trump foi muito menor do que de Hillary… Sites, como FiveThirtyEight, traziam a confiança na vitória de Hillary no dia da eleição (veja a figura abaixo).

O cineasta Michael Moore, quase quatro meses antes da eleição, publicou uma carta no seu site intitulada “5 motivos pelos quais Donald Trump será o próximo presidente dos Estados Unidos”. Você pode ler o texto original, clicando no link abaixo.

http://michaelmoore.com/trumpwillwin/

Ou pode ler a tradução desta carta para o português através deste link.

http://www.brasilpost.com.br/michael-moore/donald-trump_b_11217240.html

Michael Moore acertou em cheio suas previsões. A mais decisiva foi a vitória de Trump nos estados de Michigan, Ohio, Pensilvânia e Wisconsin. O Nafta (Acordo de Livre Comércio da América do Norte), apoiado por Hillary Clinton, ajudou a transferir os empregos industriais destes estados para o México. Trump explorou politicamente estes fatos, prometendo represálias para as empresas americanas que fechassem fábricas nos Estados Unidos para abrir no México ou na China. Os outros quatro motivos eram a ameaça à predominância dos homens brancos na política, a impopularidade de Hillary Clinton, a baixa motivação dos eleitores de Bernie Sanders (candidato derrotado por Hillary nas prévias do Partido Democrata) e o voto de protesto.

Nos primeiros parágrafos da sua carta, Moore escreve sobre as pessoas que menosprezam as suas previsões:

Infelizmente, você está vivendo numa bolha anexa a uma câmara de eco, onde você e seus amigos vivem convencidos de que o povo americano não vai eleger um idiota como presidente.

Na verdade, as redes sociais criaram milhões de bolhas, onde nos aproximamos das pessoas que pensam parecido e nos afastamos daqueles que têm opiniões opostas. No Facebook de Mark Zuckerberg, foi criado um algoritmo chamado EdgeRank (figura abaixo),

edgerank-2016

Ou seja, se clicarmos, curtirmos ou comentarmos frequentemente as publicações de um amigo, maior será a afinidade e veremos majoritariamente suas atualizações. Se a publicação for curtida, comentada ou compartilhada por muitos amigos, se tornará visível para mais pessoas por mais tempo. Com o passar do tempo, as publicações mais novas terão prioridade e serão exibidas à frente das mais antigas.

A afinidade acaba criando bolhas dentro do Facebook. As motivações desta afinidade podem ser familiares, religiosas, esportivas, causas comuns ou políticas. Não importa, você vai receber novas informações com a mesma visão de mundo das pessoas que pensam parecido com você. Por que Mark Zuckerberg fez isso? Em minha opinião, ele queria criar uma rede social, onde as pessoas sentissem prazer ao ficar muito tempo nela. Se você entra na rede e se irrita na primeira atualização que lê, existe o risco de afastar-se por um bom tempo. Por outro lado, fica mais fácil traçar os perfis dos usuários e suas preferências quando já estão classificados dentro de seus silos específicos. Ou seja, Zuckerberg criou uma ótima ferramenta para maximizar seus lucros, mas novos efeitos colaterais foram criados na sociedade – o aumento da segregação e polarização.

Estas bolhas da Internet ajudaram na vitória do Brexit no Reino Unido, na rejeição do acordo de paz na Colômbia e na vitória de Donald Trump nos Estados Unidos. Afinal “todos meus amigos do Facebook iriam votar como eu, por isso não acredito no resultado desta eleição”.

Daniel Kahneman apresenta, no best-seller “Rápido e Devagar”, uma série de vieses cognitivos (padrões de distorção dos julgamentos). O viés de confirmação é a tendência de buscar informações que confirmem nossa forma de pensar, nossa visão de mundo e, até mesmo, nossos preconceitos. Questionar nossos posicionamentos e opiniões exige um grande esforço de nosso cérebro. Por outro lado, se deixar levar pelo viés de confirmação é fácil e indolor. Ouvir sempre as mesmas pessoas, ler as mesmas revistas e interagir com os mesmos grupos no Facebook ou Twitter só sedimentam as nossas certezas, sem questionamentos.

As redes sociais que ajudaram a vencer as distâncias entre amigos que não se encontram há tempos, agora poderão separá-los definitivamente apenas por terem opiniões divergentes na política.

Deixe um comentário

Arquivado em Geral, Gestão de Pessoas, História, Lazer, linkedin, Política, Psicologia