Arquivo da tag: personalidade

Fragmentados – Somos Kevin Crumb

Quem assistiu ao Filme “Fragmentado” de M. Night Shyamalan ficou espantado com o número de personalidades diferentes do personagem principal, Kevin Wendell Crumb. O ator James McAvoy representou incrivelmente algumas das 24 personalidades de Crumb, desde o menino Hedwig de 9 anos, passando pela adolescente Jade, o designer de moda Barry e pelo violento Dennis até chegar à mortal Besta.

James McAvoy interpretou as diferentes personalidades de Kevin Wendell Crumb.

Talvez haja surpresa ou contrariedade com o que apresentarei a seguir, mas todos nós somos fragmentados. Somos pelo menos um fragmento com nossos pais (às vezes, um diferente para o pai e outro para a mãe). Somos pelo menos um fragmento diferente com nossos filhos (às vezes, um diferente para cada um). Somos um outro fragmento com nosso esposo ou nossa esposa. Somos pelo menos um fragmento no trabalho. Muitos agem de uma forma com o chefe; de outra, com os pares; e ainda de outra, com os subordinados. E assim por diante, somos fragmentos diferentes na escola, no futebol, com os amigos… E há aqueles que se parecem com a personalidade Besta de Kevin Crumb quando estão interagindo nas redes sociais da Internet.

Eu nem falei dos efeitos da autoridade e do poder que geram outros fragmentos nas pessoas.

Se concordarmos que em cada papel que exercemos temos comportamento diferente e agimos como se fôssemos outra pessoa, ficará mais fácil aceitar que consideramos nossa própria fragmentação como natural e necessária. Mesmo assim vivemos em conflito, não estamos satisfeitos com o trabalho, com as relações e assim por diante. Sentimos, muitas vezes, um tédio e um vazio interior preenchido com diversões e drogas lícitas ou ilícitas.

A aceitação do pensamento sobre a naturalidade e inevitabilidade da fragmentação da vida torna naturais outras formas de fragmentação no mundo como, por exemplo, nacionalidades, etnias, religiões, ideologias e classes sociais. Nestes casos, a fragmentação gera a divisão e distanciamento do “nós” e “outros”. Estes “outros” são muitas vezes desumanizados pelo “nós”. O resultado final é o ódio e sua contínua realimentação.

Como podemos desejar um mundo com paz e menos iniquidade, se nós mesmos vivemos em eterno conflito e admitimos a naturalidade da fragmentação em nós e no mundo?

Fica claro que, sem resolver o problema dos conflitos no indivíduo, não solucionaremos os conflitos no mundo.

Afinal quem nós realmente somos?

Felizmente temos mais controle sobre nossos fragmentos (papéis e personalidades) do que o personagem Kevin Crumb. O poema “If” de Rudyard Kipling nos passa a mensagem que ao nos comportarmos de modo digno e único, não importando a situação ou ambiente, seremos um ser humano integral.

If you can fill the unforgiving minute

With sixty seconds’ worth of distance run

Yours is the Earth and everything that’s in it,

And – which is more – you’ll be a Man, my son.

Precisamos estar atentos a nossa forma de pensar e agir para tornarmo-nos uma única pessoa ao invés de um grande mosaico de pequenos cacos zumbis. Só assim nos pacificaremos internamente e, externamente, levaremos esta paz e a justiça aos nossos lares e ao mundo.

Deixe um comentário

Arquivado em Arte, Ética, Cinema, Filosofia, Geral, Gestão de Pessoas, linkedin, Psicologia

As Pessoas são Diferentes – Que Bom!!!

Há pouco de um mês, todos funcionários do Brasil da área da empresa em que trabalho fizeram o teste MBTI (Myers-Briggs Type Indicator). O teste foi criado por Katharine Cook Briggs e sua filha Isabel Briggs Myers, com base nas teorias de Carl Jung sobre os Tipos Psicológicos.

jung_myers_briggs

O primeiro ponto do teste refere-se à atitude, a pessoa pode ser introvertida (I) ou extrovertida (E). A pergunta para determinar a sua classificação é simples:

– Como você recarrega suas baterias, sozinho ou com os amigos?

Os introvertidos precisam de um tempo sozinhos e são voltados para as ideias e pensamentos, enquanto os extrovertidos são voltados para a ação, não aguentam ficar parados sem fazer alguma coisa. Quanto mais introvertida, menos sociável será a pessoa. Por outro lado, as pessoas muito extrovertidas são aquelas que se sentem em casa até numa reunião com desconhecidos.

O próximo ponto tem a ver com a forma que enxergamos e interpretamos o mundo. A pessoa pode ser sensorial (S) ou intuitiva (N). Se você é sensorial, acreditará naquilo que vê e escuta ou em fatos e dados concretos. Os intuitivos interpretam os dados de acordo com seus valores e crenças, procuram enxergar o que está por trás dos fatos.

A próxima função diz respeito à forma como nossas decisões são tomadas. Se você usa a lógica e a razão, então é racional (T de Thinking), mas se você decide com base no sentimento, será sentimental (F de Feeling). O sentimental preocupa-se com o impacto da decisão nos outros. Quanto mais racional for a pessoa, menos sensível ela será ao sofrimento dos outros.

Katharine Briggs e Isabel Myers introduziram mais uma dimensão. A pessoa pode ser julgadora (J), se ficar confortável apenas quando as decisões são tomadas, ou perceptiva (P), se ficar tranquila com opções em aberto. Os julgadores são mais organizados, planejam melhor, mas não gostam de mudanças de última hora. Os perceptivos são mais adaptáveis e preferem mudanças ao invés de um ambiente estável,

O quadro abaixo resume as quatro dimensões e suas dicotomias.

type_preferences_table

Combinando estas quatro dimensões com suas dicotomias, teremos 16 tipos de personalidades, conforme a figura abaixo.

MBTI- types

No meu grupo de trabalho, composto por nove pessoas, há sete tipos diferentes de personalidade. Sem dúvida, é uma belíssima diversidade… O importante de fazer este exercício juntos é reconhecer que somos diferentes, recarregamos as baterias de forma diferente, vemos o mundo de forma diferente, tomamos decisões de forma diferente e ficamos mais ou menos confortáveis com as mudanças. O tipo de personalidade não faz um profissional ser melhor ou pior, apenas diferente. A reunião de profissionais com tipos diferentes de personalidade pode trazer efeitos sinergéticos e evitar aquele consenso fácil que pode empurrar o grupo para um abismo.

Dilbert_MBTI

Um ponto importante é que os tipos de personalidade não são estáticos. Muitas pessoas, por exigências profissionais, agem muitas vezes de forma diferente no trabalho do que na vida privada. Existe necessidade de decidir de forma mais racional (com base em dados e fatos) do que no feeling, ou trabalhar de forma mais planejada e estruturada do que improvisada.

Com o passar do tempo, nós também podemos ficar mais ou menos introvertidos, podemos confiar mais em nossa intuição e precisar de menos dados que apoiem nossas decisões.

É fundamental perceber que muitos conflitos entre irmãos, pais e filhos e casais, por exemplo, são causados por estas diferenças de personalidade. Muitas vezes esperamos dos outros a mesma resposta que nós mesmos daríamos, mas somos diferentes. Reconhecer estas diferenças aliviam as tensões e nos reaproximam da felicidade.

Para descontrair, veja como seriam as orações de cada tipo de personalidade.

mbti-prayer

 

1 comentário

Arquivado em Ética, Gerenciamento de Projetos, Gestão de Pessoas, linkedin, Psicologia