Arquivo da tag: Hillary Clinton

As Surpresas de 2016, as Bolhas e o Algoritmo da Felicidade de Mark Zuckerberg

Este ano de 2016 foi fora do normal! Muitos fatos surpreendentes ocorreram e nossa sensação de que é possível prever o futuro ficou muito abalada. Comentarei três episódios da política internacional neste post.

Em junho, os eleitores do Reino Unido optaram pela saída do país da União Europeia, apelidada como Brexit. A vitória foi apertada: 51,9% dos eleitores votaram “sim”; e 48,1%, “não”. O mapa abaixo mostra que a Escócia, Irlanda do Norte e a região de Londres votaram contra a saída da União Europeia, enquanto que o interior da Inglaterra e País de Gales votaram a favor.

united_kingdom_eu_referendum_2016_voting_regions_results

Mapa Reino Unido – Legenda: em azul a favor do Brexit; e em amarelo, contra  (Fonte: Wikipedia)

Mas a maior divisão não foi geográfica; e sim, etária. Veja está pesquisa apresentada no site da BBC. Os mais jovens majoritariamente desejavam a permanência na União Europeia.

brexit-age-bbc

Brexit – Intenção de voto por faixa etária (Fonte: BBC)

Como o Brexit foi aprovado? O próximo gráfico publicado pelo The Independent ajuda a entender melhor o resultado deste plebiscito. A largura de cada barra é proporcional à população. A barra amarela são os contrários ao Brexit e a azul representa os favoráveis. A barra hachurada representa as pessoas não registradas e as pessoas que não compareceram às urnas.

brexit-age-turnout-independent

Brexit – Intenção de voto por faixa etária e abstenção (Fonte: The Independent)

Apenas 36% da população entre 18 e 24 anos e 58% entre 25 e 34 anos votaram no plebiscito. Por outro lado, os mais velhos foram maciçamente às urnas: 81% entre 55 e 64 anos e 83% das pessoas com mais de 64 anos. Os maiores interessados, as pessoas que trabalharão pelos próximos trinta ou quarenta anos, não se mobilizaram para defender sua vontade. Provavelmente este perfil de abstenção muito diferente por faixa de idade causou o erro nas pesquisas pré-eleitorais britânicas. O quadro abaixo resume como foi a votação por faixa de idade. Por outro lado, as projeções favoráveis à rejeição do Brexit podem ter desmobilizado os eleitores contrários à proposta. Após a divulgação dos resultados, houve revolta e pedido para realização de um novo plebiscito.

brexit-age-bands-infographic

O Brexit e a idade dos eleitores (Fonte: https://peterjamesthomas.com/)

No início de outubro, outro resultado surpreendeu o mundo. O acordo de paz entre o governo colombiano e as Farc, que colocaria um ponto final a uma guerra de mais de meio século de duração com mais de duzentas mil mortes, foi rejeitado por apenas 54 mil votos. No plebiscito, o “não” recebeu 50,2% dos votos.

colombia_choque_resultado

Pessoas chocadas com o resultado do plebiscito sobre a paz com as Farc na Colômbia (Fonte: BBC)

O mapa abaixo mostra como foi a votação na Colômbia. Destaca-se o resultado no Departamento de Antioquia, cuja capital é Medellín. A propaganda pelo “não” foi muito forte nesta região e garantiu uma vitória por uma margem de mais de 400 mil votos.

colombia_farc_peace_vote_map_bbc

Resultado da votação do plebiscito por departamento da Colômbia  (Fonte: BBC)

A abstenção foi muito alta para uma decisão desta importância – 62,6%. Muitas pessoas ficaram chocadas com o resultado e disseram que estavam tranquilas, porque as pesquisas apontavam para a vitória do “sim”. Felizmente novas rodadas de negociações entre o governo colombiano e as Farc foram realizadas e um novo acordo de paz foi elaborado e, posteriormente, aprovado pelo Congresso da Colômbia.

Para coroar o ano, em novembro, aconteceu a quase inacreditável vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais americanas. Apesar de Hillary Clinton ter recebido cerca de 2,86 milhões de votos a mais do que Trump, ele foi vencedor por conquistar mais delegados nos estados, conforme a regra eleitoral dos Estados Unidos.

Com raras exceções, o candidato que vencer a eleição em um estado leva todos os seus delegados. O candidato que obtiver o maior número de delegados é eleito presidente. O mapa abaixo, onde o tamanho de cada quadrado representa o número de delegados em disputa, mostra o resultado da eleição americana e ajuda a entender a sua regra.

presidential-electios-usa_bbc

Eleição presidencial americana 2016  (Fonte BBC)

Os três próximos gráficos, copiados do site da BBC, mostram as intenções de votos para presidente de acordo com gênero, raça e idade.

us_elections_2016_polls_gender

Eleições americanas – intenções de voto por gênero

 

us_elections_2016_polls_race

Eleições americanas – intenções de voto por raça

 

us_elections_2016_polls_age

Eleições americanas – intenções de voto por faixa etária

A conclusão, após ver estes gráficos acima, é óbvia – homens brancos de meia idade elegeram Donald Trump como presidente do Estados Unidos. Mas este grupo específico não é o majoritário da população americana. Se todas as mulheres que declararam seu voto para Hillary comparecessem às urnas, por exemplo, dificilmente Trump venceria. Provavelmente a abstenção dos eleitores de Trump foi muito menor do que de Hillary… Sites, como FiveThirtyEight, traziam a confiança na vitória de Hillary no dia da eleição (veja a figura abaixo).

O cineasta Michael Moore, quase quatro meses antes da eleição, publicou uma carta no seu site intitulada “5 motivos pelos quais Donald Trump será o próximo presidente dos Estados Unidos”. Você pode ler o texto original, clicando no link abaixo.

http://michaelmoore.com/trumpwillwin/

Ou pode ler a tradução desta carta para o português através deste link.

http://www.brasilpost.com.br/michael-moore/donald-trump_b_11217240.html

Michael Moore acertou em cheio suas previsões. A mais decisiva foi a vitória de Trump nos estados de Michigan, Ohio, Pensilvânia e Wisconsin. O Nafta (Acordo de Livre Comércio da América do Norte), apoiado por Hillary Clinton, ajudou a transferir os empregos industriais destes estados para o México. Trump explorou politicamente estes fatos, prometendo represálias para as empresas americanas que fechassem fábricas nos Estados Unidos para abrir no México ou na China. Os outros quatro motivos eram a ameaça à predominância dos homens brancos na política, a impopularidade de Hillary Clinton, a baixa motivação dos eleitores de Bernie Sanders (candidato derrotado por Hillary nas prévias do Partido Democrata) e o voto de protesto.

Nos primeiros parágrafos da sua carta, Moore escreve sobre as pessoas que menosprezam as suas previsões:

Infelizmente, você está vivendo numa bolha anexa a uma câmara de eco, onde você e seus amigos vivem convencidos de que o povo americano não vai eleger um idiota como presidente.

Na verdade, as redes sociais criaram milhões de bolhas, onde nos aproximamos das pessoas que pensam parecido e nos afastamos daqueles que têm opiniões opostas. No Facebook de Mark Zuckerberg, foi criado um algoritmo chamado EdgeRank (figura abaixo),

edgerank-2016

Ou seja, se clicarmos, curtirmos ou comentarmos frequentemente as publicações de um amigo, maior será a afinidade e veremos majoritariamente suas atualizações. Se a publicação for curtida, comentada ou compartilhada por muitos amigos, se tornará visível para mais pessoas por mais tempo. Com o passar do tempo, as publicações mais novas terão prioridade e serão exibidas à frente das mais antigas.

A afinidade acaba criando bolhas dentro do Facebook. As motivações desta afinidade podem ser familiares, religiosas, esportivas, causas comuns ou políticas. Não importa, você vai receber novas informações com a mesma visão de mundo das pessoas que pensam parecido com você. Por que Mark Zuckerberg fez isso? Em minha opinião, ele queria criar uma rede social, onde as pessoas sentissem prazer ao ficar muito tempo nela. Se você entra na rede e se irrita na primeira atualização que lê, existe o risco de afastar-se por um bom tempo. Por outro lado, fica mais fácil traçar os perfis dos usuários e suas preferências quando já estão classificados dentro de seus silos específicos. Ou seja, Zuckerberg criou uma ótima ferramenta para maximizar seus lucros, mas novos efeitos colaterais foram criados na sociedade – o aumento da segregação e polarização.

Estas bolhas da Internet ajudaram na vitória do Brexit no Reino Unido, na rejeição do acordo de paz na Colômbia e na vitória de Donald Trump nos Estados Unidos. Afinal “todos meus amigos do Facebook iriam votar como eu, por isso não acredito no resultado desta eleição”.

Daniel Kahneman apresenta, no best-seller “Rápido e Devagar”, uma série de vieses cognitivos (padrões de distorção dos julgamentos). O viés de confirmação é a tendência de buscar informações que confirmem nossa forma de pensar, nossa visão de mundo e, até mesmo, nossos preconceitos. Questionar nossos posicionamentos e opiniões exige um grande esforço de nosso cérebro. Por outro lado, se deixar levar pelo viés de confirmação é fácil e indolor. Ouvir sempre as mesmas pessoas, ler as mesmas revistas e interagir com os mesmos grupos no Facebook ou Twitter só sedimentam as nossas certezas, sem questionamentos.

As redes sociais que ajudaram a vencer as distâncias entre amigos que não se encontram há tempos, agora poderão separá-los definitivamente apenas por terem opiniões divergentes na política.

1 comentário

Arquivado em Geral, Gestão de Pessoas, História, Lazer, linkedin, Política, Psicologia

Putin e a Crimeia – Como o que Começa Pequeno Pode Tornar-se Insolúvel

Ontem iniciou mais uma semana de testes na fria Saskatoon no Canadá. No café da manhã, conduzi a conversa com dois colegas da Polônia para a questão Putin e a Crimeia. Para nós brasileiros, esta questão pode parecer distante e sem importância, mas para os poloneses, que são vizinhos da Ucrânia, a coisa é bem mais séria.

Farei a seguir uma pequena retrospectiva para aqueles não estão acompanhando o caso. No final de 2013, o então presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovytch, decidiu aproximar o país da Rússia ao invés de efetivar um acordo com a União Europeia. Este ato foi o estopim para os protestos populares que iniciaram pacíficos, mas tornaram-se violentos em fevereiro de 2014. Apenas os confrontos entre os dias 18 e 20 desse mês deixaram 98 mortos e milhares de feridos na capital Kiev. Logo após, Viktor Yanukovytch foi destituído da presidência e eleições foram convocadas para o mês de maio. Dias depois, a Crimeia, uma região autônoma da Ucrânia, divulgou sua intenção de desligar-se do país e anexar-se à Rússia. Vladimir Putin mandou exércitos para a região sob o pretexto de garantir a segurança da população de origem russa (cerca de 60% do total). Um plebiscito foi realizado neste final de semana com vitória esmagadora da proposta de anexação à Rússia e ontem Putin reconheceu o resultado.

Viktor Yanukovytch e Vladimir Putin

Viktor Yanukovytch e Vladimir Putin

A crítica mais contundente até agora foi feita pela senadora e candidata à presidência dos Estados Unidos, Hillary Clinton. Ela comparou, segundo o “The Washington Post”, a atitude de Putin à de Adolf Hitler nos anos 30, ao invadir regiões da Tchecoslováquia e Romênia sob a justificativa de garantir os direitos dos cidadãos de origem alemã.

Placa em manifestação mostra Putin como Hitler

Placa em manifestação mostra Putin como Hitler

A questão é complexa, porque, por um lado, a União Europeia não pode aceitar este tipo de interferência da Rússia nos países vizinhos, mas, por outro lado, deve-se considerar a dependência da Europa em relação ao gás natural russo, as enormes reservas de petróleo do país e, principalmente, seu enorme poderio bélico herdado dos tempos da extinta União Soviética.

Perguntei para meus colegas poloneses se existe outra região da Europa Oriental, onde a população de origem russa seja a maioria. A resposta foi preocupante. Eles não sabiam, mas, no período de 1945 a 1989, houve muita movimentação dentro daquela zona e pode existir alguma região estratégica na mesma situação da Crimeia. Deste modo, o caso pode ser definido da seguinte forma. Hoje a anexação da Crimeia pela Rússia pode não ser uma grande agressão aos direitos de autodeterminação dos povos, mas é um importante precedente. Ontem foi a Chechênia; hoje, a Crimeia. Se ninguém fizer nada, amanhã será o quê?

Ucrânia com a península da Crimeia em verde

Ucrânia com a península da Crimeia em verde

Não estou pedindo sansões terríveis contra a Rússia, porque provavelmente o povo pobre deste país será o mais atingido. No final, Putin poderia até sair fortalecido com este tipo de procedimento. Por outro lado, se tudo ficar como está, pode ser a senha para um próximo passo. Putin já fez várias – mandou prender políticos da oposição, as cantoras do Pussy Riot e ativistas do Green Peace. Poucas autoridades de outros países falaram contra. Durante a invasão de um teatro por terroristas chechenos, em Moscou, causou a morte de pelo menos 129 reféns devido à colocação de um gás tóxico desconhecido no sistema de ventilação do prédio. Ninguém se levantou contra o uso de armas químicas em civis. Vetou qualquer resolução mais forte da ONU contra o regime de seu aliado Bashar al-Assad na Síria, alegando o direito de autodeterminação dos povos. Todos terminaram engolindo a posição de Putin. Agora é a Crimeia…

Bashar al-Assad e Vladimir Putin

Bashar al-Assad e Vladimir Putin

As grandes maldades geralmente começam por pequenas maldades. Isto vale também para nosso dia a dia. Aceitamos que os outros façam coisas erradas, cometemos pequenos delitos, não acontece nada, fazemos maiores. Se não tem blitz da “Lei Seca”, então está liberado dirigir depois de beber todas. Tapamos os olhos para os problemas que temos dentro de nossas casas, até que num dia eles se tornam grandes o suficiente para parecerem insolúveis, verdadeiros “Putins”. Nessa hora, perguntamos para nós mesmos:

– Como a situação chegou neste ponto? O que fizemos de errado?

A resposta é simples, agimos como avestruzes, fizemos de conta que o problema não era com a gente e o que antes seria uma simples correção de rumo, pode se tornar uma tragédia. Pode ser tarde…

dúvidas

5 Comentários

Arquivado em Ética, Economia, História, linkedin, Política, Psicologia