Como Fugir da Maldição do Gráfico de Dente de Serra e Manter as Melhorias no Processo

Temos um problema de processo. Um grupo se reúne e encontra a solução. Na semana seguinte, o desempenho é medido e, para a alegria deste grupo, tem-se um resultado excelente. Mensagens com congratulações circulam pelo e-mail da empresa e a vida prossegue.  Passa um tempo e alguém se lembra de dar uma olhadinha para ver como está funcionando aquele processo e tem uma surpresa! O desempenho voltou para o nível anterior àquela intervenção. Neste momento, pode-se perguntar para um operador o que está acontecendo e a resposta será desconcertante:

– Sempre foi assim! Isto nunca funcionou muito bem mesmo…

Neste caso, pode-se simplesmente repetir o que foi feito anteriormente e voltar a colocar o processo nos trilhos.

O gráfico de dente de serra apresentado abaixo será uma rotina nesta empresa e os resultados não serão sustentáveis. 

dente-de-serra

Gráfico de Dente de Serra

Mas como os resultados podem ser sustentados?

O primeiro ponto é o comprometimento genuíno da gerência da área. O gerente deve acreditar e adotar a solução como sendo sua. Ele deve liderar pelo exemplo. Todo o processo de mudança encontra obstáculos. A maior barreira é a reatividade das pessoas. Para conquistá-las, melhor seria a participação na solução do problema, mas, se isto não for possível, devem ser treinadas e conscientizadas sobre a importância da mudança.

A base para o treinamento é a criação e atualização de padrões e procedimentos. Taiicchi Ohno disse que onde não existem padrões não pode haver melhoria contínua. Claro que a maioria das pessoas não gosta de redigir procedimentos e para se justificar costumam dizer:

– Pessoas não são robôs! Elas têm que ter espaço para usar a criatividade.

Na verdade, um procedimento descreve a melhor forma conhecida e comprovada de fazer certa atividade. Se cada um usar seu livre arbítrio e executar uma tarefa de acordo com sua fórmula pessoal, o resultado final terá uma variabilidade desastrosa. A disciplina operacional é chave para que todos trabalhem de modo padronizado. Sempre existirá o momento para usar a criatividade, mas as melhorias serão efetuadas a partir dos standards estabelecidos.

taiicchi_ohno

Taiicchi Ohno

Também é fundamental a definição de parâmetros mensuráveis para avaliar o desempenho do processo. Como todos costumam dizer “você não pode controlar o que não mede”. A divulgação dos indicadores do processo em quadros de gestão à vista ajuda a sustentá-los.

Visual-Management-Board

Quadro de Gestão à Vista

O melhor mesmo é estimular a participação dos funcionários. O envolvimento do pessoal do chão de fábrica, incluindo operação e manutenção, durante a resolução de um problema, cria comprometimento para a manutenção dos resultados. A gerência deve criar as condições necessárias para maximizar esta participação.

2 Comentários

Arquivado em Gerenciamento de Projetos, Gestão de Pessoas, Lean Manufacturing, linkedin

2 Respostas para “Como Fugir da Maldição do Gráfico de Dente de Serra e Manter as Melhorias no Processo

  1. Luiz Carlos,

    Grato por prestigiar meu blog. Ele foi criado para estimular discussões como esta. O ser humano não está acabado, longe disto… Sócrates apenas confirmou toda a sua sabedoria quando disse “só sei que nada sei”. Após cada comentário que recebo, também posso dizer que não sou mais o mesmo Vicente de antes.

    Depois deste momento filosófico, tenho alguns comentários para fazer. Mesmo em um processo totalmente mecanizado e automatizado existe o componente humano no projeto, na criação do software de controle, na manutenção e assim por diante. O homem está por trás de tudo com seu bio ritmo às vezes caótico. Mesmo aí fica difícil linearizar o processo. E quanto mais dependente o processo for da mão e cérebro humanos, mais sujeito a variações ele será.

    Por outro lado, também prefiro ambientes menos previsíveis e mais criativos. Devemos ter paixão pela busca de padrões mais altos de excelência. A ideia de uma curva dente de serra ascendente é extremamente sedutora. Parece uma acumulação de energia necessária para os novos crescimentos…

    O ponto chave é a criação deste ambiente que estimule todos os funcionários.

    Grande abraço,

    Vicente

    Curtir

  2. Vicente.
    Parabéns pelo blog e pela postagem de um assunto extremamente importante e que vale todas as considerações e comentários possíveis, pois falar em Processos e Pessoas e muito delicado.
    Quando tocamos no assunto Processo logo pensamos em sistemas para alcance de resultados máximos.
    Quando trato deste assunto eu costumo avaliá-los de duas maneiras: Os que utilizam as maquinas e os que utilizam também as pessoas.

    No processo que utilizam maquinas se na avaliação dos resultados estes se apresentarem como “dente de serra” realmente você precisa correr para tomar ações verificar o que está errado, pois se o processo envolve somente equipamentos e os gráficos deveriam ser constantes ou com poucas variações dentro do permitido no controle do processo, presumindo que o projeto, implantação e inicialização já formam testadas e aprovadas.

    Agora quando tratamos de algo que envolva seres humanos, como operadores, programadores, controladores e outros, a avaliação por gráficos é um pouco mais complicada, e uma imposição de avaliação gráfica linear deveria se abandonado.
    O ser humano é movido por energia emocional e seu próprio biorritmo traduz tudo: Nunca é linear.

    A utilização de padrões, regras e medições (comando e controle) limitam e expõem os resultados as oscilações inerentes ao ser humano. E como superar as oscilações e conseguir bons resultados? Tratando-se de maquinas, cálculos e equipamentos dimensionados de forma correta e uma boa manutenção devem possibilitar um gráfico linear, mas no caso do envolvimento de seres humanos somente um projeto que envolva sua participação, englobando suas limitações e reconhecendo seus progressos pode conseguir bons resultados.

    Thomas W Malone em seu livro O Futuro dos Empregos (boa leitura) sugere a troca dos paradigmas de Comando e Controle por Coordenar e Cultivar, ou seja, precisamos criar um ambiente, uma estrutura onde o potencial criativo e evolutivo do ser humano possa ser utilizado.

    O resultado dependerá da escolha: Caso desejemos potencial máximo limitado e linear, escolheremos a maquina. Mas se quisermos potencial de crescimento ilimitado, escolheremos o ser humano, pois este esta sempre em evolução, nós só precisaremos aprender a cultivá-los!

    Eu, particularmente, entre o gráfico linear e o dente serra, fico com o dente de serra, mas na ascendência sempre!

    Saudações!

    Luiz Carlos

    Curtir

Deixe uma resposta para Luiz Carlos dos Santos Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.