Arquivo da tag: Peste Negra

Como Sobreviver a Dez Quarentenas

No século XIV, durante a epidemia de Peste Negra na Europa, os navios que desejavam aportar em Veneza, vindos de portos onde havia casos da doença, eram obrigados a ficar ancorados quarenta dias na ilha de San Lazzaro. Daí a origem da palavra quarentena.

Ilha de San Lazzaro – Tela de Guardi Giacomo.

Quase seis séculos e meio depois, no dia 20 de março de 2020, me despedi dos colegas de trabalho. O plano inicial seria retornar a Campo Grande na noite do dia 29 de março. Um dos colegas perguntou para mim quando eu estaria de volta na fábrica. Eu respondi, para sua surpresa, que, em algum dia, eu voltaria. Expliquei que meu voo era para São Paulo, naquele momento o epicentro da epidemia de Covid-19 no Brasil, e que as fronteiras do estado poderiam ser fechadas em breve e os voos cancelados.

Na semana seguinte, a empresa colocou-me em home office até nova orientação, situação que ainda permaneço quatrocentos dias depois daquele 20 de março.

Passei por várias fases, durante este período. Posso começar pelo período anterior à minha quarentena. Confesso que as primeiras notícias não me sensibilizaram. Parecia uma doença exótica que sumiria da mesma forma que apareceu. Espantei-me ao cruzar com as primeiras pessoas, usando máscaras no Aeroporto de Guarulhos. Achei um exagero. Quase fiquei bêbado com a quantidade de álcool gel que a passageira sentada numa poltrona próxima usou durante minha última viagem de São Paulo para Campo Grande. Talvez se eu fosse submetido ao teste do bafômetro naquela noite, seria barrado.

Minha percepção começou a mudar com as notícias vindas, inicialmente, da Itália e depois de New York no Estados Unidos. A doença parecia muito mais grave do que a H1N1, por exemplo.

Na primeira semana em casa, recebi um amargo presente de aniversário, o primeiro discurso de Jair Bolsonaro sobre a doença e as medidas restritivas que governadores e prefeitos adotavam com base na experiência de outros países e aconselhamento científico. A Covid-19 era uma doença nova, muito contagiosa, sem tratamento conhecido e sem vacinas para preveni-la. Mesmo assim, Bolsonaro chamou a doença de gripezinha, além de criar um falso dilema entre a doença e a economia. Voltarei a este ponto mais adiante.

Como engenheiro de processo, sempre gostei de ver o que acontece no chão de fábrica e conversar, olhos nos olhos, com quem realmente põe a mão na massa. Este tempo de contatos virtuais, com Skype, Teams, Google Meeting e Zoom, não é o ideal para meu estilo. Reconheço que ganhamos agilidade, mas, depois de algum tempo, estava completamente esgotado. Pedi uma semana de folga que me ajudou a “desintoxicar”. Desde então, tenho conseguido levar adiante as coisas, existem semanas mais leves, outras mais pesadas. “Cê la vie”…

Por outro lado, como eu estava, há dois anos, passando somente os finais de semana em casa, gostei de ficar mais tempo com as filhas e a Claudia. No início, eu sentia até uma pequena culpa por estar em uma situação privilegiada. Depois, me dei conta que era uma besteira minha. Este convívio me ajudou a resistir durante todo este período. Chegamos a festejar o São João, fazendo uma fogueira no nosso quintal.

No final do ano, eu e a Claudia conversamos muito sobre onde passaríamos o Natal e a entrada de 2021. Nossas mães moram no Rio Grande do Sul e estavam com outras doenças. Decidimos redobrar os cuidados e viajar de automóvel até Porto Alegre. Fiquei três semanas no apartamento da mãe. Convivi diariamente com ela, minha tia-dinda, meu filho Leonardo e meus irmãos. Foi ótimo! Só saia do apartamento para correr, usando máscara. Também voltarei ao tema das corridas mais adiante.

Houve um momento no qual os números de casos e mortes declinavam no início de 2021. Planejei minha volta a Campo Grande, mas, neste exato momento, a segunda onda veio de forma avassaladora. Desisti do retorno e, hoje, fecha quatrocentos dias de home office.

Tive altos e baixos neste período, mas os balanços profissional e pessoal foram positivos. Apesar de ter trabalhado apenas dois meses de modo presencial, sinto que as conexões com meus novos colegas só se fortaleceram nos treze meses seguintes.

Continuei minha rotina de corridas. Normalmente treino três vezes por semana. Devo ter percorrido uns 1.700 quilômetros nestes treinos. Pela primeira vez, corri 10 quilômetros em menos de uma hora. Fiz algumas meia-maratonas. E, no último trimestre de 2020, comecei a aumentar a duração dos treinos e percorri 26 quilômetros em 3 horas. Isto me ajudou a manter o peso e melhorar a disposição para o trabalho.

Meu treino mais longo

Como curiosidade, não corto o cabelo desde março do ano passado. Além disso, estou cultivando um cavanhaque estilo Mestre Miyagi. Talvez eu esteja com uma aparência de Visconde de Sabugosa, menos ruivo e mais grisalho.

Visconde de Sabugosa

Passei por várias fases nesta pandemia. No início de 2020, eu estava na fase de negação. Achava que realmente não iria dar em nada. Depois fui tomando consciência do tamanho do problema e do risco. Depois do discurso da “gripezinha” do Bolsonaro, tive momentos que oscilaram entre a raiva e a incredulidade em relação às pessoas que confiavam cegamente nas diretrizes insanas de Bolsonaro para combater a doença.

Posso dizer que meu único medo de contrair a doença, seria morrer e deixar minha família em dificuldades. Procurei semear otimismo, busquei força nos estoicos, estudei as “Meditações” de Marco Aurélio. Lembrei daquela frase do filósofo dinamarquês Soren Kierkegaard:

A vida só pode ser compreendida, olhando-se para trás; mas só pode ser vivida, olhando-se para frente.

Assim meu navio continua ancorado em casa, junto com minha família, por um tempo equivalente a dez quarentenas exigidas pelos venezianos durante a epidemia da Peste Negra. Tenho convivido dia e noite com minha família, trabalhado muito, lido livros e artigos, ouvido músicas novas ou conhecidas, assistido a filmes e séries, publicado alguns artigos, corrido pelo condomínio… Espero minha hora para ser vacinado. E me mantive ativo e esperançoso que, depois de passar por tudo isso, encontraremos caminhos melhores a serem trilhados.

2 Comentários

Arquivado em Blog, Geral, linkedin

A Ignorância, o Atraso e o Oportunismo

No domingo que passei na Espanha, segui a sugestão do colega que estava no mesmo hotel e fizemos uma excursão para a cidade histórica de Girona e para Figueres, onde está localizado o Museu Salvador Dalí.

Girona é daquelas cidades europeias que tem mais tempo de história do que o nosso Brasil. Foi fundada pelos romanos na beira do rio Oñar, os vestígios das muralhas ainda estão firmes. Depois foi conquistada pelos visigodos, na sequência pelos árabes que foram expulsos pelos francos de Carlos Magno. Isto explica a semelhança da língua catalã falada por todos na região com o francês.

Cidade de Girona na Espanha

Cidade de Girona na Espanha

A cidade prosperou até o século XIV quando foi atingida pela epidemia de peste negra. A população da cidade, naquela época, tinha uma parcela expressiva de judeus, mais de 10% do total. A colônia era composta por profissionais das mais variadas áreas, com destaque para as ciências e medicina . Os médicos judeus tiveram pouco sucesso no tratamento dos pacientes desta doença e “pior”, a proporção de doentes  entre a sua etnia foi expressivamente menor do que na comunidade cristã. Isto ocorria, porque os judeus seguiam  rigorosamente suas leis referentes à higiene. Afinal quem tem melhores hábitos, é mais saudável.

Bairro Judeu da Cidade de Girona na Espanha

Uma das ruas do Bairro Judeu da cidade de Girona

O fanatismo religioso estimulado pelos poderosos da cidade levou muitos judeus ao massacre por serem considerados os responsáveis pela disseminação da doença. Outros se converteram ao Cristianismo para escapar da morte. Mais tarde, durante a famosa Inquisição Espanhola do século XV, muitos judeus  e “novos cristãos” foram perseguidos e mortos acusados de heresia. Na verdade, o mais importante para os reis da Espanha  era o confisco de todas as propriedades dos hereges. Mais uma vez, a ignorância foi usada pelos poderosos por meros interesses econômicos.

Fogueira de judeus

Judeus foram mortos por heresia em fogueiras

Na minha viagem de ida para a Europa, tinha um interessante artigo na Newsweek escrito por Hussain Haqqani,  ex-embaixador paquistanês em Washington de 2008 a 2011 e atualmente professor de relações internacionais na Boston University. Se quiser ler o artigo original na íntegra, basta clicar no link abaixo.

http://www.thedailybeast.com/newsweek/2012/09/30/husain-haqqani-muslim-rage-is-about-politics-not-religion.html

Hussain Haqqani

Hussain Haqqani

Com muito mais propriedade do que eu em meus artigos anteriores, Haqqani comenta que da mesma forma que as escrituras Judaicas ou Cristãs, os textos sagrados do Islã pregam a caridade, a bondade e o respeito pela vida. O Al Corão em muitas passagens encoraja seus seguidores a praticar o perdão. Em um episódio famoso, Muhammad perguntou pela saúde de uma anciã em Meca que jogava lixo nele todos os dias. Quando ela não apareceu para insultá-lo, ele ficou preocupado.

Haqqani cita vários casos de livros obscuros que se tornaram conhecidos por causa dos protestos e condenações (fatwa) dos seus autores à morte por autoridades religiosas. O objetivo, na verdade, não era acabar com as ofensas, mas mobilizar os mulçumanos contra o Ocidente. Os protestos das manchetes são função dos políticos, não da religião. Por exemplo, o governo paquistanês criou o “Dia do Amor do Profeta” e, apesar de 95% da população do país (190 milhões de habitantes) serem mulçumanos, apenas 45 mil pessoas participaram das manifestações que terminaram em mortes e feridos contra o filme “Innocence of Muslims”.

Salman Rushdie e seus "Versos Satânicos"

Salman Rushdie e seus “Versos Satânicos”

Metade dos analfabetos do mundo são mulçumanos e dois terços deste grupo são formados por mulheres. Nesta condição, as pessoas podem ser manipuladas com muito mais facilidade. A atenção do povo é desviada e o foco é “nós contra os outros”, quando deveria ser “nós contra os nossos problemas”.

sala  de aula no Paquistão

Sala de aula no Paquistão

Se você segue meu blog com regularidade, pode pensar que ultimamente estou batendo na mesma tecla. A ideia é mostrar diferentes exemplos onde a manipulação das pessoas pode gerar violência e intolerância. Muitas justificativas podem ser empregadas: autoridade, ordem, religião, pátria e tradição. Certa vez li uma frase creditada a Albert Einstein, depois vi que outros creditavam ao músico Maurice Ravel (autor do famoso “Bolero”), independente do autor, ela é impactante:

– A tradição é a personalidade dos imbecis.

Se agirmos da mesma forma, sem questionamentos, como se não existisse alternativa, seremos realmente uns imbecis. Assim qualquer um consegue convencer que o problema é outro país, outra raça ou outra religião. Não somos mais os responsáveis por conduzir e decidir sobre o que é melhor para nossas próprias vidas. Os outros ou as tradições decidem por nós…

2 Comentários

Arquivado em Ética, Educação, História, linkedin, Política, Psicologia, Religião