Arquivo da tag: Rio Grande do Sul

Dia Mundial da Água – Apresentação sobre Poluição Hídrica para Crianças

No dia 22 de março comemora-se o Dia Mundial da Água. Sendo bem redundante, seria “chover no molhado” falar sobre a importância da água para todos os seres vivos.

Em 2015, fiz uma apresentação sobre poluição hídrica para um grupo de crianças do projeto da Associação São Paulo da Cruz, junto à Igreja do Calvário no Bairro Pinheiros em São Paulo.

A apresentação on line está disponível abaixo.

Se você quiser baixar o arquivo original em PowerPoint, basta clicar no link abaixo.

Apresentação_Meio-Ambiente

Guia para apresentação:

Slide 1 – capa.

Slide 2 – explique que os peixes respiram o oxigênio que está dissolvido na água, enquanto nós respiramos o oxigênio que está no ar.

Slide 3 – descobra quais crianças já tiveram aquário em casa. Elas darão depoimentos que comprovam um importante mecanismo da poluição hídrica a ser explicado na sequência da apresentação.

Slide 4 – a grande maioria das pessoas que tem ou já tiveram um aquário matou todos os peixes por colocar mais alimento do que os peixes conseguem consumir. Isto normalmente acontece, durante uma ausência mais prolongada da família, para que os peixes não passem fome.

Slide 5 – gere discussão da causa da morte dos peixes.

Slide 6 – explique que, na água, no ar, no solo, no nosso corpo, existem microrganismos (invisíveis sem o auxílio de um microscópio). As bactérias são um dos principais grupos dos microrganismos.

Slide 7 – explique que as bactérias se alimentam, respiram e se multiplicam em grande velocidade, enquanto houver alimento.

Slide 8 – conclua que os peixes morreram asfixiados, porque não havia mais oxigênio dissolvido na água do aquário. Como havia excesso de alimento, as bactérias começaram a se reproduzir com grande velocidade e consumiram todo o oxigênio dissolvido e os peixes não conseguiram mais respirar e morreram.

Slide 9 – mostrar que a poluição pode ser apenas uma quantidade exagerada de alimento que os peixes não conseguirão consumir.

Slide 10 – explique que a poluição pode ser causada por uma substância tóxica como venenos e metais pesados.

Slide 11 – apresente exemplos de fontes geradoras de poluição. O primeiro exemplo é o esgoto doméstico. Sim, o nosso cocô, quando chega no rio pode servir de alimento para os peixes e as bactérias. Como as bactérias se multiplicam rápido e existe muito alimento (cocô) no rio, elas acabam consumindo todo oxigênio e os peixes morrem.

Slide 12 – o efluente líquido de uma indústria também pode causar poluição nos rios. Dependendo do tipo da indústria, seu efluente pode ser parecido com o esgoto doméstico ou ser um veneno para toda a vida aquática.

Slide 13 – os efluentes agrícolas podem ser água da chuva ou de irrigação contaminada por fertilizantes ou agrotóxicos.

Slide 14 – o esterco de animais segue a mesma lógica da poluição causada pelo esgoto doméstico (slide 11).

Slide 15 – existem muitos lixões localizados próximos a rios que terminam por contaminá-los. Muitas pessoas jogam lixo no chão e, quando chove, este lixo é arrastado para os bueiros das ruas e chegam até os rios, gerando poluição. Neste caso, a poluição é causada pelo excesso de alimento (matéria orgânica) e por venenos (substâncias tóxicas).

Slide 16 – este é um exemplo de tragédia ambiental. No final de 2006, cerca de 100 toneladas de peixes morreram no Rio dos Sinos no Rio Grande do Sul. Houve uma combinação de seca no rio, de altas temperaturas, de esgoto doméstico não tratado e lançamentos clandestinos de algumas indústrias e de um grande aterro de resíduos industriais. Este slide poderia ser substituído pelo do desastre de Mariana, causado pelo rompimento da barragem da mineradora Samarco, que encheu o Rio Doce de lama tóxica.

Slide 17 – pergunte o que devemos fazer para evitar a poluição dos rios.

Slide 18 – explique que é melhor evitar que a poluição seja gerada do que tratar os seus efeitos. Assim o primeiro passo é não gerar resíduos e economizar água.

Slide 19 – se não for possível evitar a geração de resíduos, procure reaproveitá-los ou reciclá-los.

Slide 20 – se depois de todas as medidas para evitar a geração de resíduos, ainda sobrar alguma coisa, devemos tratá-la antes de devolvê-la novamente ao meio ambiente. Esta figura mostra uma estação de tratamento de esgotos da cidade de São Paulo. O esgoto passa inicialmente por um sistema de gradeamento, onde os sólidos maiores são removidos. Depois passa por um tanque de sedimentação, onde os sólidos menores são separados. Na sequência, o líquido é conduzido para um tanque onde microrganismos consomem a matéria orgânica solúvel. Estes microrganismos são separados do líquido antes de retornar o esgoto tratado para o rio.

Slide 21 – Os sólidos retirados nas diversas etapas do tratamento são digeridos por bactérias em tanques fechados, concentrados e secos.

Slide 22 – O tratamento de esterco de vacas e porcos em biodigestores anaeróbios produz biogás que pode ser usado para geração de calor ou energia elétrica. Os sólidos biodigeridos podem ser usados como fertilizantes na agricultura. Assim um resíduo altamente poluente pode ser reaproveitado.

Slide 23 – Agradecimento final.

Espero que esta apresentação seja útil para apresentar a seus filhos e alunos. Estou à disposição para esclarecer quaisquer dúvidas.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Educação, Geral, linkedin, Meio Ambiente

Revolução Farroupilha e o Acampamento Imperial

Começo dizendo que sou gaúcho e gosto de ser gaúcho, mas busco sempre construir uma visão crítica sobre “nosso jeito de ser”. Algumas vezes somos atrapalhados por nossa postura e ganhamos rótulos de arrogantes e intransigentes. Devemos sempre abrir nossa mente para visões diferentes, sem preconceitos ou pré-julgamentos.

Hoje é 20 de setembro, a data maior dos gaúchos. Festeja-se em todo o estado a Revolução Farroupilha, mas poucos conhecem a verdadeira história deste movimento. Não escreverei laudas sobre o assunto, mas inicialmente lembrarei um fato curioso. Nossa capital, Porto Alegre, foi conquistada pelo exército rebelde no dia 20 de setembro de 1835. Os legalistas retomaram a capital no dia 14 de junho de 1836. Após esta data, os farroupilhas não conseguiram mais reconquistá-la, durante os nove anos subsequentes de enfrentamentos. Assim sugiro que ao invés e um acampamento farroupilha, como o realizado anualmente no Parque Harmonia em Porto Alegre, tenhamos um “acampamento imperial”.

blog 2009-09-20

Fotos do “Acampamento Imperial” de Porto Alegre em 2008

Tenho dois livros do grande historiador gaúcho Moacyr Flores. Ele costuma fazer uma distinção entre história e mito. Encontrei outro dia uma entrevista dele na Internet e reproduzo alguns trechos abaixo.

Nós temos que estabelecer diferença entre história e memória. A memória é uma recriação do passado, no caso esse gaúcho de CTG, gaúcho literário, ele é uma recriação. Então o quê que se faz? Como temos conhecimento do contexto histórico e a História não nos serve, a memória começa a embelezar o passado. A memória idealiza o passado, porque este passado vai ser um símbolo, uma entidade. Então ele tem que sair idealizado dentro dos arquétipos universais.

Hoje a Revolução Farroupilha, é um verdadeiro mito. Passa a ser uma identidade, um testemunho da criação de uma identidade Riograndense. Então, hoje, todo mundo é farroupilha, quando que na época, era uma minoria revolucionária. Cidades como Porto Alegre, Rio Pardo, Pelotas, Rio Grande, Caçapava (que foi a segunda capital), eram antifarroupilhas. Os primeiros a lutarem contra os farrapos foram os próprios riograndenses. Criou-se um mito que eles lutaram por causa do charque. Lutaram por idéias e lutaram pelo poder.

É um grupo de fazendeiros, grandes comerciantes e oficiais superiores que querem ocupar o poder. O poder era sempre nomeado pela Coroa (Rio de Janeiro – Corte), agora o Rio Grande do Sul possuía certa autonomia econômica, mas não tinha autonomia política. Naquela época estava separado pela própria geografia, então, ele tinha que se formar sozinho e durante toda a sua formação, conflitos com os castelhanos. No dizer do Bento Gonçalves, o Rio Grande do Sul era um acampamento militar. Toda a população andava armada e era convocada desde os catorze anos até os sessenta anos para combate. Então, isso aí, vai até a guerra do Paraguai, 80% da cavalaria que lutou lá foi riograndense.

Então, no Rio Grande do Sul desde o início, se formou uma sociedade inculta: não tinha teatro, não tinha jornais… Era uma sociedade rústica, a casa muito pobre, mesmo o grande proprietário tinha uma casa muito rústica, com pouco recurso, móveis quase nenhum. É só a gente olhar a relação dos testamentos que se vê. Assim nós vemos a pobreza destes grandes proprietários de terra. A pobreza no sentido de mobiliário, até de indumentária. A riqueza era a terra, a quantidade de gado e escravos. Isso era a riqueza. Agora, não havia conforto, não havia escola. Criou-se aqui uma sociedade que praticamente não tinha igrejas.

Lá no século XVIII nós tínhamos uma igrejinha em Viamão e outra em Rio Grande. A parte da moral, da ética que a religião passa, essas pessoas ficaram sem. Muitos viviam a vida inteira sem ir a um ritual religioso, só se sabia que ele existia porque morria, aí tinham que fazer o óbito. Os policiais era quem comunicavam o óbito para ser registrado no livro da igreja.

Então, é uma sociedade que não tem conventos e seminários, onde se estudava na época. Uma sociedade muito rústica, e como ela é mobilizada constantemente contra os castelhanos, ela banalizou a morte.

É uma sociedade violenta, nada disso de brasileiro bonzinho, a própria Revolução Farroupilha, não é isso que vemos no dia 20 de setembro. Esse desfile, com carro alegórico, aqui em Porto Alegre, está se transformando em escola de samba. Não foi nada disso, houve muita degola, com mortes, com prisões. O que o pessoal não se dá conta, e eu acho incrível nós festejarmos uma revolução, quando nós deveríamos estar festejando a paz. O massacre que houve das populações, e as que mais sofreram com a violência foram as mulheres, que eram as primeiras a serem violentadas, a serem raptadas e isso não é contado.

2 Comentários

Arquivado em História