Arquivo da tag: mãe

Descartes, Hamlet, Hilel e Dona Ladi

No início deste mês, Dona Ladi, minha mãe, faleceu em Porto Alegre. Muitas vezes tenho pensamentos que acabam colidindo com outros, aparentemente desconexos, mas tornam-se pontos de partida para solucionar outras questões. Quando transcrevo minhas ideias para o papel, muitas lacunas são preenchidas e ganham coerência (pelo menos para mim). E assim, gostaria de passar rapidamente por algumas frases famosas para explicar todo o reconforto que eu sinto, apesar da tristeza.

O filósofo René Descartes é autor da famosa frase “penso, logo existo”. Eu gostaria de reescrevê-la da seguinte forma:

– Penso, logo tenho a consciência de minha existência.

René Descartes

Pedras, plantas e, até mesmo, animais existem sem a consciência de suas existências.

Então, quando pensamos, conscientemente existimos, mas só somos, quando fazemos algo. Esta reflexão atinge um de seus pontos mais altos com o monólogo do Príncipe Hamlet no final do primeiro ato da tragédia escrita por Shakespeare. “O ser ou não ser, eis a questão” diz respeito ao ser através das ações. Somos aquilo que fazemos. Se deixarmos de fazer aquilo que devemos fazer, também deixamos de ser.

“Hamlet e Horácio no Cemitério” de Delacroix

Não somos o que pensamos, como poderíamos deduzir através do “penso, logo existo” de Descartes. O que nos torna realmente humanos não são nossos pensamentos e ideias; e sim, nossos atos.

Quando Seu Flávio, meu pai, faleceu, há quase 25 anos, a divisão das tarefas do lar era muita clara. Todo o controle de contas bancárias e pagamentos estava nas mãos dele. Minha mãe se reinventou passou a cuidar desta parte e, depois, virou síndica do prédio onde morava, cuidando com austeridade das contas.

Dona Ladi assumiu o pleno controle de sua própria vida. Ela continuou a seguir, mesmo sem conhecer, as três perguntas de Hilel, o Ancião:

Se não for por mim, quem o será?

Se não for agora, quando?

Se eu for por mim, quem eu serei?

Hilel o Ancião

Minha mãe fez de seus atos a expressão mais completa e acabada do que é ser. Foi uma supermãe, carinhosa e educadora. Amava a vida e a liberdade que foi cerceada com o agravamento de seu estado de saúde.

No hospital em que estava internada, conversamos muito. Já havia passado das 22 horas, quando chamei a enfermeira para fazer os preparativos para o sono. Pouco depois da meia-noite, seu estado agravou-se e ela voltou para a UTI. Na madrugada de sábado para domingo, eu pedi ao médico do plantão que não fossem feitos procedimentos dolorosos ou inúteis, como a intubação. Ela estava sedada, quando agradeci por tudo que ela fez e falei que ela estava livre.

Dona Ladi nos deixou na hora do almoço daquela segunda-feira. Ela, sem dúvida, foi, é e será… E eu a amei, a amo e a amarei…

Foto da minha família (Dona Ladi está com a Luiza no colo),São Paulo, julho de 2013

4 Comentários

Arquivado em Arte, Filosofia, Geral, linkedin, Literatura